IEL Educação Executiva
www.cni.org.br

http://cni.org.br/noticias/123465978

Wharton - EUA

Estratégia e Inovação nos Negócios

A crescente complexidade dos negócios exige dos executivos mais preparo e qualificação para enfrentar os desafios e aproveitar as oportunidades da economia globalizada.

O programa Estratégia e Inovação nos Negócios, parceria do IEL com a Wharton School, dos Estados Unidos, foi criado para oferecer excelência em capacitação empresarial para executivos de empresas brasileiras e discutir as mais atualizadas abordagens e práticas de liderança, estratégia e gestão de negócios.

Em sua 8ª edição, o curso aborda as mais avançadas tendências em temas como tomada de decisões, inovação, estratégia, negociação, marketing e gestão multinacional. Todos os conteúdos têm o reforço de pesquisas atuais e a aplicação prática explicadas pelos especialistas e acadêmicos de renome internacional.

Em sessões interativas, estudos de caso e discussões orientadas para resultados, que ocorrem em período integral durante uma semana, os participantes compreenderão as principais ferramentas empresariais e as abordagens das áreas que impactam sua empresa.

Além do conhecimento, o curso é uma oportunidade para a formação de redes de relacionamento e a troca de experiências entre os profissionais no mercado.

Wharton School

 

A Wharton School é a mais tradicional escola de negócios dos Estados Unidos e ocupa o primeiro lugar no ranking do jornal inglês Financial Times. Localizada no campus da Universidade da Pensilvânia, na Filadélfia, é mundialmente reconhecida pela liderança, inovação e excelência acadêmica em todos os níveis de educação executiva.

Os programas para executivos da Wharton recebem mais de 9 mil participantes por ano. A instituição é parceira do IEL há oito anos.

A quem se destina

 

Empresários, executivos e sucessores de empresas responsáveis por decisões estratégicas no exercício de suas funções.

Conteúdo

 

Criando e sustentando valor aos acionistas:

Com muita frequência, as organizações interpretam crescimento como valor. Mas o crescimento de receitas pode encobrir a realidade. O que importa, de fato, é se o crescimento da empresa gera lucro, se ele é sustentável e qual o montante de investimento necessário para alcançá-lo.

Durante esta sessão, os participantes examinam como as empresas criam valor aos acionistas e a razão pela qual indicadores de desempenho tradicionais, como lucro por ação e fluxo de caixa não conseguem medir valor. Eles geram um modelo de avaliação simples, permitindo que se vincule a criação de valor diretamente à estratégia corporativa.

Esta sessão ensinará os participantes a:
  • Medir explicitamente os principais geradores de valor da empresa: retorno sobre investimento e crescimento orgânico das receitas.
  • Comprovar por que os indicadores de desempenho existentes, como lucro por ação e fluxo de caixa, deixam de medir valor.
  • Vincular indicadores financeiros diretamente à estratégia corporativa, mapeando os alvos financeiros históricos associados às iniciativas da empresa.

Visão periférica:
Os gestores são inundados por um crescente fluxo de sinais sutis (sinais fracos) da periferia. Como saber a quais deles reagir e quais ignorar? A chave é identificar e interpretar os sinais fracos importantes e agir sobre as oportunidades antes dos concorrentes, ou reconhecer sinais precoces de problemas antes que venham a enfrentar problemas maiores.

Esta sessão aborda como as organizações podem melhorar sua visão periférica para identificar oportunidades e ameaças com mais rapidez. Serão descritas as melhores práticas e será sugerido um conjunto de processos e capacidades organizacionais capazes de aguçar a visão periférica, apresentando um roteiro de sete passos para ajudar os participantes a desenvolverem uma visão periférica mais forte nas suas organizações.

A sessão examina muitos exemplos — desde o declínio da participação de mercado da Barbie à revolução das dietas baixas em carboidratos — em que as organizações perderam importantes oportunidades ou foram pegas de surpresa por desenvolvimentos externos. Os referenciais aprendidos ajudarão os participantes a enxergarem novas oportunidades antes dos concorrentes e a evitarem serem pegos desprevenidos.

