http://portaldaindustria.com.br/agenciacni/

Notícias

21 Mai 2013

CNI apresenta metas para desenvolver a indústria até 2022

Mais de 500 representantes empresariais ajudaram a construir o Mapa Estratégico da Indústria, que define os dez fatores-chave capazes de aumentar a produtividade da indústria nos próximos anos

Robson Braga de Andrade
Em 2022, ano em que o país completa 200 anos de independência, 2,2% de toda a produção mundial de industrializados será de produtos fabricados no Brasil. Atualmente, a participação dos manufaturados brasileiros no mercado mundial é de 1,7%. Essa é uma das metas da Confederação Nacional da Indústria (CNI) para os próximos dez anos definidas no Mapa Estratégico da Indústria 2013-2022. Outra previsão feita pelo setor é de que, até 2022, a produtividade média da indústria, que vem crescendo a uma taxa anual de 2,3% nos últimos 20 anos, passe a dar saltos de 4,5% ao ano.

A escalada da indústria a esses patamares, no entanto, requer um ambiente mais adequado à competitividade da indústria e do país. É esse cenário que está definido no Mapa Estratégico da Indústria 2013-2022. O documento, desenhado em conjunto com cerca de 500 representantes empresariais durante nove meses, foi apresentado nesta terça-feira (21), na sede da CNI em Brasília (DF).

O Mapa é uma visão da indústria para o país, explica o presidente da CNI Robson Braga de Andrade (foto acima). "O lançamento do Mapa Estratégico da Indústria 2013-2022 tem dois significados. O primeiro, e mais importante, é a reiteração do papel da indústria no processo de desenvolvimento do país. A indústria pode ser maior e melhor. O segundo significado é a crença em uma visão de longo prazo. Estamos formulando uma estratégia sobre o que queremos ser e o que precisamos fazer", afirmou Robson.

O Mapa Estratégico da Indústria 2013-2022 apresenta os dez fatores-chave que podem aumentar a produtividade e a competitividade, além de indicar os caminhos para o Brasil aproveitar as oportunidades e vencer os obstáculos que vão surgir na próxima década. "O grande desafio é elevar os níveis de produtividade e eficiência, atuando nos fatores-chave de competitividade. O Mapa é uma cruzada pela produtividade", destacou o diretor Políticas e Estratégia da CNI, José Augusto Fernandes.

No cenário vislumbrado pelo setor industrial para 2022, a taxa de investimento (formação bruta de capital fixo sobre o PIB) do país vai passar de 18,1%, em 2012, para 24%, em 2022. Já os investimentos em infraestrutura vão saltar de 2,05% do PIB para 5% no mesmo período. A cumulatividade da cobrança de impostos será extinta. Nas relações de trabalho, a meta é que o país passe do 72º lugar para 40º no ranking de relações empregado-empregador do Fórum Econômico Mundial, que compara 144 países. Além desses objetivos, o país contará com melhor educação, um Estado mais eficiente e menos burocrático, entre outras melhorias.

Para desenhar o Mapa, o setor industrial considerou as mudanças existentes no país e no mundo nos últimos anos, como os desafios que a inovação e a difusão de novas tecnologias trazem para o setor produtivo, o fortalecimento do mercado interno brasileiro, o crescimento dos países emergentes, entre outros.

DEZ FATORES-CHAVE

O Mapa Estratégico da Indústria está estruturado em dez fatores-chaves capazes de garantir a produtividade e a competitividade da indústria brasileira na próxima década. Esses requisitos foram selecionados por terem impacto relevante e direto na competitividade da indústria e por terem abrangência e durabilidade em termos de ganho de produtividade.

01. EDUCAÇÃO - A educação é a base do Mapa. A indústria precisa de equipes educadas e bem formadas que saibam utilizar melhor os equipamentos, criar soluções para os problemas do dia a dia, adaptar processos e produtos e desenvolver e implementar inovações. A meta do setor é de que, até 2022, o Brasil passe da 54ª posição do ranking do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA/OCDE) para a 43ª. O ranking considera 65 países. Para isso, a nota média deverá passar de 401, em 2009, para 480, em 2021.

02. AMBIENTE MACROECONÔMICO - O país precisa de fundamentos macroeconômicos sólidos que reduzam as incertezas sobre o futuro e gerem confiança para o investidor. A taxa de investimento brasileira hoje é mais baixa que a de outros países emergentes, inclusive da América Latina. A indústria estabeleceu a meta de elevar a taxa de investimento (formação bruta de capital fixo sobre o PIB) de 18,1%, em 2012, para 24%, em 2022. A taxa de investimento média mundial em 2012 é de 23,6%.

