2ª Edição - 2007/2008

A segunda edição (2006-2008) recebeu 744 inscrições, avaliadas por Marcus Lontra (RJ), Marisa Mokarzel (PA) e Ricardo Resende (SP). Os artistas pré-selecionados foram avaliados pelo júri de premiação, composto por Cristiana Tejo (PE), Lisette Lagnado Dwek (SP) e Paulo Herkenhoff (RJ).

Os vencedores da segunda edição foram: Carlos Mélo (PE); Gisela Motta e Leandro Lima (SP); Laura Lima (RJ); Lúcia Laguna (RJ), e Sara Ramo (MG). Saiba mais sobre os premiados:

 

 

Carlos Melo (PE)

 
De maneira poética e contundente, Carlos Mélo aborda em suas fotografias, performances e vídeos desde questões íntimas do indivíduo até dramas da sociedade contemporânea. Um dos desafios de sua produção é identificar o papel e o lugar do homem e da própria obra de arte no espaço que o circunda. Entre suas principais exposições estão a coletiva.
O Corpo na Arte Contemporânea Brasileira (Itaú Cultural, São Paulo, 2005) e o XII Salão de Arte da Bahia (Museu de Arte Moderna da Bahia, Salvador, 2005), além das individuais Carnos (Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães, Recife, 2003), Terreno (Paço das Artes, São Paulo, 2004) e Documento (Galeria Mariana Moura, Recife, 2005). 
 
 

Laura Lima (RJ)

 

Desejo, tensão, melancolia, sublimação, corpo, sexo e relacionamento são algumas das questões que vão e vêm na produção da artista Laura Lima. Seus atos artísticos, sejam eles performances ou esculturas-objetos, remetem à visionária produção de Lygia Clark. Seu desafio é colocar o corpo como artífice e receptáculo de novas experiências sensoriais e apresentá-lo como protagonista nas disputas de poder na contemporaneidade.
Entre as coletivas de que participou, destacam-se Antarctica Artes com a Folha (Pavilhão Manoel da Nóbrega, São Paulo, 1996), Intervalos (Paço das Artes, São Paulo, 1997), XXIV Bienal de São Paulo (Pavilhão da Bienal, 1998), IV Bienal do Mercosul (Porto Alegre, 2003) e Educação, Olha! (Galeria A Gentil Carioca, Rio de Janeiro, 2005). Entre suas individuais destacam-se Laura Lima - Instâncias (Chapter Art Centre, Cardiff, País de Gales, 2004), Costumes Loja (Casa Triângulo, São Paulo, 2003), HOMEM=CARNE/MULHER=CARNE e COSTUMES (Museu de Arte da Pampulha, Belo Horizonte, 2002) e Puxador (Fundição Progresso, Rio de Janeiro, 1999). 
 

 

Gisela Motta e Leandro lima (SP)​

 
Desde 1997 a dupla Gisela Motta e Leandro Lima desenvolve uma produção instigante, cujo foco principal é discutir as relações entre corpo, imagem e tecnologia e definir quais espaços eles ocupam na sociedade. Seus vídeos, fotografias, instalações e performances se utilizam de tecnologias avançadas e representam uma postura crítica dos artistas em relação à produção de imagens nos dias de hoje. Entre as mostras que participaram, destacam-se as coletivas Panorama da Imagem, Novíssimos (Paço das Artes, São Paulo, 1998), 13a edição - Vídeo Brasil (Sesc Pompéia, São Paulo, 2001), A Subversão dos Meios (Itaú Cultural, São Paulo, 2003), Modos de Usar (Galeria Vermelho, São Paulo, 2003), XI Salão da Bahia (Museu de Arte Moderna da Bahia, Salvador, 2004), 15a edição Vídeo Brasil (Sesc Pompéia, São Paulo, 2005), V Prêmio Sérgio Motta de Arte e Tecnologia (Paço das Artes, São Paulo, 2005) e o VI Salão Nacional de Goiás (Shopping Flamboyant, Goiânia, 2006). 

 

Lucia Laguna (RJ)​

 
De seu ateliê no Rio de Janeiro, localizado entre a Linha Vermelha e a Linha Amarela, Lucia Laguna enfrenta corajosamente as possibilidades da pintura. Suas paisagens não são naturalistas, mas centradas em uma rigorosa e vigorosa abstração formal. Compostas por linhas, planos e cortes dramáticos, suas pinturas levam o espectador de encontro aos estilhaços do mundo contemporâneo. Lucia Laguna começou a se interessar por pintura em 1994, aos 53 anos de idade, ao freqüentar os cursos da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, no Rio, onde estudou até 2000. Realizou em 2006 uma mostra individual na Galeria Laura Marsiaj (Rio). Entre suas principais coletivas estão Paradoxos Brasil - Rumos Artes Visuais 2005/2006 (Instituto Itaú Cultural, São Paulo, 2006), Projéteis - Arte Contemporânea (Funarte, Rio de Janeiro, 2004) e Posição 2004 (Parque Lage, Rio de Janeiro, 2004).
 
 

Sara Ramo (MG)​

 
A artista espanhola, radicada no Brasil desde 1998, realiza fotografias, vídeos e instalações em que procura descobrir poesia e novas vocações para objetos banais do cotidiano, utilizando por vezes descartes da sociedade de consumo e retirando deles novas possibilidades formais e conceituais para o exercício da arte.
Entre suas principais exposições estão as coletivas Panorama da Arte Brasileira (Museu de Arte Moderna de São Paulo, 2003, e Paço Imperial do Rio do Janeiro, 2004) e O Corpo na Arte Contemporânea Brasileira (Itaú Cultural, São Paulo, 2005) e as individuais Bolsa Pampulha (Museu da Pampulha, Belo Horizonte, 2003), Uma e Outra Vez Lá, Mesmo que Aqui (Galeria Fortes Vilaça, São Paulo, 2005), Invasão ou Tudo o que Ficou Contido (Galeria Manoel Macedo, Belo Horizonte, 2005) e a III Mostra do Programa de Exposições do Centro Cultural São Paulo (2005).

 

 

Os curadores que prestaram consultoria aos vencedores foram: Suely Rolnik (SP), Laymert Garcia dos Santos (SP), Luiz Camillo Osorio (RJ), Paulo Herkenhoff e Stella Senra (SP).

As obras dos artistas premiados passaram por:

  • Brasília (DFF) - Museu da República, que recebeu uma obra de cada artista
  • Taguatinga (DF) - unidade do SESI
  • Rio de Janeiro (RJ) - Museu Histórico Nacional
  • São Paulo (SP) - Centro Cultural Fiesp
  • Curitiba (PR) - Casa Andrade Muricy
  • Manaus (AM) - Usina Chaminé
  • Fortaleza (CE) - Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura

 

Fotos das Exposições Itinerantes

Fotos