Gestão da inovação:
Como as empresas descobrem oportunidades excepcionais, sejam farmacêuticas, tramas de filmes ou conceitos para bens de consumo? Da perspectiva do ingênuo observador externo, oportunidades para inovações de enorme sucesso parecem  ser centelhas repentinas, imprevisíveis e, certamente, incontroláveis. Antes de se tornarem projetos elaborados, quando ainda eram compostos químicos em placas de Petri*, resumos de roteiro na mesa do produtor ou esboços de ideias de produto rabiscados num guardanapo de papel, as oportunidades excepcionais competiram com muitas outras oportunidades até ficarem entre as poucas escolhidas.

Oportunidades de inovação, em si, não são particularmente úteis para uma empresa. Algumas delas serão valiosas, outras não.  Além de identificar oportunidades, a criação de valor requer um mecanismo de seleção, um filtro que elimine um grande número das oportunidades de qualidade inferior, permitindo que apenas as oportunidades mais promissoras sobrevivam. Este processo de identificar, filtrar e selecionar oportunidades é um campeonato de inovação. Um campeonato de inovação, como a sua contraparte nos esportes, consiste em múltiplas rodadas de competição. Um subconjunto avança para a etapa seguinte (as eliminatórias) e, no final, um ou mais se sagram campeões.

Esta sessão aborda processos de inovação desde a criação de ideias até a seleção das que serão desenvolvidas para lançamento no mercado.  Será fornecida uma gama de exemplos de inovações e serão destacadas as considerações do processo de seleção.

Workshop de negociação executiva:

Negociação eficaz constitui a base da maioria dos confrontos comerciais e pessoais bem-sucedidos. Seja ao lidar com um cliente, um parente, o quadro de funcionários, um negócio de um bilhão de dólares ou a compra de um carro, existem diferenças mensuráveis nos resultados, entre aqueles que negociam bem e aqueles que não o fazem. Mas a negociação eficaz requer muito mais do que conhecer os números e os fatos.

Bons negociadores compreendem o processo de negociação – como algo separado do conhecimento substantivo da matéria em pauta. Percepções, confiança na contraparte, relacionamentos, estilo, afinidades e emoções são, no mínimo, tão importantes quanto a matéria. Especialistas na matéria – finanças, marketing, engenharia, direito, medicina ou outras áreas – podem ganhar uma vantagem competitiva significativa aprendendo habilidades de persuasão para fazerem ressaltar sua especialidade básica.

Caso contrário, eles estarão quase sempre com a razão, mas não serão persuasivos o suficiente. Em essência, este programa provê aos participantes ferramentas práticas para eles se tornarem melhores negociadores: menos instinto, mais estrutura.

Branding:
Branding é um elemento fundamental da estratégia competitiva. Esta sessão abordará a importância estratégica do branding, e fornecerá teorias e estratégias para construir, alavancar e sustentar marcas fortes no mercado.
  • Como podemos medir o valor de uma marca?
  • Qual é o valor de uma marca para o cliente/fornecedor?
  • Deveríamos usar a mesma marca globalmente?
  • Deveríamos estender a marca a outros produtos?
Com uma combinação de palestra, discussão e análise de casos, os participantes compreenderão as oportunidades e desafios envolvidos nas decisões com que os gestores se deparam ao criarem e defenderem a arquitetura dos significados da marca.

Estratégias para Expansão Internacional:
Os mercados emergentes apresentam níveis muito díspares tanto de desenvolvimento econômico e institucional quanto de potencial.

Esta sessão analisa dados básicos econômicos, políticos e institucionais para ajudar a definir e fazer a distinção entre os diferentes mercados emergentes. Focando-se no contexto institucional, os participantes desenvolvem um quadro referencial para avaliar as potenciais oportunidades e riscos associados a mercados emergentes.

Eles aplicam este referencial a mercados emergentes específicos (especialmente aos assim-chamados mercados BRIC, que denotam Brasil, Rússia, Índia e China) e avaliam as implicações estratégicas em temos de configurar, adaptar ou abandonar estratégias. Em seguida, os participantes, se concentram nos riscos peculiares aos mercados emergentes e usam casos e ilustrações para explorar abordagens para gerenciar o risco em questão. Eles também exploram as relações dos mercados emergentes – particularmente aquelas com o governo e os parceiros locais – e como as empresas podem gerir melhor essas relações. A sessão termina com um exercício que permite aos participantes aplicar este quadro referencial à sua empresa ou negócio em um mercado emergente.

