Boa Prática

10/11/2015

Início > ESTUDO SOCIOECONÔMICO DO SETOR DA CERÂMICA VERMELHA

ESTUDO SOCIOECONÔMICO DO SETOR DA CERÂMICA VERMELHA

Sindicato: Sindicato das Indústrias das Indústrias de Cal e Gesso, Olaria, Ladrilhos Hidráulicos e Produtos de Cimento e Cerâmica para Construção no Estado do Ceará (Sindcerâmica/CE)

Presidente do sindicato: Marcelo Guimarães Tavares

Mandato: 1/2015 a 1/2019

Federação: FIEC

Início de execução da prática: 8/2008
Fim de execução da prática: Até hoje

Raio-X da prática

Realizado em parceria com o Instituto Euvaldo Lodi – Núcleo do Ceará e o Sindcerâmica/CE, com o apoio do Banco do Nordeste do Brasil – BNB, o Diagnóstico Socioeconômico da Indústria de Cerâmica Vermelha do Estado do Ceará teve alcance a 412 indústrias ceramistas e produziu, entre outras consequências, o reconhecimento desse segmento econômico como Arranjo Produtivo Local (APL) pelo Ministério da Indústria e Comércio Exterior (MDIC).
O diagnóstico setorial se estendeu a aspectos estratégicos como: perfil das empresas, processos produtivos e tecnologia, mercado, gestão, descrição da cadeia produtiva e de seus agentes institucionais. Em suas conclusões finais, o estudo alerta para a importância de atuação articulada entre as indústrias ceramistas para promoção da competitividade sistêmica do setor no Estado do Ceará.


Como surgiu a ideia

O projeto foi proposto de forma conjunta pelo Sindcerâmica/CE e IEL/CE, que se articularam para captação de recursos financeiros do Banco do Nordeste (BNB).
O trabalho inicial teve como referência o cadastro das indústrias de cerâmica vermelha do Ceará, disponibilizado pela Secretaria da Fazenda – Sefaz/CE, a partir do qual, realizou-se o mapeamento preliminar das indústrias por região.


Como fazer acontecer

A identificação da localização específica das empresas se deu por meio do uso de ferramenta de georreferenciamento e as informações coletadas foram processadas pela equipe do projeto composta por dois estatísticos, quatro pesquisadores e uma geóloga.
Ao cabo de 12 meses de investigação, foram identificadas 412 empresas cerâmicas em um universo territorial representado por 93 municípios do Estado do Ceará. 90,5% delas encontram-se instaladas na zona rural dos municípios, com prevalência na localidade de Russas.
O investimento na realização do mapeamento foi da ordem de R$ 35.000,00 e se configurou em um agente adicional de esforço por parte Sindicerâmica/CE, no alcance a todas as localidades do projeto.
Instituições públicas como a Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Ceará (Semace), o Departamento Nacional de Pesquisa Mineral, (DNPM), o Banco do Nordeste, a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil receberam o diagnóstico e se mobilizaram para a criação de produtos, serviços e projetos direcionados para o setor.


Principais resultados

O mapeamento setorial, que culminou com o reconhecimento do APL, produziu como consequências uma série de projetos referenciais, entre os quais citam-se:
• I Mostra de Inovações Tecnológicas do Processo Produtivo da Cerâmica Vermelha do Estado do Ceará;
• Inovação nos Processos das Indústrias do APL de Cerâmica Vermelha no Baixo Jaguaribe;
• Projeto de Base Mineral da Cerâmica Vermelha do Baixo Jaguaribe FINEP/IEL/CE;
• Análise e Prospecção de Cenários Mercadológicos do Setor Produtivo de Cerâmica Vermelha Estado do Ceará;
• Substituição da Matriz Energética e Aumento da Eficiência Energética por Parcerias com o Setor Empresarial;
• Coordenação da Revista Práticas Tecnológicas da Cerâmica Vermelha;
• Mapeamento Geológico da Cidade de Russas-CE;
• Projeto Implementação da Eficiência Energética para as Indústrias Cerâmicas do Baixo Jaguaribe-CE; e
• PROCOMPI APL de Cerâmica Vermelha de Russas-CE.


Termômetro da boa prática

Complexidade: média
Investimento: médio
Retorno institucional: alto
Contribuição para a competitividade: média


Resultado

O Diagnóstico Socioeconômico da Indústria de Cerâmica Vermelha do Estado do Ceará teve alcance a 412 indústrias ceramistas e produziu, entre outras consequências, o reconhecimento desse segmento econômico como Arranjo Produtivo Local (APL) pelo Ministério da Indústria e Comércio Exterior (MDIC).


Saiba mais

Se você tem interesse em obter mais informações sobre a boa prática, entre em contato com o sindicato ou com a FIEC.

Sindicato das Indústrias das Indústrias de Cal e Gesso, Olaria, Ladrilhos Hidráulicos e Produtos de Cimento e Cerâmica para Construção no Estado do Ceará (Sindcerâmica/CE)/CE: sindceramica-ce@sfiec.org.br

FIEC: lucia@sfiec.org.br