Selo da Agenda Jurídica da Indústria 2018

Agenda Jurídica da Indústria

Lançada anualmente, a Agenda Jurídica da Indústria torna público o posicionamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) sobre as ações de maior impacto e relevância para o setor industrial. A publicação dá transparência à representação dos interesses da indústria brasileira e está disponível para consulta por toda a sociedade.

A CNI é uma das poucas entidades com legitimidade para propor diretamente ações judiciais perante o STF: desde 1988, a Confederação já ajuizou mais de 80.

Além de autora, a CNI também tem legitimidade para levar ao conhecimento do STF informações relevantes para o setor industrial sobre ações tramitando no Tribunal. Essa atuação se dá na forma de amicus curiae, uma espécie de conselheiro das Cortes. Há, ainda, ações em que a CNI não participa, o que não lhes retira a relevância jurídica nem a importância para o setor. Essas ações estão listadas na seção "a CNI como observadora".


Clique aqui  para acessar as versões virtuais da Agenda ou navegue pela ferramenta abaixo para acompanhar o andamento das ações.

Acompanhe as ações

Navegue pelo conteúdo abaixo para buscar ações em que a CNI atua e saber mais sobre o andamento de cada uma delas.

CNI como Requerente

Nesta seção, constam as ações em que a CNI atua diretamente no processo como requerente, isto é, as ajuizadas pela própria entidade.

Como requerente, a CNI pede ao STF que promova o controle de constitucionalidade de leis ou atos normativos resultantes do Poder Público. As decisões se estenderão a todas as indústrias, sindicatos, associações e federações, bem como à sociedade em geral.


 

Com as ADIs, a CNI questiona a constitucionalidade de lei ou de ato normativo federal e estadual. Ao julgar uma ADI procedente, o STF declara a inconstitucionalidade da lei ou do ato e, consequentemente, determina sua retirada definitiva do ordenamento jurídico. 

Acompanhe as Ações Diretas de Inconstitucionalidade em andamento da CNI como requerente:

5.964 - Preço mínimo obrigatório para o frete rodoviário
5.931 - Indisponibilidade administrativa de bens
5.866 - Convênio ICMS 52: Substituição Tributária
5.742 – ISS sobre costura e acabamento
5.739 – Registro de Ocorrência em caso de acidente do trabalho no Rio de Janeiro
5.733 - Fundo de Combate à Pobreza do Amazonas
5.635 - Fundo Estadual de Equilíbrio Fiscal do Rio de Janeiro
5.512 – Taxa de Fiscalização Ambiental de Petróleo e Gás no Rio de Janeiro
5.489 – Taxa de Fiscalização Ambiental de Energia Elétrica no Rio de Janeiro
5.374 – Taxa de Fiscalização e Utilização de Recursos Hídricos no Pará
5.053 – Adicional de 10% FGTS
4.960 – Piso salarial no Rio de Janeiro
4.905 – Multas por indeferimento de restituição ou compensação de tributos
4.874 – Anvisa ingredientes
4.787 – Taxa de Fiscalização e Utilização de Recursos Minerais no Amapá
4.786 – Taxa de Fiscalização e Utilização de Recursos Minerais no Pará
4.785 – Taxa de Fiscalização e Utilização de Recursos Minerais em Minas Gerais
4.716 – Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas
4.712 – Compra não presencial e ICMS no destino (Ceará)
4.623 – Crédito de ICMS em Mato Grosso
4.622 – Benefício fiscal na importação no Ceará
4.619 – Rotulagem de produtos transgênicos em São Paulo
4.613 – Obrigação de veicular mensagens educativas de trânsito
4.536 – Benefício fiscal na importação em Pernambuco
4.534 – Benefício fiscal na importação em Goiás
4.481 – Benefício fiscal na importação no Paraná
4.425 – Precatório EC nº 62/2009
4.157 – Exame preventivo no Rio de Janeiro
4.126 – Registro sindical das federações e confederações
4.031 – Indenização pela exploração de recursos minerais no Pará
3.931 – Nexo técnico epidemiológico
3.811 – Uso de tintas e anticorrosivos no Rio de Janeiro
3.378 – Compensação ambiental
3.336 – Cobrança pelo uso de recursos hídricos no Rio de Janeiro
3.311 – Restrição à propaganda de tabaco
2.356 – Precatório EC nº 30/2000
2.325 – Crédito de ICMS na LC nº 102/2000
1.924 – Sescoop
1.862 – Prevenção da LER no Rio de Janeiro
1.094 – Infrações à ordem econômica

Por meio da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, a CNI visa garantir o cumprimento de preceitos fundamentais, ou seja, de princípios, direitos e garantias fundamentais previstos na Constituição. Cabe ADPF para evitar ou reparar lesão resultante de ato do Poder Público. Cabe, ainda, quando for relevante o fundamento da controvérsia constitucional sobre lei ou ato normativo federal, estadual ou municipal. As ADPFs são adotadas também para questionar leis e atos anteriores à Constituição de 1988.