A sessão pode ser ampliada para incluir uma introdução básica à gestão transcultural, as abordagens “para a base da pirâmide” relativas a estratégia e marketing em segmentos de mais baixa renda, casos originais e uma simulação de gestão de conflitos em joint ventures internacionais. 

Após esta sessão, o aluno deverá ser capaz de:
  • Compreender e classificar mercados emergentes;
  • Compreender diferenças transculturais.

Formulação e implementação da estratégia competitiva:
Esta sessão se concentra em dois aspectos críticos da gestão estratégica: a formulação e a implementação da estratégia competitiva. O primeiro tópico analisa as forças do setor, o comportamento dos concorrentes, as capacidades organizacionais e sua relação com o desenvolvimento de uma estratégia eficaz para o negócio.

O segundo enfoca as principais decisões e ações requeridas para executar a estratégia e alcançar os resultados desejados. Em essência, esta sessão lida com a formulação da estratégia e com o que fazer para que a estratégia funcione.

Visão geral do programa e construção de uma comunidade de aprendizagem:
Esta sessão ajuda os participantes a fazerem a transição de um ambiente de trabalho de ritmo acelerado, orientado para a ação, para um contexto de reflexão, próprio de um programa de desenvolvimento de executivos. Por meio de uma série de discussões e exercícios interativos, os participantes se apresentam uns aos outros, consideram os desafios comuns de aprender novas ideias e mudar comportamentos arraigados, revisar os tópicos do programa e estabelecer metas.

Essas atividades ajudam a desenvolver confiança recíproca e abertura, criando uma comunidade de aprendizagem propícia à livre troca de ideias. Uma comunidade de aprendizagem forte gera um contexto que estimula insights práticos orientados para a ação.

A mentalidade empresarial:
À medida que as organizações se tornam mais complexas e globais, muitos líderes seniores se esforçam para “pensar globalmente, mas atuam localmente”. No cerne deste desafio, jaz a necessidade de compreender o sistema empresarial e passar esta compreensão, em cascata, por toda a organização.

Esta sessão explora as barreiras ao “pensamento empresarial”, usando um exercício vivencial. Os participantes recebem vários conceitos e ferramentas destinados a  promover uma mentalidade empresarial mais forte, inclusive conceitos e ferramentas destinados a clareza, alinhamento, cultura e responsabilidade. Esta sessão também apresenta conceitos-chave da dinâmica sistêmica tradicional, como projeto idealizado e técnica pre-mortem.

Os participantes saem da sessão com um plano para promover a mentalidade empresarial, independentemente da posição que eles ocupem na sua atual organização.

Professores

 

• David Reibstein
Dr. David J. Reibstein é titular da cátedra William S. Woodside e professor de marketing na Wharton School, University of Pennsylvania. De 1987 a 1992, foi titular da cátedra Julian Aresty de marketing, vice-reitor e diretor da Divisão Wharton de Pós-graduação da University of Pennsylvania.

David obteve seu grau de doutor (Ph.D.) em Administração Industrial na Purdue University, frequentou o programa de MBA da Tulane University, obteve seus dois bacharelados (BA e BS), em Estatística e Ciência Política e em Administração de Empresas, respectivamente, na University of Kansas, e foi agraciado com o grau de Mestre honorário pela University of Pennsylvania.

Os principais interesses da pesquisa de David são em retorno sobre investimentos (ROI) de marketing, marketing na internet, estratégia competitiva de marketing, segmentação de mercado, modelos de marketing e compreensão do comportamento na escolha de marca.

• David Robertson
Tornou-se membro do corpo docente da Wharton School, na University of Pennsylvania, em 2011. Leciona Inovação e Desenvolvimento de Produto na Wharton, tanto no curso de graduação, como no MBA e no Programa de Educação Executiva.

Robertson obteve seu grau de Mestre (MBA) e de Doutor (PhD) em Administração na Sloan School of Management do MIT e seu bacharelado em Ciências (BS) na University of Illinois.

Os tópicos de maior interesse na pesquisa de Robertson concentram-se em gestão da inovação – como as empresas podem extrair mais dos seus investimentos em inovação. 

