Boa Prática

20/11/2017

Início > PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Sindicato: Sindicato das Indústrias de Cerâmica do Estado de Mato Grosso (SINDICER/MT)

Presidente do sindicato: Marcelo Brandão

Mandato: 10/2017 a 10/2020

Federação: FIEMT

Início de execução da prática: 8/2014
Fim de execução da prática: 1/12/2014

Raio-X da prática

O Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS) busca minimizar a geração de resíduos na fonte, adequar a segregação na origem, controlar e reduzir riscos ao meio ambiente, preservar a saúde e a integridade dos funcionários, conscientizar toda a fábrica sobre a importância de sua participação na gestão de resíduos e assegurar o correto manuseio e disposição final, em conformidade com a legislação vigente.


Como surgiu a ideia

O projeto foi elaborado pelo SENAI/MT em parceria com o SEBRAE/MT para atender demanda do SINDICER para criação do PGRS para as indústrias cerâmicas filiadas ao sindicato. O trabalho foi realizado para cumprimento da lei e atendimento à notificação do Ministério Público, que poderia penalizar as indústrias que não tinham ou ainda não haviam colocado em prático o PGRS.


Como fazer acontecer

O PGRS constitui documento do Sistema de Gestão Ambiental (SGA), baseado nos princípios da não geração e da minimização da geração de resíduos. Aponta e descreve as ações relativas ao manejo, contemplando os aspectos referentes à minimização na geração, segregação, acondicionamento, identificação, coleta e transporte interno e externo, armazenamento interno temporário, tratamento externo e disposição final.

Um dos objetivos da implantação do PGRS é promover a redução, a reutilização e a reciclagem dos resíduos gerados no processo produtivo, realizando a coleta seletiva e buscando alternativas, quando possível, de logística reversa, contemplando a destinação adequada dos resíduos gerados.

No segmento cerâmico o trabalho foi realizado para cumprimento da lei e atendimento à notificação do Ministério Público.

Diferencial da boa prática foi o subsídio de 80% do projeto pelo SEBRAE/MT. As indústrias associadas cobriram 20% restantes.

Planos de gerenciamento de 14 empresas foram elaborados, com a finalidade de orientar as empresas quanto à maneira correta de destinar seus resíduos. Exemplo dessa destinação é a geração de cinzas, antes depositada no pátio das empresas, e hoje destinada a pomares e hortas comunitárias.


Principais resultados

Os principais resultados foram a mobilização sindical para atendimento à legislação e o fortalecimento do associativismo. Além disso, a sociedade ganha com a preocupação ambiental do setor.


Termômetro da boa prática

Complexidade: Alta

Investimento: Alto

Retorno institucional: Alto

Contribuição para a competitividade: Alto


Saiba mais

Se você tem interesse em obter mais informações sobre a boa prática, entre em contato com o sindicato ou com a FIEMT.

Sindicato das Indústrias de Cerâmica do Estado de Mato Grosso (SINDICER/MT)/MT: pda.ueda@fiemt.com.br

FIEMT: pda.ueda@fiemt.com.br