indústria de a - z

Entenda o que é Custo Brasil e como ele impacta o país

Cálculos de impostos e custo brasil

Custo Brasil é um termo usada para definir um conjunto de dificuldades estruturais, burocráticas, trabalhistas e econômicas que atrapalham o crescimento da produção industrial, do comércio e da economia brasileira como um todo.

 

Do cidadão comum ao setor produtivo, todos sofrem as consequências do Custo Brasil: um sistema tributário complexo, excesso de burocracia, enormes gargalos logísticos e uma insegurança jurídica que não impulsiona investimentos ao país. 

Isso tudo fez com que, a mais de 20 anos, o Brasil ocupasse posições desfavoráveis nos principais rankings internacionais de competitividade. 

Nesta página você vai encontrar:
 
Seta bullet point, indicando tópicos de âncoras Seta bullet point, indicando tópicos de âncoras Seta bullet point, indicando tópicos de âncoras Seta bullet point, indicando tópicos de âncoras Seta bullet point, indicando tópicos de âncoras Seta bullet point, indicando tópicos de âncoras

O que é Custo Brasil?
 

Custo Brasil é uma expressão usada para se referir a um conjunto de dificuldades estruturais, burocráticas, trabalhistas e econômicas que atrapalham o crescimento do país, influenciam negativamente o ambiente de negócios, encarecem os preços dos produtos nacionais e custos de logística, comprometem investimentos e contribuem para uma excessiva carga tributária. 

A avaliação é que o Custo Brasil hoje retire R$ 1,5 trilhão por ano das empresas instaladas no país, representando 20,5% do Produto Interno Bruto (PIB). 
 

Saiba mais: Há mais de 25 anos, termo Custo Brasil sintetiza obstáculos ao desenvolvimento


Conheça outros temas: Industria 4.0, Robótica, Reforma TributáriaComércio ExteriorPolítica IndustrialInfraestruturaSaneamento BásicoBioeconomia 

 

Por que é importante reduzir o Custo Brasil? 


Quem ganha com o custo Brasil?

O Custo Brasil interfere em muita coisa: educação, saúde, infraestrutura e até no desenvolvimento humano e social de um país. Atualmente, o Brasil ocupa a 79º posição no ranking do IDH mundial divulgado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), em 2019.

Há três anos, o país está nessa posição, sem avanço quanto ao desenvolvimento humano.

Sem que haja a diminuição equivalente do Custo Brasil, a concorrência relativa aos produtos importados pode ter graves consequências econômicas, resultando, inclusive, na retração de renda disponível para consumo. 

Saiba mais: Custo do capital e tributação travam desempenho do Brasil frente a outros 17 países

Os efeitos negativos não se restringem somente às empresas. A desindustrialização também geraria retração do investimento, perda de emprego e renda para as famílias e de arrecadação para o governo.

A redução do Custo Brasil é fundamental para que o crescimento e o desenvolvimento econômico do país sejam efetivos, já que a diminuição deste custo ocasionaria a retomada da atividade econômica, bem como a renda e o emprego no Brasil.  

A redução do Custo Brasil beneficia os consumidores, que passam a adquirir produtos a preços mais baixos e com qualidade superior, e os trabalhadores do país, aumentando as oportunidades de emprego, seja por meio do crescimento das exportações ou do aumento da produção nacional voltada para o mercado doméstico. 

No campo da competitividade global e também interna, as empresas brasileiras começam o jogo em desvantagem na comparação com as de países desenvolvidos. 

 

Exemplos de Custo Brasil 
 

Exemplos de Custo Brasil

 

1. Sistema tributário complexo e com carga elevada

2. Custo do capital elevado

3. Legislação trabalhista

4. Educação de baixa qualidade

5. Infraestrutura inadequada (transporte, energia, saneamento, telecomunicações)

6. Insegurança jurídica e burocracia excessiva (em diversas áreas: relações de trabalho, meio ambiente, tributos, regulação econômica, comércio exterior)

7. Ineficiência do Estado

8. Saúde e segurança pública de baixa qualidade

9. Desequilíbrio fiscal
 

Quais são os desafios para reduzir o Custo Brasil? 
 

Encontrar formas de superar os obstáculos colocados pelo Custo Brasil tem sido desafio constante para o país. De acordo com o setor industrial brasileiro, é importante que o Brasil avance rumo a uma agenda que aumente a competitividade e o desenvolvimento econômico e social.

Saiba mais: Carga tributária elevada e baixa qualidade do sistema tributário colocam país em penúltimo lugar

Para a Confederação Nacional da Indústria (CNI), muitos dos avanços necessários não dependem de amplas reformas constitucionais, mais difíceis de serem aprovadas, mas de ações sobre a legislação, ou seja, mudanças que partiriam de iniciativas dos poderes Executivo e Judiciário. 

