indústria de a - z

Sustentabilidade

Sustentabilidade

O que é sustentabilidade?

 

Sustentabilidade é a capacidade de sustentação ou manutenção de um processo ou sistema. A palavra sustentável deriva do latim sustentare e significa sustentar, apoiar, conservar, favorecer, defender e cuidar. A sustentabilidade busca o equilíbrio entre a melhoria da qualidade de vida da sociedade, o respeito aos limites ambientais do planeta e a prosperidade econômica.

É a tentativa de mostrar que adicionar valores sociais e ambientais é tão importante quanto adicionar valor econômico. E para que isso seja efetivo, é essencial a consciência de dois fatores: todos os públicos interessados devem se sentir incluídos; os recursos naturais são finitos e devem ser utilizados de forma inteligente e responsável.

Conheça outros temas: TelemedicinaPromoção da SaúdeInternacionalizaçãoEconomia VerdeSustentabilidadeDesenvolvimento Sustentável,Mercado de Carbono

 

Pilares da sustentabilidade

 

O tripé da sustentabilidade, também conhecido como triple bottom line, foi criado em 1994 pelo empresário britânico John Elkington, mundialmente conhecido como “pai da sustentabilidade” e um dos precursores da responsabilidade corporativa e do capitalismo sustentável.

O tripé da sustentabilidade é baseado em três pilares: social, ambiental e econômico. Os três fatores precisam estar interconectados para que realmente haja sustentabilidade. Eles devem sempre interagir de forma harmônica, garantindo a integridade do planeta e da sociedade durante o crescimento e desenvolvimento econômico.

Esses pilares devem orientar políticas públicas, planejamentos de recursos humanos e financeiros em empresas privadas, e, até mesmo, relações pessoais.
A indiferença a eles nos negócios traz riscos aos limites do planeta, impactando seu equilíbrio e capacidade de resiliência, às sociedades, podendo aumentar os níveis de desigualdade, e às organizações, comprometendo sua própria longevidade. Em resumo, sustentabilidade deve fazer parte da estratégia empresarial.

Assim, um compromisso efetivo com a sustentabilidade impulsiona a inovação, a coerência entre discursos e ações, o aprimoramento da liderança, a colaboração ao longo da cadeia de valor e a transparência perante todos os públicos das organizações.

Social

 

O fator social da sustentabilidade está diretamente relacionado à responsabilidade social. É, essencialmente, a busca para equilibrar os princípios de equidade, provendo condições de vida dignas e bem-estar para os indivíduos, estejam eles dentro ou fora das organizações, buscando oferecer a todos o acesso pleno à cidadania. Para isso, é necessário o envolvimento de cada um, com intuito de fortalecer o desenvolvimento social, acesso à educação, cultura, saúde, segurança e lazer.

Ambiental

 

Esse pilar da sustentabilidade refere-se aos recursos naturais do planeta e a forma como são geridos por governos, organizações e pela sociedade. A sustentabilidade ambiental abrange o respeito aos limites do meio ambiente e prima pela conservação dos recursos naturais como fauna, flora, solo, corpos d'água e ar, provendo condições para que o ecossistema consiga se regenerar.

Ela envolve a aplicação de melhores práticas para redução de desperdícios de matérias-primas e insumos, além de promover a utilização de ferramentas eficazes para minimizar os impactos negativos que o crescimento e o desenvolvimento da sociedade podem causar à natureza.

Econômica

 

O aspecto econômico da sustentabilidade está relacionado com a produção, distribuição e consumo de bens e serviços. A economia deve, sempre, considerar as questões sociais e ambientais e buscar a gestão inteligente dos recursos naturais.

Trata-se do desenvolvimento econômico respeitando as condições de competividade e as boas práticas socioambientais (sem prejudicar a sociedade e o meio ambiente). É importante visar as prioridades de longo prazo e as consequências causadas pela forma como os recursos são usados.

Sustentabilidade empresarial

 

Sustentabilidade empresarial é o conjunto de ações incorporadas por empresas para atuarem de forma consciente, envolvendo todo o processo de gestão dos negócios, com o objetivo de minimizar os impactos negativos ambientais e sociais que provoca.

