NOTÍCIAS

25 de Outubro de 2017 às 16:30

A- A A+

CNI, SENAI, SESI e IEL colaboram com políticas inovadoras para o país

Sistema Indústria atua de forma integrada para reverter o atraso nas políticas de pesquisa e desenvolvimento. Segundo o diretor Rafael Lucchesi, o desafio é fazer da inovação uma estratégia permanente das empresas. Leia na terceira e última parte do especial O Brasil que Inova

 

selo-brasil-que-inova.png
Sistema-Indústria-Inovação-760-251017.jpg

Uma lâmina alveolada de papel com revestimento de cera reduziu em até 80% o custo da produção de mel e aumentou a resistência do produto em relação às traças. O projeto custou R$ 253 mil e só saiu do papel em razão do então Edital SENAI SESI de Inovação, que destinou recursos, ofereceu consultoria e deu suporte de infraestrutura à Cooperativa para o Desenvolvimento da Apicultura do Nordeste (Coodapis), instituição que conduziu o trabalho inovador no interior de Pernambuco. A iniciativa incluiu também a criação de um equipamento para fabricação das lâminas em escala industrial. Reformulado em 2017, o Edital passou a se chamar Edital de Inovação para a Indústria, e é só um exemplo da atuação do Sistema Indústria no desenvolvimento da inovação no país.

As quatro instituições do Sistema Indústria estão integradas em uma ampla agenda voltada para políticas de pesquisa, desenvolvimento e inovação em busca de reverter o histórico atraso do Brasil, que aparece apenas na 69ª posição mundial no ranking dos países mais inovadores. A Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), o Serviço Social da Indústria (SESI) e o Instituto Euvaldo Lodi (IEL) acumulam diferentes iniciativas, a maior parte integrada à Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), para modificar essa triste realidade do país, que sofre com a falta de investimento e de incentivos à inovação por parte dos governos.

Coordenada pela CNI, a MEI tem como principal objetivo estimular a estratégia inovadora das empresas brasileiras e ampliar a efetividade das políticas de apoio à inovação, por meio da interlocução entre a iniciativa privada e o setor público, destaca o diretor de Educação e Tecnologia da CNI, Rafael Lucchesi, que acumula também os cargos de diretor-geral do SENAI e diretor-superintendente do SESI.

“O advento da Mobilização Empresarial pela Inovação teve um papel importante no desenvolvimento dessa cultura empreendedora no país. A MEI é liderada pela CNI, conta com a participação dos principais CEOs brasileiros e tem um papel muito importante de estabelecer uma interlocução com os principais gestores do governo federal na agenda de inovação”, afirma Lucchesi.
 

“O desafio é fazer da inovação uma estratégia permanente das empresas” - Rafael Lucchesi

Lucchesi-380-251017.jpg

LIDERANÇAS – O Comitê de Líderes Empresariais da MEI é constituído por 200 das maiores lideranças empresariais do país. O grupo se reúne periodicamente em encontros com a presença de representantes do governo federal onde são discutidos e definidos caminhos para potencializar a inovação no setor empresarial brasileiro, bem como avaliar as ações já em curso de estímulo à agenda no país. Entre as iniciativas da MEI destacam-se diagnósticos e estudos, colaboração com políticas do governo, apoio para empresários inovarem e imersões para ecossistemas de inovação no Brasil e no exterior em grupos que reúnem integrantes de empresas, governo, agências de fomento e universidades.

A diretora de Inovação da CNI, Gianna Sagazio, lembra que a MEI tem trabalhado para desenvolver uma estrutura de financiamento e um marco regulatório mais avançado para o país. “Entendemos que muitos avanços foram feitos nos últimos anos, mas ainda temos que avançar em aspectos como marco regulatório. Os países inovadores tratam a inovação como estratégia de desenvolvimento do país, uma vez que a inovação requer investimentos de longo prazo”, enfatiza Gianna.