03. EFICIÊNCIA DO ESTADO - Uma melhor gestão dos gastos públicos ajuda o país a melhorar a eficiência do investimento público. Para isso, é necessário melhorar a capacidade do Estado de planejar e executar suas políticas e investimentos. Pela previsão da indústria, o Brasil deve aumentar a participação do investimento na despesa primária total do governo federal de 5,8% em 2012 para 8% em 2022. Nos últimos cincos anos, a média da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) foi de 8%.

04. SEGURANÇA JURÍDICA E BUROCRACIA - Ter marcos regulatórios definidos e uma legislação com direitos e deveres claros e estáveis aumenta a confiança dos investidores e a competitividade das empresas. A posição do Brasil no ranking Doing Business deve passar da 130ª em 2012 para 80ª em 2022, entre 185 países. Em 2012, países com renda per capita próxima à brasileira apresentaram posições muito superiores, como a Colômbia (45ª), Peru (43ª) e África do Sul (39ª).

05. DESENVOLVIMENTO DE MERCADOS - O Brasil precisa estar integrado à economia internacional, participando de importantes redes globais de valor, o que contribui para gerar mais inovação, para permitir a troca de conhecimento e para agregar valor à indústria nacional. A meta da indústria é que a participação da indústria brasileira na produção mundial de manufaturados passe de 1,7%, em 2012, para 2,2%, em 2022.

06. RELAÇÕES DE TRABALHO - Um mercado de trabalho com um sistema legal e institucional juridicamente seguro e com relações mais adequadas às necessidades da economia aumentam a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país. O objetivo da indústria é que de 2012 a 2022 o Brasil passe do 72º lugar para o 40º no ranking de relações empregado-empregador do Fórum Econômico Mundial, que considera 144 países. A nota média brasileira deve passar de 4,26 para 4,70 no período. A nota dos Estados Unidos hoje é 4,66. A mais alta é a da Suiça, 6,07.

07. FINANCIAMENTO - O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema financeiro de intermediá-los a baixo custo e de forma ampla. A meta é ampliar a capacidade de investimento das empresas. O Brasil deve aumentar a participação de recursos de terceiros no financiamento do investimento das empresas industriais de 34%, em 2012, para 50%, em 2022.

08. INFRAESTRUTURA -
Para ter uma indústria cada vez mais competitiva, o país precisa ter uma rede eficaz de transportes que interligue os diferentes modais, além de oferecer disponibilidade de energia, uma estrutura adequada de transmissão de dados em alta velocidade (banda larga) e serviços de saneamento universalizados. Para alcançar esses objetivos, os investimentos em infraestrutura devem passar de 2,05% do Produto Interno Bruto (PIB), em 2012, para 5%, em 2022.

09. TRIBUTAÇÃO - Uma estrutura tributária simples e transparente aumenta a competitividade da indústria e estimula investimentos. A meta da indústria é zerar a cumulatividade dos tributos no Brasil. O percentual de tributos com caráter cumulativo passaria de 7,7% do total de tributos em 2011 para 0% em 2022. Além do fim da cumulatividade, a CNI defende a redução da carga, a desoneração de investimentos e das exportações e simplificação da estrutura tributária.

10. INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE - Para obter ganhos na produtividade, a empresa precisa investir em inovação. A meta é que a produtividade da indústria brasileira cresça a uma taxa média anual de 4,5% até 2022, contra um crescimento de 2,3% ao ano registrado nos últimos 20 anos. Estados Unidos, França e Japão apresentaram taxa média superior a 3% ao ano no mesmo período. A Coreia do Sul registrou taxa de 8% ao ano.

DOCUMENTO COMPLETO: confira a página especial com todas as informações relacionadas ao Mapa Estratégico da Indústria 2013-2022.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
21.05.2013 - CNI apresenta metas para desenvolver a indústria até 2022
21.05.2013 - Mapa Estratégico pode subsidiar propostas dos candidatos às eleições de 2014
21.05.2013 - Empresários sugerem mudanças para aumentar competitividade da indústria
21.05.2013 - Reforma Tributária deve passar pelo Congresso de forma fatiada, afirmam especialistas


Por Mariana Flores
Do Portal da Indústria

Comentários