NOTÍCIAS

19 de Março de 2017 às 17:43

A- A A+

5 soluções geniais do Torneio de Robótica para melhorar a relação das pessoas com os animais

Estudantes de todo o país apresentaram propostas inovadoras para aumentar a segurança, garantir a preservação de espécies e dar maior bem estar aos animais

Se partem do homem as principais mudanças no ecossistema, que tanto afetam a vida animal, vêm dele também as respostas para equacionar o desequilíbrio. O problema muitas vezes é complexo, mas da engenhosidade e a criatividade de crianças e adolescentes nascem soluções simples, eficazes e, mais importante, possíveis. Prova disso são os projetos de pesquisa apresentados por estudantes de todo o país nesta temporada da etapa nacional do Torneio de Robótico de Robótica FIRST Lego League, promovido pelo Serviço Social da Indústria (SESI), em Brasília. 

1. BAIA DO BACH 
Cavalo gosta de música clássica. Particularmente da produção alemã do período barroco, que tem em Johann Sebastian Bach seu representante máximo. Cavalo também aproveita os benefícios da cromoterapia. E curte brinquedo de pelúcia. Vá lá, cavalo precisa de distração para o tédio da baia. Nascidos livres, os animais ficam estressados e entediados quando presos. Resolver o desconforto foi a missão escolhida pelos alunos da equipe de robótica Thunderbóticos, do SESI Rio Claro, em São Paulo.

A solução chama-se Happy Horse. O kit da felicidade equina consiste em uma caixa de som que reproduz peças de Bach, luzes azuis e brinquedos suspensos por cordas – um cubo de pelúcia, um pino de boliche e um pneu. “Os cavalos ficaram mais calmos e menos estressados. Uma das donas que testou nosso kit disse que quando ela desligava a música e a luz, o cavalo relinchava, tipo reclamando, sabe?”, explica Nádima Carlevaro, 15 anos, da Thunderbotics. Os testes foram feitos com seis cavalos, nas cidades de Rio Claro, São Carlos e Sorocaba.

O Happy Horse diminuiu os efeitos ruins do confinamento, como a aerofagia, em que o cavalo apoia a boca em barra de metal e aspira o ar. A prática provoca contorções musculares, tensão e doenças gástricas. “Descobrimos que as ondas da música de Bach simulam as encontradas na natureza, o que acalma o cavalo. Os brinquedos são anatômicos e divertem o animal. Aos poucos, ele para com a aerofagia”, detalha Letícia Teixeira, 15 anos.  Além de eficaz, o kit é barato – custa R$ 80 – e pode ser montado em qualquer baia. O projeto despertou interesse de uma empresa americana, baseada em Ohio (EUA), que quer produzir e vender o Happy Horse mundialmente. 

2. ABELHAS EM RISCO 
As abelhas entraram na lista de animais ameaçados de extinção em 2016. A mensagem dada pelos cientistas à época foi muito clara: sem elas, o mundo como conhecemos hoje vai acabar. Obviamente, ninguém quer que a coisa ande por aí. O remédio, segundo os Kamikazes, do SESI Capanema, no Paraná, é simples e sustentável. “Sem flores, não tem abelha. Então criamos uma cápsula com adubo e sementes das flores preferidas das abelhas para estimular que elas trabalhem e se reproduzam”, explica Larissa Thays Santos, 17 anos, integrante da equipe. 

Basta abrir a cápsula, regar um pouco e deixar a natureza fazer o resto. Inclusive, o revestimento é biodegradável. A ideia já conquistou uma indústria carioca que fabrica cápsulas em gel. Além de doar o material para a equipe, a empresa já está utilizando a criação dos Kamikazes em ações de marketing. Ao custo de R$ 0,05, o time quer mais parceiros para popularizar a pílula. “Melhor dar flores do que balinha quando não tiver o troco, não acha?”, sugere Larissa. 

pílulas-abelhas-190317.jpg


3. SALVE O BOTO
Cravada à beira do Rio Amazonas, a cidade de Itacoatiara, no Amazonas, era para ser um santuário de botos cor-de-rosa. Mas os dóceis animais estão sob o risco de extinção por serem usados como isca para pesca de outros peixes. “Os pescadores usam a carne do boto para atrair peixes, especialmente o piracatinga. Descobrimos que eles fazem isso porque acham que não têm outra opção, mas têm”, conta Vivian Watanabe, 17 anos. 

