http://portaldaindustria.com.br/agenciacni/

Notícias

20 Ago 2014

Indústria pede desoneração na cadeia de reciclagem

Durante abertura do CNI Sustentabilidade, presidente da FIESC, Glauco Corte, destaca que reaproveitamento de resíduos e reciclagem têm se tornado uma obsessão das empresas

Glauco Côrte
"É necessário reduzir a incidência de impostos sobre a cadeia da reciclagem" - Glauco Côrte
Inovação, produtividade e sustentabilidade são os eixos centrais para elevar a competitividade das indústrias e para minimizar os impactos ambientais da produção de resíduos. O presidente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), Glauco Côrte, afirmou que o setor vem investindo em processos e soluções e fazendo a sua parte dentro da Política de Recursos Sólidos. Mas poderia fazer mais, caso houvesse desoneração de tributos.

“É necessário reduzir a incidência de impostos sobre a cadeia da reciclagem, pois esse é um dos aspectos que encarece os produtos reciclados sobre os não-reciclados, gerando desequilíbrios concorrenciais”, disse Corte. Ele falou durante a abertura da terceira edição do CNI Sustentabilidade, cujo tema é Resíduos Sólidos: Inovações e Tendências. Côrte representou o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, no evento realizado nesta quarta-feira (20), no Rio de Janeiro.

Para Côrte, o reaproveitamento de resíduos e a reciclagem tem se tornado uma obsessão das empresas. No entanto, para intensificar essa atuação empresarial, ele destacou a importância de se evoluir em diversos outros aspectos, como o aprimoramento e convergêncis de leis estaduais e municipais alinhadas à Política Nacional de Resíduos Sólidos bem como a desoneração tributária de resíduos. A CNI apresentou no evento pesquisa sobre os impactos tributários sobre a cadeia de logística reversa.

PEQUENOS NEGÓCIOS - Esse aspecto se torna ainda mais desfavorável para as empresas de menor porte. De acordo com o presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, Luiz Barreto, é preciso pensar em uma agenda específica para estimular a correta gestão de resíduos para os pequenos negócios. “Afinal, os micros e pequenos empreendimentos representam 92% das empresas do país e grande parte dos empregos gerados”, ressaltou Barreto.

Além disso, ele destacou que é preciso inserir a sustentabilidade no centro da agenda da inovação, em que a indústria tem papel de destaque. Participou ainda da abertura do evento o gerente de Meio Ambiente da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), Luis Augusto Azevedo, representando o presidente da FIRJAN, Eduardo Eugênio Gouveia.

CNI SUSTENTABILIDADE - A terceira edição do projeto CNI Sustentabilidade acontece no Hotel Sofitel, no Rio de Janeiro. Três assuntos relacionados à Política Nacional de Resíduos Sólidos são debatidos por especialistas brasileiros e estrangeiros: a estratégia inovadora de gestão ambiental, a requalificação dos resíduos como nova fonte de recursos para a indústria e a valorização energética e seu papel na gestão de resíduos sólidos.

Por Maria José Rodrigues, do Rio de Janeiro
Foto: José Paulo Lacerda
Para o Portal da Indústria


Comentários