• G Richard Shell

Shell é titular da cátedra Thomas Gerrity de Estudos de Direito, Ética nos Negócios e Gestão, na Wharton School da University of Pennsylvania, onde leciona desde 1986.  É membro sênior do corpo docente, tendo liderado inúmeras iniciativas em âmbito todo-abrangente na Wharton School, inclusive o reprojeto do programa MBA em 2010. Como docente, é Diretor Acadêmico de dois programas de educação executiva da Wharton: O Workshop de Negociação Executiva e o Workshop de Persuasão Estratégica.

Como consultor, Professor Shell já trabalhou para mais de 100 empresas de negócios e organizações sem fins lucrativos. Também mantém estreitas relações de trabalho com os vários grupos integrantes do Comando de Operações Especiais dos Estados Unidos e com a Unidade de Negociações de Crises, do Federal Bureau of Investigation (FBI).

Tem sido Acadêmico Visitante no Programa sobre Negociação da Harvard Law School, testemunhou perante o Congresso sobre questões de política pública relacionadas a litígio e resolução de disputas, e artigos com suas opiniões têm sido publicados em jornais como Wall Street Journal, The New York Times, The Boston Globe e The Philadelphia Inquirer. 

• Joseph Perfetti
Sr. Perfetti é Diretor de Aprendizagem do Programa de Educação Executiva da Wharton School of Business. Tem lecionado em inúmeros programas de inscrição livre e programas customizados, inclusive o Programa de Desenvolvimento de Executivos, da Wharton. 

Pós-graduado pela Wharton School of Business da University of Pennsylvania, onde foi Assistente de Ensino (aluno de pós-graduação que recebe uma bolsa em troca de trabalho de apoio ao ensino) no programa MBA para Executivos (EMBA).

Sr. Perfetti é um especialista em finanças corporativas e estratégia que durante os últimos 21 anos ministrou mais de 1200 dias de aula a corporações líderes e empresas de consultoria. Perfetti é sócio de uma empresa de consultoria, a CEP LLC, focada em assessoria, análise e educação financeira a organizações de grande porte.

• Joe Ryan
Joe tem atuado na Wharton na condição de docente afiliado desde 1991, com extensa atividade em programas de educação executiva. De 1999 a 2009, lecionou em programas de MBA regular e MBA para executivos, na Filadélfia e em São Francisco. É presidente e fundador de The True North Advisory Group.  Trabalha com executivos como assessor em atividades relacionadas a estratégia de negócios e gestão da mudança. É orador assíduo em conferências setoriais. 

Obteve o grau de Ph.D. na University of Pennsylvania, completou seus estudos de pós-graduação em administração de empresas na Wharton School, participou do programa de educação executiva da GE em Crotonville e do programa de Liderança em Serviços Profissionais na Harvard Business School.

Seus interesses nas atividades de ensino, consultoria e pesquisa recaem em desenvolvimento de liderança, implementação de estratégias, gestão de empresas de serviços profissionais, melhores práticas em gestão da mudança e projeto de programas customizados de educação executiva. 

• Jonathan Doh

Jonathan Doh é professor titular da cátedra patrocinada Herbert G. Rammrath de Negócios Internacionais, diretor-fundador do Center for Global Leadership e professor de Gestão e Operações na Villanova School of Business. Também atua como instrutor de executivos no Aresty Institute of Executive Education na Wharton School of Business, onde trabalha com clientes em questões como os desafios da globalização, desenvolvimento de estratégia corporativa, compreensão de mercados emergentes e implementação de responsabilidade corporativa estratégica. Tem sido professor visitante na GSBA Zurich e na University of Auckland e, com muita frequência, o principal palestrante em eventos para grupos de negócios, relações exteriores e acadêmicos.

• Kathy Pearson
Kathy Pearson, Ph.D. é presidente e sócia sênior da Enterprise Learning Solutions, uma empresa dedicada a desenvolvimento e aprendizagem de executivos em todos os setores.

Dra. Pearson obteve o grau de Bacharel em Ciências (B.S.) em matemática teórica na Auburn University, o grau de Mestre em Ciências (M.S.) em Ciências da Decisão na Georgia State University, e o Doutorado (Ph.D.) em engenharia industrial (com concentração em estatística) na Northwestern University.

