Boa Prática

24/10/2018

Início > Programa de Desenvolvimento Empresarial-PDE

Programa de Desenvolvimento Empresarial-PDE

Sindicato: Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado do Espirito Santo-SINPROCIM-ES

Presidente do sindicato: Raphael Cássaro Machado

Mandato: 1/2017 a 12/2020

Federação: FINDES

Início de execução da prática: 1/2017

Raio-X da prática

O PDE, Programa de Desenvolvimento Empresarial para artefatos de concreto e pavimento intertravado, é um programa de ações com encontros de fabricantes, palestras e cursos de qualificação para alavancar o desenvolvimento do setor. Tem o objetivo de capacitá-los para que possam oferecer cada vez mais produtos com qualidade, gerando mais competitividade para o mercado local e nacional; fortalecendo a marca das empresas; trazendo mais desenvolvimento para as regiões, por meio do aumento dos postos de trabalho; e por fim contribuindo para o crescimento econômico do Estado.


Como surgiu a ideia

O PDE começou a ser desenvolvido no Estado do Espírito Santo desde 2007, em uma parceria entre ABCP – Associação Brasileira de Cimento Portland, SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, e o sindicato.

 

O setor da construção civil no Espírito Santo estava vivendo um momento de ápice. Precisava cada vez mais buscar inovações sustentáveis para o aumento da qualidade, pensando em toda cadeia produtiva. A necessidade de desenvolver o mercado é um dos grandes fatores que motivam o crescimento do grupo no Espírito Santo.  Os investimentos gerados por grandes empresas no Estado, seja do setor público ou privado, deixam claro que o crescimento da construção civil é uma realidade. E cada vez mais estimula o avanço das empresas de artefatos, principalmente as de blocos de concreto e piso intertravado. Para que estes resultados cheguem também ao interior do Estado, o PDE/ES está desenvolvendo um programa de interiorização, iniciado pela região norte/noroeste capixaba.


Como fazer acontecer

Visando promover ações técnicas e de gestão, a fim de orientar os fabricantes, a metodologia adotada foi a visita para uma pesquisa e para verificar a necessidade de cada empresa. Essa pesquisa foi dividida em 4 etapas: finanças, produtividade, competitividade e qualidade. Após a análise foi feito um projeto para cada empresa, de acordo com as demandas, com palestra, seminários, visitas de órgãos fiscalizadores para o selo de qualidade e treinamentos. O custo anual é de R$ 190 mil, o investimento das empresas gira em torno de 20% do valor.


Principais resultados

Foram desenvolvidas ações que contribuirão com o processo de consolidação da cadeia produtiva de artefatos de concreto no Espírito Santo, objetivando o aumento da sua competitividade no mercado interno e externo.

•   Estabelecimento de relações de parcerias;

•   Reconhecimento da qualidade dos bens produzidos pelo setor;

•   Fortalecimento do setor de bens de capital, como agente gerador e disseminador de inovações no setor de artefatos de concreto;

•   Ganhos de competitividade do arranjo a partir da maior integração dos elos da cadeia produtiva e das empresas produtoras de bens de capital entre si;

•   Incentivo à profissionalização;

•   Incremento das vendas, principalmente em médio e longo prazo;

 

Um exemplo concreto é o aumento de 30% na produtividade das fábricas e grandes investimentos em equipamentos na ordem de R$ 25 milhões durante os últimos seis anos, proporcionando diversas melhorias no processo produtivo. Houve um aumento da capacidade de produção em 60%, permitindo a diversificação de pro-

dutos e melhorias da qualidade dos artefatos de concreto.


Saiba mais

Se você tem interesse em obter mais informações sobre a boa prática, entre em contato com o sindicato ou com a FINDES.

Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado do Espirito Santo-SINPROCIM-ES/ES: adm@sinprocim-es.org.br

FINDES: pda@findes.org.br