Os estudantes do time Amazônidas, do SESI Abraão Sabbá, criaram uma isca utilizando ingredientes populares, como restos de frango, trigo, goma de tapioca, gordura de peixe ou de outro animal. E acrescentaram enxofre para reduzir a alta concentração de mercúrio encontrada nos piracatingas. Os testes foram promissores. “Ajudamos a salvar o boto, damos alternativa às comunidades de pescadores e mais saúde ao consumidor do peixe”, completa Eliton Laborda, 14 anos. A ideia já foi passada para um grupo de 150 pescadores, que aprovaram a alternativa.

Amazônidas 190317.jpg


4.SEGURANÇA NA ESTRADA
Somente na região de Sertão, na Paraíba, em três meses, 393 animais morreram nas rodovias. Em dois anos, entre 2014 e 2016, 14 pessoas perderam a vida na mesma região por causa de acidentes com animais na estrada. No estado, o número deve ser bem maior. 

Para diminuir o risco de colisões e aumentar a eficiência do trabalho da Polícia Rodoviária Federal, responsável pela remoção dos animais da pista, estudantes do SESI Patos criaram um aplicativo, o Zoo Alert, que permite aos motoristas notificar a presença de animais na estrada, bem como saber com antecedência se o trecho é perigoso.

“Usamos o banco de dados da PRF para mapear as áreas de maior risco. Com a colaboração dos motoristas, o trabalho da polícia será mais rápido na hora de retirar os animais”, explica Itallo Mendes, 16 anos. A PRF está estudando utilizar o aplicativo. “Aprendemos a linguagem de programação que muita gente formada ainda não sabe. É um desafio, mas é muito bom”, comenta Hemerson Lucena, 17 anos.  

5. PET 4.0 
Imagine controlar o bem estar do seu cachorro pelo celular? Trocar a água, repor a comida, ligar um ventilador num dia quente, iluminar a casinha se anoitece e tudo isso mesmo se você estiver fora de casa. Na verdade, não precisa mais imaginar. Os alunos do SESI Sobradinho, no Distrito Federal, já concretizaram esse sonho.

Nasceu deles a Castelo – Casa Sustentável Tecnológica do Elo Animal. A casa tem dois cômodos – com tamanho adequado ao bem estar do animal, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) – conta com superfície antiderrapante, ventilador, luz de LED, repositórios automáticos de ração e água, sem falar do borrifador de repelente contra insetos. 

Tudo conectado à internet e disponível no celular, por meio do aplicativo Elo Animal. “No aplicativo, além de controlar as funções da casa, ainda dá pra monitorar a saúde do cachorro, as vacinas, medicações”, explica Júlia Alves, 17. Em breve, tudo vai funcionar com energia própria, pois o telhado vai ganhar placas solares. 

pet-4.0-190317.jpg

A COMPETIÇÃO – No Torneio Nacional de Robótica, os estudantes participam de uma disputa emocionante com robôs de Lego, projetados e programados pelos por eles mesmos. Esses robozinhos precisam cumprir determinadas missões na mesa de competição, baseadas no tema da temporada: Animal Allies (Animais Aliados), como por exemplo, salvar animais de áreas de risco, claro, são todas peças de Lego.

As equipes também apresentam projetos de pesquisa relacionados ao tema. São soluções inovadoras para melhorar a relação entre homens e animais. Os robôs e os projetos são avaliados pelos juízes da competição, que também ficam de olho no comportamento dos times. Trabalho em equipe vale pontos importantes. Ao final, as melhores equipes garantem vagas em torneios internacionais na Austrália, Reino Unido, Estados Unidos e Dinamarca.

ACOMPANHE - Veja tudo o que está rolando na competição! Confira todas as fotos no Flickr da CNI. E acompanhe a cobertura completa no perfil do Torneio de Robótica no Facebook, Instagram (@torneioderoboticafll) e, claro, no site oficial do evento.

Por Ariadne Sakkis
Fotos: Miguel Ângelo e José Paulo Lacerda
Da Agência CNI de Notícias

Leia mais

Empresas e startups terão R$ 53,6 milhões do SENAI, do Sebrae e do SESI para investir em inovação

Confira as mais lidas entre 13 e 19 de março na Agência CNI de Notícias

Estudantes descobrem vocação profissional graças à robótica

Empresários visitam Institutos SENAI de Inovação e planejam parcerias em produtos e processos inovadores

SISTEMA INDÚSTRIA NAS REDES SOCIAIS

CNI: SlideShare | YouTube | Flickr | Google Plus | Instagram | Facebook | Twitter | SoundCloud | LinkedIn
SESI: Facebook | YouTube | LinkedIn
SENAI: Facebook | Instagram | YouTube | Spotify | Twitter
IEL: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Snapchat | LinkedIn

Comentários