indústria de a - z

Engenharia e a sua importância para o crescimento do Brasil.

A importância de uma nova engenharia para o crescimento do Brasil

Engenharia

 

Engenharia é a área de atuação que se dedica a oferecer soluções práticas para problemas concretos. O trabalho do(a) profissional formado(a) em engenharia é criar soluções planejadas e sejam viáveis econômica e tecnicamente, então é preciso conhecer a fundo o tema daquele projeto. Além de criar essa solução, o(a) profissional irá coordenar todo o desenvolvimento do projeto, logo, noções de administração também aparecem nas áreas da engenharia de produção.

A Engenharia é um curso que envolve muitas disciplinas de exatas, como matemática, física e química e é uma área bastante abrangente segmentada em diversos ramos como por exemplo a engenharia civil, de telecomunicações, de sistema, de produção e mecânica.

Os engenheiros e engenheiras, profissionais que possuem essa formação, podem se especializar em diferentes temas, atuando em diversos segmentos da indústria, da construção civil, da infraestrutura e de transportes, entre muitos outros.

Engenheiros(as) exercem papel central na capacidade inovadora de um país. Com a corrida digital em curso, a melhoria do ensino de engenharia e o desenvolvimento de habilidades alinhadas com a demanda do mercado são ações fundamentais no fortalecimento da indústria e ampliação das condições de competitividade da economia brasileira. 

 

Conheça outros temas: Tecnologia 5G , Engenharia, Lean Manufacture, Licenciamento ambiental, Saúde e Segurança no Trabalho, Privatização, Retomada do crescimento, Economia, Cibersegurança, Micro e pequena empresa, Comércio Exterior

Nesta página você vai encontrar:
 
Seta bullet point, indicando tópicos de âncoras Seta bullet point, indicando tópicos de âncoras Seta bullet point, indicando tópicos de âncoras Seta bullet point, indicando tópicos de âncoras Seta bullet point, indicando tópicos de âncoras Seta bullet point, indicando tópicos de âncoras Seta bullet point, indicando tópicos de âncoras Seta bullet point, indicando tópicos de âncoras

O que se estuda em engenharia?


A matriz curricular do curso de engenharia envolve muitas disciplinas de ciências exatas, como matemática, física e química, além de temas mais específicos sobre tipos de materiais, mecânica e estruturas.

Com a digitalização, a engenharia de software despontou nesse cenário, agregando os conhecimentos de tecnologia da informação ao já reconhecido currículo da engenharia.

A agenda de sustentabilidade socioambiental também tende a ganhar cada vez mais espaço no currículo, à medida que as sociedades despertam em direção a importância de se buscar o desenvolvimento econômico e social sem implicações negativas ao meio ambiente.

O(a) profissional formado(a) em engenharia se dedica a oferecer soluções práticas para situações-problema concretas, e a depender da especialização também pode se capacitar em outros temas e disciplinas, como a biologia nos cursos de engenharia genética ou ambiental.

O trabalho de um(a) engenheiro(a) é criar soluções planejadas e que sejam viáveis econômica e tecnicamente, então é preciso conhecer a fundo o tema daquele projeto. Além de criar essa solução, o(a) profissional irá coordenar todo o desenvolvimento do projeto, logo, noções de administração também aparecem em áreas por exemplo a engenharia de produção.

 


Quais os principais tipos de engenharia?


Existem mais de 30 tipos de habilitação em engenharia no País e um amplo mercado de trabalho. Por ser uma área de muita oferta de trabalho e intensa especialização, há também a possibilidade de se obter altos salários mesmo no inico da carreira

Os cursos de engenharia duram em média cinco anos e têm diferentes habilitações. Os cinco principais tipos de engenharia por número de profissionais formados são a engenharia civil, a engenharia de produção, a engenharia mecânica, a engenharia elétrica e a engenharia química. Conheça melhor cada uma delas:

 - Engenharia Civil: é a área que mais forma engenheiros no Brasil. O(a) profissional pode atuar com os processos de construção de edifícios e outras infraestruturas na indústria, em órgãos públicos, empresas de construção ou prestando consultoria.

- Engenharia de Produção: os(as) engenheiros(as) de produção se atuam na linha de produção industrial, ou de uma empresa, tratando da parte logística, de operações, finanças, recursos humanos da produção, entre outros.

 - Engenharia Mecânica: o(a) engenheiro(a) mecânico(a) é responsável pela projeção e manutenção de sistemas mecânicos, termodinâmicos e eletromecânicos. O(a) profissional também se capacita em avaliar estruturas, podendo emitir pareceres sobre avaliações e fiscalizações técnicas. Indústrias são as principais contratantes desse profissional.

 - Engenharia Elétrica: os(as) engenheiros(as) elétricos(as) desenvolvem amplo conhecimento sobre a eletricidade, as redes e circuitos elétricos. Após formado(a), o(a) profissional trabalha com a manutenção, instalação e projeção de dispositivos e estruturas elétricas. Atualmente existe uma grande demanda de profissionais que atuem com energia renovável e sustentável, além de projetos voltados à maior eficiência energética.

