Selo-Internas.png

METODOLOGIA DE CÁLCULO

O Previdenciômetro mostra a economia de recursos que poderia ter sido feita, até o momento da consulta, caso a Reforma da Previdência tivesse sido aprovada em 01/06/2017.

O cálculo busca explicitar o valor dos recursos que deixaram de ser economizados com a não aprovação da Reforma da Previdência e sua equivalência em quantidade de serviços públicos que poderiam ter sido ofertados com esses recursos.

Como é feito o cálculo do valor economizado com a Reforma:

  • Supõe-se que a Reforma da Previdência, nos moldes do substitutivo aprovado na Comissão Especial, no dia 09/05/2017, tivesse sido aprovada pelo Congresso Nacional, em 01/06/2017.
  • Compara-se as projeções de despesas em dois cenários fixos: um com aprovação da Reforma da Previdência, em 01/06/2017, e outro sem a aprovação da Reforma da Previdência.
  • Em ambos os cenários são utilizadas as projeções de despesas elaboradas pela Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda.
  • São consideradas as despesas previdenciárias do Regime Geral de Previdência Social (RGPS), que atende os contribuintes do setor privado, e do Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) dos servidores públicos federais, além das despesas assistenciais com Benefício de Prestação Continuada (BPC).
  • A economia de recursos estimada para cada ano diretamente obtida pela Reforma da Previdência é a diferença entre as despesas projetadas com a aprovação da Reforma da Previdência e aquelas projetadas sem a aprovação da Reforma da Previdência.
  • Não há projeções da Secretaria da Previdência para as despesas em 2017 no caso de aprovação da Reforma da Previdência. Para projetar quais seriam essas despesas, a proporção da economia projetada pelo órgão para 2018 (despesas do cenário com Reforma da Previdência comparadas às despesas sem Reforma da Previdência) foi multiplicada pela despesa prevista para o ano de 2017 no cenário sem Reforma da Previdência.
  • Além da economia de recursos diretamente obtida pela Reforma da Previdência, também se acrescenta o montante de juros que o governo deixaria de pagar sobre o valor economizado. Ou seja, como o déficit público se reduziria, haveria menor necessidade de tomar recursos para financiar aquela parcela que seria economizada. A taxa de juros considerada nos cálculos foi a taxa SELIC média projetada no Relatório FOCUS (do Banco Central do Brasil) de 09/03/2018. A inflação considerada foi o IPCA, também do Relatório Focus de 09/03/2018.
  • A economia total de recursos prevista para cada ano (economias obtidas diretamente com a Reforma da Previdência e indiretamente com o menor pagamento de juros) é dividida pelo número de dias do ano para se obter a economia diária aproximada. A economia diária, por sua vez, é dividida pelo número de segundos de cada dia. Os valores de economia de recursos por segundo são acumulados para mostrar o montante que teria sido economizado com a Reforma da Previdência até o momento da consulta. Esse resultado é mostrado pelo Previdenciômetro.
  • Como o cálculo é feito a partir das projeções de economia anual, elaboradas pela Secretaria de Previdência, na virada de cada ano aumentam os valores da economia diária e, consequentemente, da economia por segundo.
  • Vale ressaltar que a economia, proporcionada pela reforma, se acelera com o passar do tempo. Ou seja, a cada ano que passa, a economia fica maior.
  • Sempre que houver alteração nos parâmetros que embasam as projeções de economia de recursos com a Reforma da Previdência e com o menor pagamento de juros, os cálculos serão atualizados.
  • Os números estão em valores nominais, ou seja, sem qualquer desconto de inflação.

Conversão do valor economizado com a Reforma da Previdência em oferta de serviços públicos:

A quantidade que poderia ser oferecida de cada serviço público será determinada pela divisão do valor total da economia com a Reforma da Previdência, acumulado até o momento, pelo custo unitário do indicador escolhido para representar cada serviço público.

Os serviços públicos escolhidos como exemplos e seus respectivos indicadores e custos unitários são os seguintes:

  • 1. Educação

    • Nome do indicador: Escolas
    • Parâmetro/conceito: número de escolas construídas
    • Custo unitário: R$ 4.160.000,00/escola
    • Fonte: Portal de Compras do Governo Federal
  • 2. Saúde

    • Nome do indicador: Hospitais
    • Parâmetro/conceito: número de hospitais construídos
    • Custo unitário: R$ 25.000.000,00/hospital (com capacidade para 350 leitos)
    • Fonte: Secretaria de Estado de Saúde do Mato Grosso
  • 3. Transporte

    • Nome do indicador: Km de estradas
    • Parâmetro/conceito: número de quilômetros de estradas construídos
    • Custo unitário: R$ 1.500.000,00/km
    • Fonte: DNIT
  • 4. Habitação

    • Nome do indicador: Moradias
    • Parâmetro/conceito: número de moradias populares (casa pré-fabricada)
    • Custo unitário: R$ 63.000,00/moradia
    • Fonte: Portal de Compras do Governo Federal

Rombo na Previdência foi de R$ 268,79 bilhões em 2017

 

O déficit da Previdência Social atingiu de R$ 268,79 bilhões no ano passado, somados os regimes geral (RGPS), dos trabalhadores da iniciativa privada, e o regime próprio (RPPS), dos servidores públicos federais e militares. O rombo do regime geral foi de R$ 182,4 bilhões, valor 21,8% maior do que o registrado em 2016. O maior défict desde 1995.

A reforma vai beneficiar toda a sociedade

Para a CNI, as mudanças são fundamentais para garantir o pagamento das aposentadorias e pensões aos brasileiros, manter o equilíbrio das contas públicas e criar condições para o crescimento sustentável. Os gastos com a Previdência representam uma ameaça para a estabilidade da economia brasileira.

Artigos

Robson-Braga-de-Andrade-80x80.jpg A cabeça, não o fígado

Robson Braga de Andrade
Presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI)


 

Rodrigo Maia - Foto José Paulo Lacerda E o Brasil?

Denis Lerrer  Rosenfield
Professor de Filosofia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

 

ERNESTO80.jpg Previdência, uma reforma imprescindível

Ernesto Lozardo 
Presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA)

Leia mais artigos

ícone-15(100x100).png ícone-16(100x100).png

Mitos e verdades

Todos os países que reformaram os sistemas de Previdência Social enfrentaram resistências e protestos. Em meio às divergências, surgem informações imprecisas que, em vez de esclarecer a população, prejudicam o debate.