NOTÍCIAS

12 de Setembro de 2017 às 11:00

A- A A+

Cresce a participação dos importados no consumo nacional

Estudo da CNI e da Funcex mostra que, com a valorização do real, o Brasil perdeu espaço para os concorrentes estrangeiros nos mercados interno e externo

 

gráfico-coeficiente-120917.jpg

Com a leve recuperação do consumo e a valorização do real frente ao dólar, a indústria brasileira  aumentou as importações. A participação dos produtos importados no consumo nacional subiu de 16,4% para 16,8%, a preços constantes, no acumulado de julho de 2016 a junho deste ano. No mesmo período, a participação das vendas externas no valor da produção da indústria de transformação ficou em 15,6%, quase o mesmo registrado no acumulado de janeiro a dezembro de 2016. As informações são do estudo Coeficientes de Abertura Comercial, divulgado nesta terça-feira (12) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI)

O estudo alerta que o desempenho dos quatro coeficientes -  dois que avaliam as exportações e dois que medem a participação das importações no mercado doméstico - indica o aumento das dificuldades de competição dos produtos brasileiros. "A evolução dos coeficientes mostra que o desafio continua sendo a elevação da competitividade da indústria", diz o estudo feito em parceria com a Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex).

"Os resultados, em 2017, refletem a fragilidade do ganho de competitividade baseado na depreciação do real e tornam novamente evidente a baixa competitividade do país frente aos concorrentes estrangeiros. A baixa competitividade significa maiores dificuldades para as empresas e pode comprometer a retomada do crescimento econômico", afirma a economista da CNI Samantha Cunha. 

De acordo com o trabalho, o aumento da participação das importações no mercado doméstico e a interrupção da recuperação do coeficiente de exportação deve-se, especialmente, à instabilidade e à valorização da moeda nacional frente ao dólar. Em 2016, o real se valorizou 6,6%. 

SETORES - Nos últimos 12 meses, o coeficiente de exportação caiu em nove dos 23 setores da indústria de transformação. As maiores quedas frente a 2016 foram nos setores de fumo, outros equipamentos de transporte (reboques, aviões, navios) e têxteis. O maior aumento das exportações em relação à produção foi registrado nos setores de veículos automotores e de madeira. 

O coeficiente de penetração das importações, que mede a participação dos produtos estrangeiros no consumo nacional,  cresceu na maioria dos setores,  especialmente nos de coque (espécie de carvão mineral), derivados do petróleo, bicombustíveis, produtos têxteis, máquinas e materiais elétricos e farmacêutico. "Apenas outros equipamentos de transportes, máquinas e equipamentos e fumo registraram queda no coeficiente de penetração das importações a preços constantes", afirma o estudo. 

Conheça os quatro coeficiente de abertura comercial

1. Coeficiente de exportação: O indicador mede a participação das vendas externas no valor da produção da indústria de transformação. Com isso,  mostra a importância do mercado externo para a indústria. Quanto maior o coeficiente, maior é a importância do mercado externo para o setor. O Coeficiente de Exportação a preços constantes, que exclui os efeitos das variações de preços, caiu de 15,7% em 2016 para 15,6% no acumulado em 12 meses encerrado em junho deste ano. Isso significa que a indústria de transformação brasileira exportou 15,6% da produção.
 

2. Coeficiente de penetração de  importações:  O indicador mede a participação dos produtos importados no consumo brasileiro. Quanto maior o coeficiente, maior é a participação de importados no mercado interno. O coeficiente de penetração das importações a preços constantes subiu  para 16,8% no acumulado em 12 meses encerrado em junho de 2017. Isso significa que entre todos os produtos consumidos no país naquele período, 16,8% foram importados.

3. Coeficiente de insumos industriais importados: O indicador mede a participação dos insumos industriais importados no total de insumos industriais adquiridos pela indústria de transformação. Quanto maior o coeficiente, maior é a utilização de insumos importados pela indústria. O indicador ficou em 23,1% a preços constantes no acumulado em 12 meses terminado em junho de 2017. Isso significa que do total de insumos industriais consumidos pela indústria de transformação naquele período, 23,1% foram importados.

4. Coeficiente de exportações líquidas: O indicador mostra a diferença entre as receitas obtidas com as exportações e as despesas com a importação de insumos industriais, ambos medidos em relação ao valor da produção. Se o coeficiente é positivo,  a receita com  exportação é maior do que os gastos com importações de insumos industriais. No acumulado em 12 meses terminado em junho de 2017, o coeficiente ficou em 4,3% a preços constantes. Em 2014, era negativo em 0,5%. 

SAIBA MAIS  - Acesse a página dos Coeficientes de Abertura Comercial para ter todos os detalhes do estudo.

Por Verene Wolke
Vídeo: José Paulo Lacerda
Da Agência CNI de Notícias

Leia mais

Economia brasileira manterá crescimento gradual nos próximos meses, avalia CNI

CNI defende aceleração do acordo comercial com México

VÍDEO: Gestão do Sistema Indústria contribui para o desenvolvimento do Brasil. Veja no Minuto da Indústria

Governos de Brasil e Argentina mostram sintonia inédita e relação bilateral avança

SISTEMA INDÚSTRIA NAS REDES SOCIAIS

CNI: SlideShare | YouTube | Flickr | Google Plus | Instagram | Facebook | Twitter | SoundCloud | LinkedIn
SESI: Facebook | YouTube | LinkedIn
SENAI: Facebook | Instagram | YouTube | Spotify | Twitter | LinkedIn
IEL: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Snapchat | LinkedIn

Comentários