Dra. Pearson está profundamente envolvida nos programas de Educação Executiva da Wharton School, da Duke CE, e do Institute for Management Studies, ministrando uma variedade de tópicos, como A Mentalidade Empresarial, Gestão dos Stakeholders, Excelência Operacional, Pensamento Estratégico, Tomada de Decisões Complexas, e Execução Estratégica. Na condição de Diretora Acadêmica de diversos programas, ela é responsável pelo projeto acadêmico curricular, a integração do material, e a qualidade educacional geral de cada programa.  

• Larry Hrebiniak
Dr. Lawrence Hrebiniak é professor no Departamento de Gestão da Wharton School na University of Pennsylvania, como também membro do Strategy Group.  Ministra cursos em estratégia competitiva e implementação da estratégia nos programas de MBA e de educação executiva da Wharton.

Sua atual atividade de pesquisa está voltada basicamente para execução ou implementação estratégica, com interesse adicional em adaptação estratégica, à medida que as organizações vão se submetendo a mudanças para se manterem competitivas ao longo do tempo.


• Paul Schoemaker

Schoemaker atua como Diretor de Pesquisa do Mack Center for Technological Innovation na Wharton School, onde leciona estratégia e tomada de decisão.

Por doze anos, Schoemaker foi professor na University of Chicago, onde realizou trabalhos acadêmicos entre os mais relevantes no Center for Decision Research, sobre economia comportamental, teoria das decisões e estratégia.  É fundador e presidente do conselho da Decision Strategies International, Inc, uma empresa de consultoria e treinamento especializada em gestão estratégica (veja www.decisionstrat.com).  

Resultados

 

O curso ajuda os participantes a:

•    Aprender a implementar com sucesso uma estratégia identificando áreas críticas para melhoria, focando as decisões, as ações e as metodologias relevantes;

•    Criar a sua própria definição de inovação e entender como esta definição afeta o como e onde inova;

•    Compreender e alavancar o pensamento da empresa para desenvolver clareza, alinhamento, cultura e responsabilidade nas suas organizações;

•    Entender como dar à sua equipe o espaço que precisam para serem criativos e a direção que devem seguir para a entrega de inovação rentável;

•    Aprender novas estratégias para a construção, alavancagem e sustentabilidade de marcas fortes no mercado;

•    Compreender a sequência e as formas de expansão internacional, a fim de aplicá-las ao contexto da organização e avaliar os efeitos dos fatores econômicos, políticos e sociais em suas decisões para determinar qual estratégia global irá aumentar o valor de longo prazo da sua empresa;

•    Ampliar seu conhecimento dos principais direcionadores de criação de valor, métricas e indicadores de desempenho e seu impacto na construção e sustentação de valor para o acionista;

•    Alcançar um melhor resultado nas negociações ao identificar estilos diferentes de negociação, compreender o papel das crenças e o uso de alavancagem, aprendendo e praticando uma abordagem sistêmica para a negociação; e,

•    Interagir com um grupo excepcional de colegas da indústria e construir uma rede para relacionamento futuro.

Planeje-se

 

Data: 24 a 28 de junho de 2013

Local:
Campus da Wharton School - University of Pennsylvania - Filadélfia, Estados Unidos

Investimento: US$ 11.500,00

Inclui: aulas, material didático, tradução simultânea, café da manhã, almoço, jantar e coffee
break no restaurante da escola no período do curso e serviços e instalações do campus.
(5% de desconto para ex-alunos). Consulte-nos sobre desconto para mais de dois participantes da mesma empresa.

Hospedagem: Hotel Inn at Penn, da rede Hilton, localizado no campus da Universidade da Pensilvânia. A diária é de US$ 221,85 em apartamento single.

Outras Informações

 

IEL – Instituto Euvaldo Lodi
Tel: (11) 3040-3391
email: eduexecutiva@iel.org.br

Inscrição/seleção: Realizadas por meio do preenchimento de formulário. Os participantes são selecionados a partir das informações das fichas de inscrição. O número de vagas é limitado. O resultado da seleção será comunicado a cada um dos inscritos por e-mail.
Todos os dados serão mantidos em sigilo.

 


@cni_br