Selo-internas2.png

4ª Edição - 2011/2013


A 4ª edição do Prêmio (2011-2013) recebeu 508 inscrições, avaliadas pelo júri formado por Fernando Oliva (SP), Grace Maria Machado (DF) e Josué Mattos (SC). Os artistas pré-selecionados passaram pelo júri de premiação, composto por Bitu Cassundé (CE), Paulo Herkenhoff (RJ) e Laymert Garcia dos Santos (SP).

Os vencedores foram: André Komatsu (SP), Jonathas de Andrade Souza (PE), Laura Martins Belém Vieira (MG), Marcone José Moreira (PA) e Paulo Nenflídio de Carvalho (SP). Saiba mais sobre cada um dos artistas vencedores:

André Komatsu (SP)

 

"Tento criar trabalhos que possam permear a interpretação do outro. Uma obra fechada acaba nela mesma, não possibilita uma conversa e estabelece regras, e isso é uma coisa que tento não fazer."

Entre suas principais exposições destacam-se as individuais no Centro Cultural São Paulo, Museu de Arte da Pampulha e Paço das Artes (2006) e nas galerias Vermelho (São Paulo, 2007 e 2009) e Natalie Seroussi (Paris, 2010). 

6839651240_1b413ad2e8_k.png
6985773197_5f8cdd220d_k.jpg

Jonathas de Andrade Souza (PE)

 

"Minha poética não precisa ser conquistada, ela é o que é, é o que já é; é cavalo sem sela, delírio e salvação, poderoso campo de instabilidade que, por outro lado, cria chão firme onde pisar e de onde saltar."

Nascido em Alagoas, reside e trabalha em Pernambuco. Suas obras trabalham com as falhas da memória, com a dúvida entre a ficção e a realidade. Jonathas de Andrade lança um olhar crítico sobre o passado na tentativa de compreender o que vem pela frente.

Laura Martins Belém Vieira (MG)

 

"Em meu trabalho, busco o caminho do meio, e procuro consegui-lo através da articulação de uma série de elementos, que compreendem desde a escolha dos materiais e da técnica até a forma de intervenção no espaço, a escolha do título e procedimentos mais intuitivos."

A artista busca, em seus vídeos, instalações, fotografias e esculturas, a reaproximação entre o espectador e seu entorno. Suas narrativas tratam da memória, dos gestos delicados, das políticas cotidianas. Suas obras subvertem e potencializam a percepção dos objetos do cotidiano, das paisagens e dos sentimentos.

6985775717_c9cf3c52b0_k.jpg
6839653906_71b4289444_k.jpg

Marcone José Moreira (PA)

 

"Penso que, como artista, minha questão é reelaborar o meu mundo a partir de como o percebo, e isso é o que me dedico a fazer a partir do lugar onde vivo até o momento".

Nascido no maranhão, vive e trabalha em Marabá (PA). Em suas pinturas, fotografias, objetos e instalações, o artista concilia referências populares e eruditas, regionais e universais. Passeia pelo suprematismo russo, pelo objet trouvé de Duchamp, pelos grafismos indígenas e pela cultura popular amazônica.

Paulo Nenflidio de Carvalho (SP)

 

"Sempre fiz questão de fazer as obras que me vêm à cabeça, sempre usei meu conhecimento de eletrônica, de acústica e de outros meios relacionados, junto com o processo de construção em madeira, plástico e metal. É na construção das obras que elaboro o conceito da próxima. Se eu fosse um artista que pede a terceiros que executem suas peças, eu teria parado de produzir há muito tempo por falta de idéias."

Seus desenhos, esculturas e instalações discutem questões que estão na ordem do dia. O artista produz uma arte renovável.

6839652996_9f68944217_k.jpg




Os premiados receberam, durante um ano, consultoria de um grupo de curadores formado por: Paulo Herkenhoff (RJ), Rafael Vogt Maia Rosa (SP), Laymert Garcia dos Santos (SP) e Lisette Lagnado (SP).

A mostra itinerante da quarta edição percorreu:
 

  • Rio de Janeiro (RJ) - Casa França-Brasil
     
  • Porto Alegre (RS) - Usina do Gasômetro
     
  • Cuiabá (MT) - Palácio da Instrução – Pavilhão das Artes
     
  • Macapá (AP) - Fortaleza de São José de Macapá
     
  • Maceió (AL) - Associação Comercial de Maceió – Palácio do Comércio
     
  • Ribeirão Preto (SP) - Museu de Arte de Ribeirão Preto Pedro Manuel-Gismondi
     
  • Belo Horizonte (MG) - Palácio das Artes, que recebeu as doações dos cinco artistas vencedores

Mostras itinerantes

 

4º Prêmio Marcantonio Vilaça (2012-2013) - Mostras Itinerantes