Boa Prática

12/11/2018

Início > Cadeia Láctea - Oportunidades/Ameaças

Cadeia Láctea - Oportunidades/Ameaças

Sindicato: Sindlat

Presidente do sindicato: Antonio Carlos Celles Cordeiro

Mandato: 1/2015 a 12/2018

Federação: FIRJAN

Início de execução da prática: 1/2018

Raio-X da prática

Foi executado um planejamento estratégico de longo prazo, que contemplou ações setoriais bem coordenadas entre os diferentes agentes da cadeia produtiva. Um plano concebido com base em estatísticas alinhadas com os geradores das informações (IBGE, EMATER RJ, PESAGRO, etc.). Uma necessidade urgente do setor, visando alavancar seus volumes de produção, reduzindo a dependência externa por matéria prima e, mitigar o gap de ociosidade da capacidade instalada do parque indústrial lácteo do estado do Rio.

 


Como surgiu a ideia

Com a identificação, notada pelas empresas associadas ao Sindlat, da insuficiência de matéria-prima (leite) para as operações das empresas locais e a existência de um mercado consumidor importante, onde a indústria só consegue atender cerca de 20% da demanda desse mercado. Para viabilização da execução dos trabalhos, foi fundamental a parceria com a Firjan SENAI, do ponto de vista da aglutinação dos diversos atores (instituições) envolvidos, bem como o financiamento de parte dos custos do projeto. A maior dificuldade encontrada foi a harmonização das variadas demandas do setor, pela heterogeneidade da bacia leiteira do estado (grandes diferenças regionais, tipo clima, topografia, solo etc.);


Como fazer acontecer

Foi realizada a análise SWOT para a cadeia láctea do estado do Rio de Janeiro: seus aspectos internos - positivos e negativos; seus aspectos externos - oportunidades e ameaças. Com esse estudo, percebemos que há um potencial importante de crescimento do setor, com possibilidades de duplicação de tamanho, ampliando fonte emprego e renda para todo interior do estado. Para execução do projeto, dos estudos preliminares à apresentação final na Alerj e consequente exclusão do setor do alcance do Fundo Estadual de Equilíbrio Fiscal (FEEF RJ), o custo total foi de R$ 172.491,00, dos quais 68% foi a participação financeira da Firjan SENAI e, 32% a contrapartida do sindicato.


Principais resultados

A sensibilização das lideranças setoriais e das empresas sobre os malefícios da concorrência predatória na compra de leite do produtor; a necessidade imperiosa de desenvolvimento tecnológico da produção primária, do propriedade rural, especializada em produção de leite; a conscientização do poder público – executivo e legislativo – sobre os danos que seriam provocados à produção com a tributação imposta pelo Decreto Estadual que instituiu o FEEF, o que provocaria um custo adicional à produção de 2,3% sobre o leite produzido e indústrializado no estado, afastando ainda mais a capacidade concorrencial da indústria local; a exclusão dos setor leiteiro do estado do alcance do FEEF permitiu uma desoneração do setor em aproximadamente R$ 28 milhões/ano. Todos os benefícios citados acima trouxeram um fortalecimento do setor e uma percepção de imagem positiva do sindicato na defesa de interesses setorial.


Saiba mais

Se você tem interesse em obter mais informações sobre a boa prática, entre em contato com o sindicato.

Sindlat/RJ: MPCOIMBRA@firjan.com.br