Boa Prática

24/10/2018

Início > Depósito de Resíduos Industriais

Depósito de Resíduos Industriais

Sindicato: SINDIMEI - SINDICATO INTERMUNICIPAL DAS INDÚSTRIAS METALÚRGICAS, MECÂNICAS E DO MATERIAL ELÉTRICO DE ITAÚNA

Presidente do sindicato: Cristiano de Faria Soares

Mandato: 1/2018 a 11/2021

Federação: FIEMG

Início de execução da prática: 1/2012

Raio-X da prática

O Depósito de Resíduos Industriais é considerado um dos principais projetos administrados pelo sindicato que, defendendo os interesses de seus associados, percebeu a necessidade de resolver o problema da destinação da Areia Descartada de Fundição – ADF, no município de Itaúna e região. Assim, criou e administra, desde então, o depósito de resíduos que recebe e armazena adequadamente o "lixo" das fundições - considerado o principal resíduo industrial do mundo. Devido ao baixo custo para descarte, em relação aos concorrentes diretos, a solução do depósito contribui diretamente para o aumento da competitividade e produtividade das indústrias, além de gerar significativa fonte de receita para o sindicato.


Como surgiu a ideia

Anteriormente, toda a areia descartada das fundições - ADF era depositada na localidade denominada “Buracão”, sem que houvesse uma preocupação com os possíveis danos ambientais oriundos dos descartes desordenados.

Assim, o sindicato, apoiado pela prefeitura municipal, Federação das Indústrias, Secretaria Municipal e Fundação Estadual do Meio Ambiente - FEAM, assumiu a administração do local. A partir daí, iniciaram-se os processos de controle e a segregação dos resíduos.

No mesmo ano, a diretoria do sindicato começou a trabalhar com empenho em um projeto denominado “Destinação de Resíduos Sólidos - Areia de Fundição”, com o objetivo de transformar o lugar em área verde para a comunidade.

Em abril de 2003, foi realizada a primeira reunião, que contou com a presença de representantes do sindicato e da FEAM para tratar sobre a destinação das ADFs no município. Nesse mesmo ano, surgiu a necessidade de se firmar um TAC - Termo de Ajustamento de Conduta com o Ministério Público e as indústrias locais, objetivando a recuperação e urbanização da área, até então denominada “Buracão" (atualmente um parque socioambiental construído pelo sindicato).

No ano de 2005, foi realizada a aquisição de um terreno para a instalação do Depósito de Resíduos e, paralelamente, iniciados os projetos de construção e licenciamento ambiental do local. As obras da 1a plataforma para descarte de ADFs foram iniciadas em 2006. O primeiro descarte ocorreu em 19 de abril do mesmo ano.

O sindicato ainda construiu, nas dependências do depósito de resíduos, um Centro de Educação Ambiental que tem o objetivo, por meio do Programa de Interação com a Comunidade, de abrir as portas do empreendimento para visitação de estudantes, autoridades, empresas, entidades de classe, pesquisadores, entre outras instituições, promovendo a conscientização a respeito do tema e da preservação ambiental.


Como fazer acontecer

De acordo com relatos e registros dos diretores responsáveis pela criação do depósito, a implantação ocorreu de forma arrojada e com altíssima visão empreendedora.

Sem recursos à época, o presidente do sindicato liderou um movimento junto com os diretores no sentido de conseguir autorização prévia do órgão ambiental para limpar o antigo "Buracão" e, consequentemente, levar o resíduo ali depositado para um local que, futuramente, seria ambientalmente adequado aos descartes.

Assim, com garra, coragem e determinação, foi adquirido um terreno de 10 hectares em julho de 2005. Desta forma, o sindicato contratou uma máquina pá carregadeira e caminhões para fazer a limpeza do local e levar o lixo industrial para as futuras instalações do depósito de resíduos.

Desta forma, as fundições associadas iniciaram o pagamento pelo serviço de descarte correto dos seus resíduos industriais - ADFs, resolvendo, assim, a questão do passivo ambiental, gerado por suas operações. Através dessas receitas, foi possível pagar os investimentos iniciais, na ordem de R$ 150.000,00 (centro e cinquenta mil reais) e cobrir as despesas operacionais. As sobras foram cuidadosamente administradas para serem investidas nas construções das plataformas para descartes.

Concomitante, as empresas associadas assinaram individualmente um Termo de Ajustamento de Conduta com o Ministério Público do Meio Ambiente, intermediadas pelo sindicato, que ficou responsável pelo recebimento das multas aplicadas e posteriormente pela recuperação do "Buracão", bem como pela construção do Parque Socioambiental, inaugurado em 05 de novembro de 2011 e entregue oficialmente ao município em 26 de março de 2012.


Principais resultados

O sindicato tornou-se referência no município e região por suas ações deliberadas em benefício do associativismo.

Atualmente, o sindicato é o único no país que administra um depósito de resíduos industriais próprio. Através das receitas financeiras advindas do empreendimento, o sindicato é autossustentável e consegue reinvestir no próprio empreendimento, além de liderar pesquisas aplicadas para a reutilização do resíduo ali depositado.

O depósito recebe um volume médio de 30.000 toneladas/ano - apenas do resíduo Areia Descartada de Fundição - ADF, atendendo cerca de 55 empresas distribuídas em 10 municípios (associadas e não associadas - precificação diferenciada).

A receita bruta anual do sindicato gira em torno de R$1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais), sendo que aproximadamente 90% dessa receita é advinda do Depósito de Resíduos Industriais. Através de uma gestão consciente e norteada pelo Planejamento Estratégico da entidade, o superavit anual é cuidadosamente administrado e os investimentos são traçados pela diretoria e validados pela Assembleia Geral.

Numa visão futurista, o sindicato hoje já funciona em sede própria num moderno edifício de 10 andares (em fase de acabamento), construído no centro da cidade, onde já são disponibilizados serviços e atendimento aos associados. A ideia é transformar o local num centro de apoio à indústria com serviços agregados que contribuam diretamente para o desenvolvimento dos setores representados, além da criação de outras fontes de renda para o sindicato.

 


Saiba mais

Se você tem interesse em obter mais informações sobre a boa prática, entre em contato com o sindicato ou com a FIEMG.

SINDIMEI - SINDICATO INTERMUNICIPAL DAS INDÚSTRIAS METALÚRGICAS, MECÂNICAS E DO MATERIAL ELÉTRICO DE ITAÚNA/MG: rmendes@fiemg.com.br

FIEMG: ars@fiemg.com.br