- Engenharia Química: a Engenharia Química é o ramo da engenharia responsável por projetar, construir e operar plantas químicas industriais. Nessa habilitação, o(a) profissional se encarrega de pesquisas, projetos e operacionalização dos processos que envolvem alterações físicas e químicas dos materiais para transformá-los em produtos úteis.

Além das engenharias que mais formam no Brasil, duas outras habilitações merecem destaque entre os principais tipos de engenharia: a Engenharia de Software e a Engenharia de Minas.

A Engenharia de Software vem crescendo nos últimos anos pela grande digitalização da indústria e dos mercados, gerando uma demanda por profissionais especializados em desenvolver softwares e aplicação de tecnologias em busca de maior produtividade e qualidade.

A Engenharia de Minas é a mais bem paga do Brasil, segundo dados do Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged), do Ministério da Economia. Voltada para o aproveitamento da terra e de reservas minerais e a extração de minérios, essa engenharia se une aos estudos de geologia, química e física e pode ser muito utilizada no Brasil por sua grande quantidade de recursos naturais.

 

SENAI abre mais de 20 mil vagas para cursos pagos e gratuitos

 

Qual engenharia mais cresce no Brasil?

 

No Brasil, é recorrente a percepção de que há escassez de engenheiros nos mais variados setores da economia e de que os(as) engenheiros(as) que atuam no mercado carecem frequentemente das habilidades necessárias à aplicação de estratégias de inovação, o que dificulta o crescimento e a sustentabilidade da economia a longo prazo.

O estudo “Ensino de Engenharias: fortalecimento e modernização”, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostra que a engenharia pode crescer no Brasil. Em 2014, o País tinha uma das piores posições no indicador de número de engenheiros por habitante, com 4,8 graduados a cada 10 mil habitantes. Coreia, a Rússia, a Finlândia e a Áustria contavam com mais de 20 engenheiros/cada 10 mil habitantes, e Portugal e Chile dispunham de cerca de 16.

Dados de 2016 da CNI também apontam que o número de doutores em engenharia no Brasil é menor que no contexto internacional, com quatro a seis vezes menos doutores que a maioria dos países europeus e cerca de um terço do registrado nos Estados Unidos.

Os dados, aliados a recorrentes reclamações relativas às dificuldades de contratação de bons profissionais em momentos de expansão da economia, levantaram preocupações quanto a uma possível escassez de engenheiros e ao risco de um apagão de mão de obra.

Embora demande atenção a situação da quantidade de profissionais qualificados, o interesse pela profissão segue aumentando no Brasil. No acumulado de 2001 a 2016, o número de matrículas nos cursos presenciais de engenharia praticamente quintuplicou, em função da expansão de 203% e 593%, respectivamente, do número de matrículas nas redes pública e privada de ensino.


Quais os novos requisitos para os profissionais de engenharia?


Com a demanda pela profissão e oferta de vagas com boas remunerações, fica clara a necessidade de uma renovação nas habilidades dos profissionais graduados em engenharia, unindo o conhecimento técnico e científico às competências pessoais esperadas pelo mercado de trabalho.

A indústria e as empresas esperam que os estudantes de engenharia desenvolvam características de liderança e de trabalho em equipe, empreendedorismo e conhecimentos gerais em áreas consideradas não científicas.

O domínio dessas habilidades vem se mostrando, cada vez mais, como uma tendência mundial para formação de engenheiros com um perfil empreendedor e inovador para propor novas e melhores soluções.


Por que o mundo inteiro se preocupa tanto com os engenheiros?


Para acelerar a economia do País, aumentando o PIB por habitante, por exemplo, é preciso investir e aumentar a produtividade do trabalho. Esse ganho está diretamente ligado ao nível de educação da população e evidencia porque o mundo inteiro se preocupa com os engenheiros.

O profissional que tem a capacidade de agregar novas tecnologias, enxergar o fluxo de produção, mobilizar recursos e criar soluções inovadoras para diversos segmentos, entre outras habilidades, pode contribuir para a melhoria da qualidade da infraestrutura, o avanço tecnológico e as condições de bem-estar no País.

Com essas melhorias, o Brasil pode receber mais investimentos, melhorar seu fluxo de exportação e utilização de recursos naturais, além de concorrer na criação de novas tecnologias para produtos e serviços a nível global.

Aperfeiçoar o ensino de engenharia no Brasil?


A quantidade de engenheiros(as) e a qualidade da educação ofertada serão fatores decisivos para preservar o crescimento, ampliar a geração de produtos com alto valor tecnológico e promover maior equilíbrio em nossa balança comercial, altamente dependente da exportação de commodities (matéria-prima).