As ADPFs são usadas quando não forem cabíveis ADIs e ADCs. Os principais casos ocorrem se a lei ou ato em questão é municipal ou anterior à Constituição.

Os efeitos dos julgamentos de ADPFs repercutem sobre toda a sociedade. E, além dos demais órgãos do Poder Judiciário e da administração pública, direta ou indireta, vinculam todos os órgãos do Poder Público à exceção do próprio STF. 

Acompanhe as ADPFs em andamento da CNI como requerente:

433 - Indenização por Tempo de Serviço do Safrista
422 – Prorrogação de jornada em atividade insalubre
116 – Mineração em APP

As Reclamações são cabíveis contra decisões judiciais e atos do Poder Público que usurpem a competência do STF ou sejam contrários às suas decisões.

As RCLs preservam a competência do STF e garantem a autoridade das suas decisões, inclusive de suas súmulas vinculantes, perante os demais tribunais e os demais Poderes da República.

Confira as Reclamações em andamento da CNI como requerente:

6.266 – Súmula TST adicional de insalubridade

O ARE é cabível contra decisões proferidas por tribunais que não admitirem o processamento do RE perante o STF.

Caso o ARE seja admitido pelo STF, será convertido em RE, com a consequente análise de sua repercussão geral, e, posteriormente, julgamento pelo Plenário do Supremo.


Confira os Agravos em Recurso Extraordinário em andamento da CNI como requerente:

1.070.334 - Cômputo da Contribuição Previdenciária em condenações trabalhistas

Donec rutrum congue leo eget malesuada. Curabitur aliquet quam id dui posuere blandit. Nulla porttitor accumsan tincidunt. Quisque velit nisi, pretium ut lacinia in, elementum id enim. Vivamus suscipit tortor eget felis porttitor volutpat. Cras ultricies ligula sed magna dictum porta. Curabitur non nulla sit amet nisl tempus convallis quis ac lectus. Sed porttitor lectus nibh. Mauris blandit aliquet elit, eget tincidunt nibh pulvinar a. Pellentesque in ipsum id orci porta dapibus. 

Acompanhe as ADCs em andamento da CNI como requerente:

ADC 57 - Terceirização de atividades inerentes

CNI como Amicus Curiae

Além da legitimidade para propor ações diretamente ao STF, a CNI também tem competência para intervir como interessada em ações propostas por terceiros.

Essa intervenção dá-se na figura do amicus curiae (amigo da Corte), podendo ser também realizada em Recursos Extraordinários (REs) em curso no STF, cujos efeitos decisórios extrapolem os interesses das partes e repercutam, de forma abrangente, sobre o setor industrial.

Assim, a CNI leva ao conhecimento do STF informações e dados específicos do setor industrial, manifestando-se convergente ou divergente ao pedido principal, colaborando com o Tribunal.

 

Ações em andamento como amicus curiae
As ações desta seção estão ordenadas por tipo e por número cronológico na ordem decrescente de ajuizamento, isto é, da mais recente até a mais antiga. 

 

ADI 5.902 - Convalidação de incentivos fiscais
ADI 5.870 – Limitação ao valor do dano moral
ADI 5.829 – Trabalho intermitente
ADI 5.826 – Trabalho intermitente
ADIs 5.685. 5.686, 5.687, 5.695 e 5.735 - Terceirização
ADI 5.596 - Taxas de serviços notariais e de registro no Tocantins
ADI 5.464 – Convênio ICMS 93/2015: empresas optantes do Simples
ADI 5.216 – Substituição tributária do ICMS para MPEs optantes do Simples
ADI 4.858 – Alíquotas interestaduais do ICMS com finalidades extrafiscais
ADI 4.273 – Parcelamento de débito tributário e suspensão de processo criminal
ADI 4.020 – Base de cálculo do adicional de insalubridade
ADI 3.239 – Demarcação de terras para povos quilombolas
ADC 39 – Denúncia da Convenção nº 158 da OIT
ADC 18 – Exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins
ADPF 489 - Portaria do Ministério do Trabalho nº 1.129/2017
ADPF 324 – Terceirização
ADPF 149 – Piso salarial indexado ao salário mínimo
RE 999.435 – Dispensa coletiva sem prévia negociação (Antigo ARE 647.651)
RE 958.252 – Terceirização (antigo ARE 713.211)
RE 828.040 - Responsabilidade do empregador por acidente de trabalho
RE 796.939 – Multas por indeferimento de restituição ou compensação de tributos
PSV 69 – Fim da guerra fiscal
PSV 22 - PIS/COFINS Cumulativo sobre receitas financeiras

CNI como Observadora

Nesta seção, constam outras ações em tramitação no STF também relevantes para o setor industrial, a ponto de terem sido selecionadas para fazer parte da Agenda Jurídica da Indústria.

