PROPRIEDADE INTELECTUAL

NOTÍCIAS

19 de Setembro de 2013 às 20:35

Melão do RN ganha selo que atesta exclusividade do produto potiguar

O melão amarelo produzido em Mossoró, na região Oeste do Rio Grande do Norte, foi contemplado com um selo que garante identidade e exclusividade à fruta potiguar. A conclusão do processo durou quatro anos de pesquisas e estudos. A certificação em questão é de Indicação Geográfica de Procedência, concedido pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).



De acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-RN), que realizou os estudos junto ao Comitê Executivo de Fruticultura do Rio Grande do Norte (Coex), a Indicação Geográfica é um certificado que atesta a procedência regional e a qualidade de um produto, garantindo proteção e diferenciação no mercado. O certificado garante maior credibilidade do produto junto ao mercado e potencializa o valor comercial.



Ao delimitar a área de produção e restringir o uso do produto aos produtores da região (normalmente reunidos em entidades representativas), a IG ajuda a manter os padrões de qualidade do produto e impede que outras pessoas utilizem o nome da região em produtos ou serviços indevidamente. O melão de Mossoró foi contemplado com o registro de Indicação de Procedência, que é um tipo de IG que se refere ao nome do local que se tornou conhecido por produzir, extrair ou fabricar determinado produto ou prestar determinado serviço.



“Essa é uma notícia muito importante para a fruticultura potiguar, pois o selo de Indicação Geográfica funciona como ferramenta de desenvolvimento territorial. Com o selo, o melão da região de Mossoró divulgará a região e as características locais. Isso é muito positivo para a economia local”, destaca a gerente da Unidade de Desenvolvimento da Indústria, Lorena Roosevelt.
Na prática, a certificação evita que produtos semelhantes, mas sem os mesmos padrões do produto potiguar, sejam comercializados como se fossem produzidos em Mossoró. O selo poderá ser utilizado por produtores associados ao Coex que cumprem com o regulamento da Indicação Geográfica instalados nos municípios de Baraúna, Mossoró, Tibau, Grossos, Areia Branca e Serra do Mel.

Além de Assu, Ipanguaçu, Upanema, Afonso Bezerra, Alto do Rodrigues, Carnaubais e Porto do Mangue. No Brasil, são 14 os produtos com Indicação Geográfica. Entre eles estão os doces de Pelotas, os vinhos do Vale do Vinhedo, a carne do Pampa Gaúcho e o café do Cerrado.

Carro chefe da pauta de exportações do Rio Grande do Norte, com mais de 250 mil toneladas produzidas ao ano, mais de 60% do melão amarelo mossoroense é exportado para o mercado europeu. O Sebrae destaca que a notícia da conquista do selo de Indicação Geográfica gera expectativas promissoras em relação à abertura de novos mercados, como o da América do Norte, mais precisamente os Estados Unidos, e o asiático.



“Apesar de termos um produto reconhecido, e direcionarmos ações no sentido de conquistar mais espaço no mercado norte americano, ainda enfrentamos dificuldades para ingressar no mercado americano, e a Indicação Geográfica deverá ajudar na abertura do mercado”, prevê o diretor superintendente do Sebrae-RN, José Ferreira de Melo Neto.

Assim como no mercado internacional, benefícios também poderão ser obtidos no mercado interno.

Segundo o superintendente, com estratégias de marketing bem definidas, uma maior fatia da produção poderá atender ao mercado brasileiro. “O selo poderá ser bem interessante para aproveitamento nacional. Os produtores devem trabalhar uma boa estratégia de divulgação e aproveitar os benefícios que a Indicação geográfica garante”, complementa José Ferreira.

* Matéria publicada em 17/09/2013