Essa mudança de rumo dos negócios traz diversos benefícios para as empresas e para a sociedade de uma maneira geral, como: crescimento consciente, melhoria na relação com o consumidor, abordagem socioecológica, vantagem competitiva, redução de custos, estímulo à inovação, além de auxiliar na redução de impactos e mudanças climáticas.

A sustentabilidade empresarial atrai novos consumidores, investidores e profissionais que compartilham dos mesmos ideais. Também tem potencial para a geração de novos modelos de negócios e o fortalecimento das redes de valor. Além disso, práticas sustentáveis economizam recursos, geram menos desperdício e melhoram o custo de produção.

O consumidor está mais consciente do peso ecológico e social de suas próprias escolhas. Assim, as empresas precisam oferecer respostas coerentes sobre o tema. Empresas que queiram manter a competitividade e rentabilidade ao longo prazo devem corresponder às expectativas dos seus públicos, primando pelo comportamento consciente e responsável.

Indústria Sustentável

 

O mundo está se movendo para um novo padrão de produção e consumo e o setor industrial está atento a isso. Transformar os desafios da sustentabilidade em oportunidades de negócios pode resultar em maior eficiência e redução de riscos e custos. E a indústria nacional está atenta a esse movimento com avanços na mudança de seus processos e maior consciência ambiental e social.

No Brasil, a indústria está se consolidando como referência no uso eficiente dos recursos naturais e tem se destacado na busca por oportunidades associadas à economia de baixo carbono, à economia circular e à bioeconomia. A consciência de que a imagem corporativa está ligada à postura das empresas em questões ambientais e sociais aumenta a importância de priorizar ações e políticas sustentáveis.

“As indústrias brasileiras estão investindo muito em modos limpos de produzir. O objetivo dos planos que estão sendo adotados é aproveitar melhor insumos e matérias-primas, cortar drasticamente a emissão de gases de efeito estufa, reciclar materiais, reutilizar água, fazer uso racional de energias (apostando especialmente nas renováveis) e gerir resíduos de maneira eficiente, entre outras iniciativas”, destacou Robson Braga de Andrade, presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI) em artigo publicado no final de 2021.

Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), as indústrias brasileiras investiram US$ 32 bilhões em sustentabilidade nos últimos 15 anos. “Ao acelerar as transformações na produção e trabalhar em cooperação com governos e outras instituições, a indústria nacional contribui para que o mundo avance em direção ao desenvolvimento sustentável, com benefícios para todos nós”, finalizou Braga.

Economia Circular

 

A economia circular consiste em um sistema econômico que busca o melhor uso do recurso natural ao longo de toda a cadeia de valor por meio de práticas como reciclagem, remanufatura, reutilização, compartilhamento, manutenção, redesenho dos produtos, entre outras. A proposta é uma alternativa à lógica linear, baseada no padrão extrair-produzir-consumir-descartar, que já mostrou estar no contraponto da sustentabilidade.

O setor industrial brasileiro tem valorizado cada vez mais a economia circular, bem como as novas tecnologias, práticas de gestão e modelos de negócios a elas relacionados. É inegável que as empresas que melhor aproveitarem essas oportunidades alcançarão uma melhor gestão de riscos, mais vantagens competitivas e retornos duradouros a longo prazo.

Visão holística

 

A sustentabilidade é o único caminho viável para os negócios e a sociedade como um todo. Como destacou John Elkington, ela é um meio de instigar reflexões e questionamentos sobre o capitalismo e seu futuro, no qual o lucro deixa de ser o único motivo para uma empresa existir. É preciso alimentar uma visão abrangente e uma compreensão mais ampla para garantir efetividade e equilíbrio nessa transformação.

Questões como eficiência energética e hídrica são cada vez mais relevantes, assim como mudanças nas cadeias de suprimentos, atenção à normas regulamentadoras, remoção de materiais tóxicos e questões sociais, que acabam, naturalmente, aumentando o raio de conscientização ambiental. O desafio fundamental é definir as prioridades básicas para a eficiência dos negócios e benefício da sociedade de forma geral.

Essa visão sustentável e integral é indispensável nessa trajetória de evolução. As novas gerações, munidas de maior consciência ambiental, ética e social, só apoiarão ações e empresas que contribuam positivamente para o planeta e os seres vivos que o habitam.