Boa Prática

10/11/2015

Início > PANIFICADORA EM UNIDADE PRISIONAL

PANIFICADORA EM UNIDADE PRISIONAL

Sindicato: Sindicato da Indústria da Panificação do Estado do Ceará (Sindpan/CE)

Presidente do sindicato: Lauro Martins de Oliveira Filho

Mandato: 9/2013 a 9/2016

Federação: FIEC

Início de execução da prática: 11/2014
Fim de execução da prática: Até hoje

Raio-X da prática

Em iniciativa inédita no Sistema CNI, o Sindipan/CE realiza ação de promoção social em unidade prisional do município de Pacatuba, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).
Mensalmente, 150 mil pães congelados são produzidos sob a coordenação de um gerente administrativo e cinco detentos, denominados recuperandos, que recebem remissão de pena de uma dia a cada três trabalhados.
O projeto tem apoio do Sesi/CE, Sebrae/CE, Moinho Dias Branco e gerenciamento do Instituto Pão, Educação e Arte (IPEA), instituição criada pelo Sindipan/CE, em parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Ceará.


Como surgiu a ideia

Desde a criação do IPEA, no ano 2002, uma série de ações de responsabilidade social empresarial têm sido promovidas pela instituição, até que, em 2014, em negociações com o Governo do Estado do Ceará, a proposta dirigido ao sistema prisional cearense começou a ser implementada.
A necessidade de composição de uma central de produção, por associados do Sindipan/CE, acabou por culminar com uma proposta que, ao mesmo tempo, suprisse motivações mercadológicas e de cooperação das indústrias associadas e o alcance social da iniciativa.


Como fazer acontecer

A central de produção, na unidade prisional, teve sua montagem iniciada em novembro de 2014 e sua operação regular ganhou forma, a partir de julho de 2015.
Sob a coordenação de um gerente de produção, designado pelo Sindipan/CE, cinco recuperandos participam das atividades produtivas. Além da remuneração de ¾ do salário mínimo, os recuperando têm direito à remissão de pena de um dia, para cada três trabalhados.
O volume mensal de produção alcança 150.000,00 unidades de pão francês congelado, que são vendidas, a preços de mercado, para oito padarias participantes do projeto.
As instalações da panificadora têm área superior 200 m2, equipamentos de panificação e ultra-congelador de pães. O investimento na área de produção da ordem de R$150 mil foi feito pelo grupo de oito panificadoras associadas que lideram a iniciativa. O Projeto conta ainda com Sebrae/CE e Moinho Dias Branco como parceiros.


Principais resultados

A operação da panificadora na unidade prisional de Pacatuba tem produzido forte repercussão institucional para o conjunto de organizações envolvidas em sua concepção e operacionalização.
Muito além da fronteira comercial e mercadológica, a iniciativa representa estímulo para que as indústrias associados se embrenhem por outros projetos de responsabilidade social que endossam a força do associativismo e da cooperação para a competitividade empresarial.


Termômetro da boa prática

Complexidade: alta
Investimento: baixo
Retorno institucional: alto
Contribuição para a competitividade: média


Resultado

Muito além da fronteira comercial e mercadológica, a iniciativa representa estímulo para que as indústrias associados se embrenhem por outros projetos de responsabilidade social que endossam a força do associativismo e da cooperação para a competitividade empresarial.


Saiba mais

Se você tem interesse em obter mais informações sobre a boa prática, entre em contato com o sindicato ou com a FIEC.

Sindicato da Indústria da Panificação do Estado do Ceará (Sindpan/CE)/CE: sindpan@sfiec.org.br

FIEC: lucia@sfiec.org.br