Para o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, além de atacar os atuais entraves tributários, a redução do Custo Brasil requer a modernização e a ampliação da infraestrutura, o corte dos custos dos financiamentos, o combate à burocracia, o aumento da segurança jurídica e a qualificação profissional dos trabalhadores. 

 

Competividade
 

A diminuição do Custo Brasil é fundamental para que haja crescimento e desenvolvimento no Brasil, já que essa redução resultaria na retomada da , uma vez que a redução impulsionaria a retomada econômica, do emprego e da renda. Quando falamos de competitividade global, as empresas brasileiras entram no mercado com grande desvantagem em relação aos países desenvolvidos.  

O relatório Competitividade Brasil 2019-2020, elaborado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostrou que o Brasil ocupa a 17ª posição em comparação com outras 18 economias do mundo, que possuem características similares à brasileira. De acordo com a pesquisa, mesmo tendo havido melhora nos últimos 10 anos no ambiente de negócio, não foi o bastante para uma curva de crescimento expressiva.

Em termos gerais, o Brasil ficou em penúltimo lugar do ranking, à frente apenas da Argentina.

 

Quais os impactos do Custo Brasil na economia brasileira? 

 

Associações do setor produtivo compararam, em estudo encomendado pelo Ministério da Economia, o Brasil com membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O resultado mostrou que as empresas brasileiras pagam R$ 1,5 trilhão a mais para realizarem seus negócios, o que equivale a 20,5% do PIB. 

Em pesquisa contratada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) junto à E&Y, o custo para instalar uma siderúrgica no Brasil, por exemplo,  é 10,6% mais alto do que em outros países por causa de impactos diretos e indiretos dos tributos sobre bens e serviços. Já para alguns produtos exportados, o valor pode carregar até 7% de resquício de tributos.

As carências do sistema atribuem alto valor aos produtos nas etapas finais das cadeias de valor e assim, limitam a competitividade do produto brasileiro.

A Sondagem Industrial da CNI, mostrou que a utilização da capacidade do setor industrial chegou a cair 49% (abril de 2020). No quadro pós-pandemia, deve haver acirramento na disputa entre os países e as empresas exportadoras, o que dificultará a situação da indústria, especialmente se a reforma tributária não for aprovada com rapidez.

O país tem potencial para atrair mais investimentos, já que possui muita matéria prima, mão de obra e mercado consumidor, por exemplo, mas as dificuldades da insegurança jurídica e do peso tributário pesam a balança para o outro lado.

 

Propostas da indústria para reduzir o Custo Brasil
 

Confederação Nacional da Indústria (CNI) sempre levantou a bandeira da redução do Custo Brasil. No documento “Propostas para a retomada do crescimento econômico”, a entidade listou 19 ações que farão o setor produtivo voltar a se desenvolver e gerar empregos, caso sejam adotadas.

Construído com a base da indústria, o documento está dividido em dois blocos e trata de temas como a reforma tributária. O primeiro bloco de ações cita medidas prioritárias e o segundo abrange propostas estruturantes para a melhora do ambiente de negócios, redução do Custo Brasil e estímulo ao investimento.

Para a CNI, o país precisa, mais que nunca, eliminar o Custo Brasil e aumentar o investimento em inovação para prover ambiente favorável aos negócios, oferecendo, inclusive, segurança jurídica.

 

14 propostas para a retomada da economia:
 

1. Modernizar a tributação indireta por meio de uma reforma do sistema tributário

2. Aprovar a Nova Lei do Gás Natural

3. Promover uma reforma administrativa

4. Adaptar a tributação de renda corporativa às novas regras globais

5. Aprovar marco legal nacional para o licenciamento ambiental

6. Avançar em medidas de curto e médio prazos de modernização, simplificação e eficiência das relações do trabalho

7. Reduzir os custos e aumentar a competitividade do setor elétrico

8. Priorizar o financiamento à modernização industrial e ao comércio exterior na política operacional do BNDES

9. Regulamentar o artigo 10-B da Nova Lei de Saneamento Básico

10. Garantir o aumento e a estabilidade de recursos para Pesquisas, Desenvolvimento e Inovação (PD&I)

11. Modernizar o financiamento público às exportações

12. Reduzir a burocracia e os custos do comércio exterior

13. Instituir mecanismo de depreciação acelerada

14. Instituir o marco legal de recuperação judicial das micro e pequenas empresas

 

 

 

Retomada da Economia