http://portaldaindustria.com.br/agenciacni/

Notícias

25 Jun 2014

Atividade desaquecida diminui otimismo na indústria da construção

Pesquisa da CNI mostra que não há expectativa de aumento do emprego no setor. Os indicadores de atividade e de número de empregados registraram queda em maio

A indústria da construção continua desaquecida. O indicador de nível de atividade ficou em 45,8 pontos em maio, abaixo da linha de 50 pontos, o que confirma a retração da atividade no setor. O nível de atividade em relação ao usual ficou em 43,1 pontos e o de número de empregados situou-se em 45,7 pontos, informa a Sondagem Indústria da Construção, divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta quarta-feira, 25 de junho. Os indicadores variam de zero a cem. Abaixo de 50 revelam queda. A utilização da capacidade de operação das empresas do setor subiu, de 69% em abril para 70% em maio.

O levantamento mostra ainda que os empresários estão menos otimistas. As expectativas em junho para os próximos seis meses sobre o número de empregados ficou em 50,1 pontos, sobre a linha divisória dos 50 pontos, o que indica tendência de manutenção do quadro de empregados. Essa é a primeira vez que não há previsão de aumento do emprego no setor desde que a pergunta começou a ser feita, em janeiro de 2011.

"Os outros indicadores de expectativa (nível de atividade, novos empreendimentos e serviços e compras de insumos e matérias-primas) também se reduziram para níveis próximos à linha divisória de 50 pontos, o que significa baixo otimismo", diz o estudo. O economista da CNI Danilo Garcia avalia os impactos da queda do otimismo dos empresários. Ouça:

O indicador de expectativa de nível de atividade ficou em 51,5 pontos, o de novos empreendimentos e serviços foi de 51 pontos, e o de compras de insumos e matérias-primas, 50,9 pontos.

A pesquisa foi feita entre 2 e 11 de junho,  com 559 empresas, das quais 179 de pequeno porte, 243 médias e 137  grandes.



Por Verene Wolke
Do Portal da Indústria

Comentários