http://portaldaindustria.com.br/agenciacni/

Notícias

16 Dez 2015

Brasil precisa fazer reformas urgentes para retomar o caminho do crescimento, diz Robson Braga de Andrade

Para o presidente da CNI, o ano de 2015 foi perdido. Ele destaca que a recuperação da atividade econômica depende da superação da crise política

Robson Braga de Andrade
Robson Braga de Andrade
O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, disse que o país precisa fazer reformas urgentes para recuperar o grau de investimento e retomar o caminho do crescimento. "O Brasil tem condições de fazer as mudanças necessárias para recuperar a confiança dos investidores", destacou Andrade, durante a apresentação da edição especial do Informe Conjuntural, em que a CNI faz o balanço de 2015 e traça as perspectivas para a economia e a indústria em 2016. A previsão é de que a economia brasileira encolha 3,3% neste ano. Para 2016, a estimativa é de uma queda de 2,6% no Produto Interno Bruto (PIB). O documento foi divulgado nesta quarta-feira (16), na sede da CNI em Brasília.
 
"Estamos encerrando um ano muito difícil e não há perspectivas de melhora em 2016. Vivemos uma situação muito complicada", afirmou Andrade. Segundo ele, a solução para a economia depende da superação da crise política, o que não se vislumbra no curto prazo. "Isso desanima os empresários", completou.
 
Na avaliação do presidente da CNI, há no país muita discussão e pouca ação. "O ajuste fiscal está sendo discutido há mais de um ano e nada se fez até agora". Ele lembrou que, entre as medidas anunciadas no início de 2015, só a desoneração da folha de pagamento foi aprovada.
 
Sobre a meta de superávit fiscal entre zero e 0,5% do PIB para 2016, Andrade disse que o Brasil corre o risco de ter um novo déficit nas contas públicas. "Está se discutindo muito pouco. Esse 0,5% vai se evaporar no meio do caminho". Para ele, o ajuste fiscal - condição indispensável para a recuperação da confiança dos agentes econômicos - depende de três fatores. "O governo precisa acreditar, ter vontade política e o apoio do Congresso. Mas hoje não temos isso. Está difícil trabalhar com o Congresso."
 
REFORMAS INDISPENSÁVEIS - Robson Braga de Andrade também falou que um dos ingredientes do ajuste fiscal é a reforma da Previdência. Ele lembrou que a idade média de aposentadoria no Brasil hoje é de 54 anos e que, se isso for mantido, não haverá dinheiro para o pagamento futuro dos aposentados. "Os grupos corporativistas que hoje resistem à reforma da Previdência podem ficar sem o pagamento da aposentadoria no futuro", lembrou.
 
Outra oportunidade importante para a recuperação da economia, disse Andrade, é o estímulo às exportações. Para isso, o Brasil precisa ampliar os acordos comerciais com outros países e blocos econômicos. Além disso, o presidente da CNI ressaltou que o país precisa modernizar a legislação trabalhista, e dar segurança jurídica para os investidores.

CENÁRIOS – A CNI traçou dois cenários de médio prazo para o Brasil. Ambos dependem das escolhas que o país fará para enfrentar a crise. Os dois cenários são:

1. Correção de rota - O país prosseguirá com as mudanças em andamento, aprofundará o ajuste permanente das contas públicas e avançará na agenda de reformas estruturais. "Nesse caso, após um período de ajuste expressivo, a economia gradualmente recompõe a confiança e eleva sua competitividade, sendo possível vislumbrar um novo ciclo de crescimento a partir de 2017."

2. Ajustes pontuais - O país continua com dificuldades em definir e mudar o atual regime fiscal e tributário e de avançar na agenda da competitividade. Com isso,  as incertezas e a falta de confiança permanecem e a economia enfrenta um longo período de estagnação.

Na avaliação da CNI, a economia só voltará a crescer se o país adotar uma  agenda baseada em três eixos:  medidas de estabilidade macroeconômica, ajuste fiscal de longo prazo  e melhoria do ambiente de negócios e da segurança jurídica. "Apenas nesse ambiente a economia voltará a crescer de forma sustentada", destaca o estudo da CNI.

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA




Da Agência CNI de Notícias

Comentários