Uma grande transformação no ensino de Engenharias no Brasil é fundamental para que o País aumente sua produtividade e acompanhe os países mais inovadores. A maior competitividade da indústria depende da capacidade das empresas de inovar e isto depende da disponibilidade e da qualidade dos(as) engenheiros(as) e tecnólogos.

Além dos conteúdos técnicos da área, para aperfeiçoar o ensino de engenharia no Brasil é preciso fortalecer a educação básica e o desenvolvimento de habilidades como comunicação, expressão oral e conhecimento de línguas estrangeiras, exigências do novo mercado de trabalho.


O que são as novas Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de engenharia?


As Diretrizes Curriculares Nacionais são atualizações do Ministério da Educação que orientam a formação de cursos no País. Para a engenharia, as novas Diretrizes Curriculares Nacionais foram homologadas em abril de 2019, dando maior autonomia às instituições de educação para desenhar seus currículos segundo suas prioridades e contexto de atuação.

Desde 2008, a Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), coordenada pela CNI, busca fortalecer a inovação industrial no Brasil e contribuir para o aprimoramento das políticas públicas relacionadas ao tema.

A MEI é hoje o principal espaço de diálogo entre lideranças empresariais,  governo e demais atores que integram o sistema nacional de inovação para debater e propor políticas que impulsionem a inovação empresarial e o aumento da competitividade do país. A CNI integra a Comissão Nacional de Implantação das Diretrizes Curriculares de Engenharia, coordenada pelo Conselho Nacional de Educação (CNE).

Em fevereiro de 2021, a Comissão lançou um documento de apoio à implantação dessas novas diretrizes, contendo orientações relevantes baseadas em evidências e experiências bem-sucedidas para estimular as instituições de ensino superior nesse processo de mudança e adequação à nova regulamentação.

Colocando de uma maneira bastante resumida, as orientações dos cursos de engenharia compreendem:


1) Existência de docentes e dirigentes engajados na elaboração de projetos de formação inovadores e flexíveis;
2) Desenvolvimento e/ou revisão dos currículos, tendo como ponto de partida as competências desejadas para os egressos;
3) Aprendizagem ativa, com ênfase no papel central do aluno em sua formação;
4) Mudança no processo de avaliação dos alunos, que permita melhoria contínua no Projeto Pedagógico do Curso;
5) Adequação dos processos de avaliação e regulatórios, como do Ministério da Educação (MEC),  à lógica de formação por competência e da articulação com o setor produtivo;
6) Fortalecimento das relações das instituições de educação com o mercado e a sociedade.


De forma prática, algumas iniciativas que as instituições de educação podem adotar são a participação de empresas na elaboração dos currículos baseados em competências esperadas pelo mercado de trabalho e a apresentação de problemas concretos para os alunos terem como material de base para conclusão do curso, entre outros.

Como, por exemplo, o curso de graduação em Engenharia Química da Faculdade SENAI CETIQT que teve a participação de empresas como Shell, Basf, Natura, Braskem e Petrobras e as instituições ABIQUIM, ABEQ, UFRJ, CRQ e Fiocruz. Além disso, conta com um perfil profissional e currículo diferenciados, tendo em vista o atendimento às necessidades da Indústria 4.0 e uma prática docente inovadora que busca o desenvolvimento de situações aprendizagem e projetos de acordo com a realidade das empresas nacionais.
 

O que muda com as novas diretrizes curriculares de Engenharia?


Atualizando a versão do documento de 2002, as novas Diretrizes Curriculares de engenharia trazem conceitos atualizados, como a formação por competências, a prática como foco da aprendizagem, com a criação de laboratórios, uma atuação ativa dos alunos ao longo de todo o processo de formação e maior flexibilidade na elaboração do currículo de ensino, que tem maior liberdade para se adequar ao contexto e demandas nos quais está inserido.

Com o prazo de 3 anos para implantação pelas instituições de ensino superior (IES), as novas diretrizes já foram adotadas pela Faculdade SENAI de Joinville, em Santa Catarina e pelo Centro Universitário SENAI CIMATEC, localizado na Bahia.

Essas IES proporcionam aos estudantes uma formação de alto nível e suporte à inovação e solução de problemas complexos da indústria, com a possibilidade da vivência prática em projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação, contando com a parceria de empresas e outras instituições nacionais e internacionais. É um modelo de atuação diferenciado, alinhado ao que vem sendo feito pelas melhores universidades do mundo.

A princípio, as instituições devem adotar as novas diretrizes curriculares de engenharia até abril de 2022, podendo fazer isso gradualmente, a partir da revisão do plano pedagógico. Mas o que se espera, ao final desse processo, é que os cursos ganhem em qualidade e retenção de alunos, de modo que no médio prazo o país esteja mais preparado para contribuir com soluções para os desafios da humanidade.

[SSL: CERTIFICATE_VERIFY_FAILED] certificate verify failed (_ssl.c:590)