Integrante da MEI e diretor-executivo da PPI Multitask, Marcelo Pinto conta que a MEI foi decisiva para abrir portas e alavancar a adoção de tecnologias inovadoras na empresa de manufacturing e automação. “Depois de uma imersão à Alemanha, em 2016, voltei com ideias e bagagem para implementar a Indústria 4.0 em nossa produção, a partir de melhorias incrementais. A Alemanha usa tecnologias que estão ao nosso alcance, mas é preciso buscá-las para inovarmos no Brasil e é isso que a MEI nos proporciona com as imersões”, destaca.

“Estou hoje em um novo espaço de mercado graças àquela imersão. Acelerei muito a inovação na empresa e estou realizando projetos de Indústria 4.0. Não estaria tão bem preparado se eu não tivesse feito a imersão. Consegui rever processos internos de inovação e criei um produto específico para a Indústria 4.0, que já estamos comercializando”, acrescenta Marcelo Pinto.

 

 

"Inovação requer investimentos de longo prazo” - Gianna Sagazio

Gianna-380-251017.jpg
INOVA TALENTOS – Além da constante agenda da MEI, são inúmeras as iniciativas do Sistema Indústria em prol da inovação. É o caso do Inova Talentos, programa no qual o IEL seleciona bolsistas para atuarem em projetos de pesquisa e desenvolvimento em empresas, com o apoio de consultoria por parte de especialistas da instituição. Criado em 2013, o programa estimula a inovação nas empresas e incentiva a indústria e universidades a transformarem pesquisas em negócios, produtos e serviços.

Foi por meio do Inova Talentos que o então estudante Gustavo Santos produziu um sistema inovador de compressão variável para otimizar motores de carro quando utilizado o combustível etanol. Engenheiro mecânico na Boch, ele participou como bolsista do programa e acabou contratado pela multinacional para dar continuidade ao projeto que desenvolveu no interior de São Paulo em uma das plantas da empresa alemã.

De acordo com o superintendente nacional do IEL, Paulo Mól, o principal foco do Inova Talentos é convencer o setor empresarial a criar um movimento voltado para a inovação. “O objetivo é fazer com que cada vez mais as empresas se tornem inovadoras. O aluno bolsista do Inova Talentos sai, no mínimo, treinado em competências e habilidades requeridas no mercado e a relação custo-benefício para as empresas é enorme”, observa. “No mundo todo, o grosso das inovações acontece nas startups. No Brasil, elas estão desprotegidas, não têm acesso a recursos suficientes”, acrescenta Mól.

GESTÃO DA INOVAÇÃO - A gestão da inovação é a chave para que o fluxo das ideias e a execução dos projetos de PD&I sejam eficientes e minimizem os riscos associados. Para apoiar as empresas, o IEL desenvolveu um processo com nove etapas e seis soluções. Uma delas, o diagnóstico da maturidade em gestão da inovação, é disponibilizado gratuitamente no site iel.org.br/gestaodainovacao.

Outra ação de incentivo à agenda de inovação é o Convênio CNI, SESI, SENAI e Sebrae, que, por meio de 25 federações e regionais do Sebrae, realiza consultorias para micro e pequenas empresas industriais. São mais de R$20 milhões para 800 empresas, em projetos de até R$ 25.700, em que as empresas têm a maior parte do valor subsidiado.

INSTITUTOS DE INOVAÇÃO – Com soluções voltadas à indústria do futuro, a rede de 25 Institutos SENAI de Inovação revoluciona há cinco anos a maneira de inovar no país e a cultura de inovação. Integradas a empresas e à academia, as unidades passaram a ser importantes atores no ecossistema de inovação brasileiro ao investir em pesquisa aplicada e no uso do conhecimento científico para o desenvolvimento de novos produtos e processos inovadores que chegam ao mercado consumidor.

