Pesquisas Temáticas


Confira outras edições da pesquisa

PQT - SENAI e SESI

O SESI e o SENAI são vistos de maneira positiva pela população brasileira. O SENAI é conhecido, ao menos de ouvir falar, por 86% dos brasileiros, dos quais 77% avaliam a entidade como ótima ou boa. Já o SESI é conhecido, ao menos de ouvir falar, por 80% dos brasileiros, dos quais 68% avaliam a instituição como ótima ou boa. Para as duas instituições, a avaliação é melhor quanto maior o grau de conhecimento que os entrevistados afirmam ter delas.

Saiba mais sobre essa pesquisa

PQT - Pesquisa Sindical 2016

A Pesquisa Sindical 2016 apresenta um panorama da estrutura e da atuação dos sindicatos empresariais da indústria, com o objetivo de nortear o desenvolvimento de iniciativas voltadas à sua modernização. Os resultados estão distribuídos em 9 blocos temáticos: informações básicas, gestão, liderança, atuação estratégica, negociação coletiva, associativismo, sustentabilidade, comunicação com o setor e serviços e parcerias.

Saiba mais sobre essa pesquisa

PQT - Pesquisa com Indústrias sobre Sindicatos 2015

Ao conhecer a opinião de indústrias associadas e não associadas, os sindicatos podem agir para aprimorar seu papel de defender a competitividade dos setores que representam. O objetivo da Pesquisa com Indústrias sobre Sindicatos Empresariais 2015 foi avaliar a percepção e conhecer as expectativas dos empresários quanto à atuação dos sindicatos patronais.

Saiba mais sobre essa pesquisa

PQT - Entraves às Exportações Brasileiras - 2013

As empresas exportadoras brasileiras enfrentam uma série de dificuldades para exportar, que não se limitam apenas aos entraves operacionais. São também relacionadas à infraestrutura precária; à elevada burocracia alfandegária e aduaneira; às pouco utilizadas linhas de financiamento para exportações; aos custos impostos pelo sistema tributário; e às deficiências dos mecanismos de ressarcimento. A taxa de câmbio foi apontada como o principal problema enfrentado pelas empresas exportadoras. Esse problema mostra o quão fundamental se torna a superação de todos outros problemas para o setor exportador.

Saiba mais sobre essa pesquisa

PQT - Sondagem sobre burocracia - 2010

As empresas industriais brasileiras são obrigadas a conviver com uma burocracia excessiva no cumprimento de diversas obrigações legais. Isso aumenta os custos das empresas obrigando-as a transferir recursos produtivos para atividades improdutivas, aumentando o tempo de produção e reduzindo a competitividade do País.

Saiba mais sobre essa pesquisa

PQT - Os problemas da empresa exportadora brasileira - 2008

As empresas exportadoras brasileiras enfrentam uma série de obstáculos para expandir suas exportações. O real valorizado é o maior problema enfrentado pelas empresas exportadoras, seguido pelos custos portuários, burocracia alfandegária e custo do frete internacional. Os problemas não se limitam aos entraves operacionais, mas são também relacionados às dificuldades de acesso ao financiamento, aos custos impostos pelo sistema tributário, aos problemas nos mecanismos de ressarcimento e ao desconhecimento e falta de atratividade dos instrumentos governamentais de apoio à exportação.

Saiba mais sobre essa pesquisa

PQT - Indicadores de Competitividade na Indústria Brasileira: Micro e pequenas empresas - 2006

As MPEs aumentaram o lançamento de novos produtos e estão investindo mais na aquisição de máquinas e equipamentos, em pesquisa e desenvolvimento e na capacitação de seus empregados. Ademais, elas já perceberam a importância do design e estão procurando investir mais nessa área. As MPEs mostram-se mais ágeis e eficientes na entrega de seus produtos. Os investimentos em capacitação dos empregados, no entanto, ainda são baixos, na comparação com as médias e grandes empresas. Outro ponto negativo é o fato de que o número de acidentes de trabalho com afastamento cresceu.

Saiba mais sobre essa pesquisa

PQT - Indicadores de Competitividade na Indústria Brasileira - 2005

A competitividade da indústria brasileira se ampliou no início desta década. As empresas investiram, de forma significativa, em pesquisa e desenvolvimento, em design, na aquisição de máquinas e equipamentos e na capacitação dos trabalhadores. Destacam-se melhorias quanto à entrega de pedidos no prazo e à redução na frequência dos defeitos e dos acidentes de trabalho.

Saiba mais sobre essa pesquisa

PQT - Os problemas da empresa exportadora brasileira - 2002

As principais dificuldades para a expansão das vendas externas brasileiras encontram-se na burocracia alfandegária, no custo portuário e do frete internacional e no difícil acesso ao financiamento. O sistema tributário brasileiro também é um obstáculo considerável devido a cumulatividade e a complexidade e baixa efetividade dos mecanismos de desoneração das exportações. As linhas oficiais de financiamento à exportação são pouco conhecidas e de difícil acesso devido a exigências de garantias reais.

Saiba mais sobre essa pesquisa

PQT - A indústria e a questão tecnológica - 2002

A pesquisa indica mudanças nas prioridades das empresas e maior conscientização da importância do desenvolvimento tecnológico como estratégia de competitividade. A inovação de produtos e processos e a expansão de capacidade foram as principais estratégias de negócios na segunda metade dos anos 90. Para os próximos cinco anos o foco será na introdução de novos produtos, maior eficiência produtiva e abertura de novos mercados. As principais dificuldades dizem respeito à falta de recursos financeiros próprios e à dificuldade no acesso a financiamento.As estratégias de inovação foram predominantemente realizadas exclusivamente nas próprias empresas, recorrendo-se pouco a parceria com outros atores. Os principais parceiros são os clientes e fornecedores.A aquisição de máquinas e equipamentos é, de longe, a principal atividade promovida pelas empresas para o desenvolvimento tecnológico.

Saiba mais sobre essa pesquisa

PQT - Efeitos do Racionamento de energia elétrica na indústria - 2001

O cumprimento das metas de redução de consumo estabelecidas pelo racionamento poderá ter impactos significativos sobre os níveis de produção e, possivelmente, emprego na indústria. Entre as razões para isso encontram-se os limites para a adoção, de imediato, de medidas adicionais de eficiência energética, a capacidade reduzida de geração própria e o papel relativamente pequeno identificado pela maioria das empresas para o Mercado Atacadista de Energia. Uma boa notícia, por outro lado, é que os planos de investimento das empresas ainda não parecem ter sido seriamente afetados.

Saiba mais sobre essa pesquisa

PQT - Investimentos na indústria brasileira 1998/2002 - 2001

As empresas industriais planejam aumentar o investimento com maior foco na expansão da produção e no lançamento de novos produtos e menor foco em redução do custo. O financiamento continua sendo um forte entrave ao investimento, sendo que 70% dos investimentos são realizados com recursos próprios. Há uma intensificação na tendência de diversificação espacial da produção. Os requisitos de competitividade (progresso técnico no setor e competição no mercado doméstico) e as condições de mercado (utilização da capacidade instalada, perspectiva da demanda e evolução das vendas domésticas) são os principais fatores favoráveis ao investimento, enquanto a carga tributária e as taxas de juros são os mais desfavoráveis.

Saiba mais sobre essa pesquisa