Logo2c.png

ECONOMIA CIRCULAR

A Economia Circular é uma oportunidade para o uso mais eficiente dos recursos naturais e aumento da competitividade da indústria

Em setores como o têxtil, eletroeletrônico e plástico, já é possível encontrar exemplos de empresas que vêm investindo em novos modelos de negócios; na utilização cíclica de produtos e materiais, e no redesenho de processos e produtos. Os resultados são a redução do consumo de matéria-prima, de desperdícios e de custos das empresas, além de ganhos sociais, ambientais e econômicos.

O modelo econômico linear, baseado na extração de matéria prima, transformação, uso e descarte de resíduos, trouxe um crescimento econômico sem precedentes para a humanidade, mas está chegando ao seu limite. Se o consumo de recursos naturais se mantiver neste modelo, as reservas disponíveis para alguns materiais se esgotarão em algumas décadas.

 

Aliada ao descarte inadequado de resíduos, essa superexploração também tem levado a problemas ambientais como mudanças climáticas, secas prolongadas, contaminação do solo e problemas de saúde para a população. Diante deste cenário, é necessário repensar o uso e a aplicação dos recursos, energia e outros ativos na economia e na sociedade.

A Economia Circular surge como um contraponto ao modelo linear. Esse novo modelo associa crescimento econômico a um ciclo de desenvolvimento que preserva e aprimora o capital natural, otimiza a produção de recursos e minimiza riscos, com a administração de estoques finitos e fluxos renováveis. Além disso, permite que as empresas possam reduzir custos e perdas produtivas, gerar novas fontes de receita e diminuir sua dependência de matérias-primas virgens.

A transição para a Economia Circular demanda uma coordenação entre meidas tanto do setor público quanto do setor privado. Por um lado, são necessárias iniciativas públicas que englobem ações regulatórias, fiscais, incentivos financeiros e de inovação, além de campanhas educativas.

Por outro lado, empresas e entidades privadas assumem um papel essencial na aceleração desta transição ao implementarem modelos de negócio inovadores. Exemplos disso são a prestação de serviço em vez da venda do produto, o uso de plataformas colaborativas, além do investimento em novas cadeias produtivas para a reutilização, manutenção, remanufatura e reciclagem de produtos.

Objetivos do Desenvolvimento Sustentável relacionados:
 

Mensagens-chave

A transição para a economia circular demanda que processos produtivos e políticas públicas sejam adequados. Para isso, é fundamental o incentivo a práticas inovadoras nos setores público e privado.

É necessário adequar o sistema tributário brasileiro para estimular o melhor uso dos recursos naturais.

Essa eficiência deve ser alcançada por meio do design de produtos, do reúso, da manutenção, da remanufatura e da reciclagem.
 

Mudanças no sistema econômico demandam o compartilhamento de responsabilidades entre todos os atores envolvidos – governo, setor privado e sociedade.

topo