São ações em que a CNI não atua diretamente nos processos, o que, todavia, não lhes retira a importância nem afasta a possibilidade de a CNI levar ao conhecimento do STF e da sociedade informações e dados de interesse da indústria que possam influenciar nos seus julgamentos.



Ações em andamento como observadora
As ações desta seção foram ordenadas por tipo e por número cronológico na ordem decrescente de ajuizamento, isto é, da mais recente até a mais antiga.

 

ADI 5.465 - Cancelamento do Cadastro de ICMS em São Paulo
ADI 5.348 - Correção de débitos judiciais da Fazenda Pública
ADI 5.307 - Demissão Discriminatória
ADI 5.072 – Utilização de depósitos judiciais para pagamento de requisições judiciais
ADI 5.060 - Condição para o recebimento do Seguro Desemprego
ADI 4.901, 4.902, 4.903 e 4.937 - Código Florestal
ADI 4.757 – Competências ambientais administrativas
ADI 4.454 - Saneamento Básico na Paraná
ADI 2.237 - Comissões de Conciliação Prévia
ADI 1.625 – Denúncia da Convenção nº 158 da OIT
ADC 46 - Certidão Negativa de débito tributário na recuperação judicial
ADPF 342 – Compra de terras rurais por empresas brasileiras com participação de estrangeiros
ADPF 323 - Ultra atividade de Normas Coletivas
ADPF 276 – Número de dirigentes sindicais com direito à estabilidade provisória
ADPF 109 - Uso do Amianto
RE 1.002.295 – Comum acordo para ajuizamento de dissídio coletivo (antigo ARE 679.137)
RE 882.461 - ISS na Atividade Siderúrgica como insumo
RE 841.979 - Não-cumulatividade do Pis e da Cofins
RE 835.818 - Crédito de ICMS decorrente de benefício fiscal na base de cálculo do PIS/COFINS
RE 759.244 – Contribuições sociais e Cide: imunidade nas exportações indiretas
RE 677.725 - Contribuição ao SAT
RE 658.312 - Intervalo de descanso da mulher antes da sobrejornada.
RE 640.452 - Caráter confiscatório da multa isolada
RE 629.053 – Garantia de emprego à gestante
RE 599.316 - Créditos de bens destinados ao ativo imobilizado
RE 598.468 – Contribuições e IPI: imunidade de exportação aos optantes do Simples
RE 593.824 – ICMS: energia elétrica contratada vs. efetivamente consumida
RE 592.616 – Exclusão do ISS da base de cálculo do PIS/Cofins
RE 591.340 – IRPJ e CSLL: compensação de prejuízo fiscal com lucro tributável
RE 574.706 - Exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/COFINS
RCL 22.012 – Correção de débitos trabalhistas pelo IPCA-E

Versões em PDF

Edição 2018 (pdf)

A edição 2018 da Agenda Jurídica da Indústria, lançada pela CNI, contém uma novidade: a régua do tempo. Trata-se de um recurso visual que indica marcos temporais importantes na tramitação das ações de controle de constitucionalidade. O propósito é permitir que o leitor tenha uma visão mais fácil e imediata do tempo que essas ações de interesse do setor empresarial levam para ser julgadas pelo STF.

arte-agenda-2018-interna.jpg

Edição 2017 (pdf)

A segunda edição da Agenda Jurídica da Indústria, lançada em março de 2017, dá maior transparência à representação dos interesses da indústria brasileira. A Agenda chega em edição renovada, com a inclusão de dezessete novas ações, ampliando a defesa de interesse da indústria perante o Supremo, sempre com o propósito de colaborar com a jurisdição constitucional em assuntos relevantes e de inegável interesse para a categoria. 

2017.jpg

Edição 2016 (pdf)

Lançada em junho de 2016, a Agenda Jurídica da Indústria demonstra, de forma clara e objetiva, o posicionamento do setor acerca de importantes ações em julgamento no STF. Desta primeira edição, constam as ações propostas pela CNI e outras ajuizadas por terceiros nas quais atua como amicus curiae. Há, também, processos dos quais a CNI não participa, o que não lhes retira a relevância jurídica nem a importância para o setor.

2016.jpg
topo