É o caso do Instituto SENAI de Inovação em Automação da Produção, sediado no campus integrado do SENAI-Cimatec em Salvador, que desenvolve anualmente inúmeros produtos inovadores. Um dos destaques é o chamado Flatfish, um robô autônomo, produzido em parceria com a Shell, capaz de planejar e executar missões para verificar dutos de exploração de petróleo no fundo do mar. O equipamento será uma importante ferramenta na exploração de óleo e gás em águas profundas, permitirá a redução de custos de operação e levará maior segurança operacional e ao meio ambiente.

 

 

 

“No mundo todo, o grosso das inovações acontece nas startups" - Paulo Mól

Paulo-Mól-nova-380-251017.jpg
Outra iniciativa do Sistema Indústria que tem trazido resultados positivos é o Edital de Inovação para a Indústria. Conduzido pelo SENAI e SESI, em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o projeto propaga a cultura da inovação no país e aumenta a competitividade das empresas. O fundo mantido pelas instituições financia propostas de empresas de todos os portes e startups interessadas em desenvolver projetos inovadores de tecnológica em diversas áreas.

O SENAI tem ainda um importante papel no Programa Brasil Mais Produtivo, promovido em parceria com o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). O projeto começou a levar a Indústria 4.0 para empresas, por meio de tecnologias que elevam a produtividade e reduzem os custos. São os casos das indústrias alimentícias de Santa Catarina Lunã e Rineli, que, em poucos meses, registraram queda nos desperdícios por meio de um sistema de digitalização e conectividade desenvolvido pelo programa que permite o monitoramento em tempo real de toda a produção.

QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL – A preparação de profissionais inovadores com o perfil requisitado por empresas mais tecnológicas também é uma preocupação do Sistema Indústria. Afinal, essas empresas estão cada vez mais alinhadas à realidade da Indústria 4.0. A capacitação é voltada tanto para alunos das escolas do SESI e do SENAI quanto para executivos e empresários, que frequentam cursos do IEL como o de gestão da Inovação. Em outra vertente, o Fórum IEL Profissionais Inovadores tem trazido à tona nas cidades por onde passa os desafios do mercado de trabalho e debates entre especialistas sobre as profissões e seus futuros.

Futuro que o SESI quer garantir com maior segurança e saúde para os trabalhadores. Por isso, a instituição se tornou referência em soluções técnicas e tecnológicas para desafios de SST. Os oito Centros de Inovação SESI no país desenvolvem estudos avançados nas áreas de prevenção da incapacidade, economia para saúde e segurança, ergonomia, tecnologias para a saúde, entre outras capacidades. Essas unidades atuam junto a parceiros internacionais de referência como o Instituto Finlandês de Saúde Ocupacional (FIOH), a Universidade John Hopkins, dos Estados Unidos, e a TNO, da Holanda.

MAIS DA SÉRIE: Leia todas as reportagens do especial O Brasil que inova:
1- Esforço recompensado: conheça empresas que driblaram as dificuldades para inovar
2- Inovação no Brasil vai na contramão do mundo
3- CNI, SENAI, SESI e IEL colaboram com políticas inovadoras para o país

Por Diego Abreu
Edição: Aerton Guimarães
Fotos: José Paulo Lacerda e Miguel Ângelo
Da Agência CNI de Notícias

 

 

 

Leia mais

SENAI firma parceria com a Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha para projetos de inovação

Santa Catarina inaugura novos Institutos SENAI de Inovação com tecnologias de ponta

Cinco Institutos SENAI de Inovação recebem credenciamento de unidade Embrapii

Institutos SENAI de Inovação revolucionam forma de inovar no Brasil

SISTEMA INDÚSTRIA NAS REDES SOCIAIS

CNI: SlideShare | YouTube | Flickr | Google Plus | Instagram | Facebook | Twitter | SoundCloud | LinkedIn
SESI: Facebook | YouTube | LinkedIn
SENAI: Facebook | Instagram | YouTube | Spotify | Twitter
IEL: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Snapchat | LinkedIn

Comentários