Boa Prática

09/11/2018

Início > Mostra de Tecnologia – Brasília Mais TI

Mostra de Tecnologia – Brasília Mais TI

Sindicato: Sindicato das Indústrias da Informação do DF – Sinfor-DF

Presidente do sindicato: Ricardo de Figueiredo Caldas

Mandato: 1/2015 a 12/2019

Federação: FIBRA

Início de execução da prática: 1/2017

Raio-X da prática

Além da receita que entrou no caixa do sindicato, no valor de R$ 18.663,00, tivemos receita com as permutas de prestação de serviços, no valor de R$ 27.000,00, totalizando resultado financeiro positivo para o Sinfor, no valor de R$ 45.663,63.

A realização do Brasília mais TI é considerada a mais importante ação do sindicato em prol do setor.

Financeiramente, o evento gerou uma receita complementar e possibilitou não somente a sobrevivência do sindicato, mas um recorde de superávit. Em 2016, fechamos o ano com alto déficit. Diante das contas no vermelho, foi sugerido que boas práticas sindicais fossem adotadas para a recuperação da economia da entidade.

Por outro lado, considera-se a Mostra de Tecnologia Brasília mais TI uma ação de forte visibilidade e interação entre as empresas e principalmente de forte repercussão institucional para a entidade.

Reunir todas as entidades de Tecnologia, em um momento de crise política e de dúvidas quanto à representatividade, criou um ambiente de parceria em prol do setor.

Registramos a inscrição de mais de 600 pessoas no evento. Logo na abertura, já se podia identificar a satisfação das empresas, ao encontrar potenciais clientes, a satisfação das autoridades em ver o setor reunido, a satisfação dos profissionais em ter a oportunidade de participar das palestras gratuitamente. A participação de todo esse público na audiência pública, onde todos tinham oportunidade de cobrar um posicionamento do governo local.

A mesa da audiência foi formada pelo governo, por reitores das principais universidades de Brasília, pelos presidentes de todas as entidades representantes dos empresários e das startups de Brasília.

Por outro lado, empresários de outros setores tiveram a oportunidade de conhecer soluções indispensáveis com custos negociáveis para suas empresas. A exposição foi rica e, como a maioria dos estandes não foi cobrado, todos os que quiseram e puderam tiveram a chance de expor seus produtos e serviços.

O fato de o evento ter sido realizado na Câmara Legislativa do DF possibilitou uma força maior e principalmente um grande holofote para o setor de TI e para nossas reivindicações. A Mostra de Tecnologia representa também o estímulo à inovação e abertura de novas oportunidades de negócios, de novos mercados para as empresas de TI. 

O Brasília Mais TI também abriu portas de novos filiados e possibilitou que novas empresas não filiadas tivessem acesso aos serviços do sindicato. Tivemos várias empresas que não eram associadas solicitando filiação para que pudessem ter a oportunidade de expor seus produtos e serviços em um estande.


Como surgiu a ideia

A profunda recessão econômica enfrentada no Brasil impactou seriamente as empresas de todos os setores. No DF, o governo local anunciou ajuste nas contas públicas, com corte de gastos, parcelou dívidas adquiridas pelo governo anterior com o setor produtivo e, inclusive, deixou de honrar alguns contratos cumpridos, deixando algumas empresas brasilienses em condições ainda mais desfavoráveis. O resultado somados os cenários nacional e local, foi de demissões, corte de gastos e adiamento de investimento.

 

Mas mesmo com o reajuste de pessoal, o setor de TI no DF manteve cerca de 40 mil profissionais empregados. Embora fosse um setor imprescindível para a retomada da economia local, as empresas de tecnologia instaladas na capital federal não tinham o devido reconhecimento e apoio do Governo de Brasília. Prova disso, o Parque Tecnológico Capital Digital, que nasceu dentro do sindicato, há 21 anos, até hoje não saiu do papel.

­

 

 

 

Pesquisa feita pelo sindicato em 2017 (anexo) mostra que, nas principais capitais e municípios onde se emprega a mesma quantidade de mão de obra – ou até mesmo menos –, o reconhecimento e apoio dos governantes são consideráveis. Mas, em Brasília, o setor enfrenta dificuldade de, inclusive, conseguir agenda com o governo. 

 

O Sinfor, como legítimo representante do setor no DF, e certo de que as empresas de TI têm historicamente rápida capacidade de recuperação, justamente em função da base tecnológica utilizada por elas, identificou, de imediato, que fortalecer o setor é fortalecer a economia local. Não se tratava, portanto, de uma causa própria, mas uma causa de todos.

 

O Sindicato decidiu então:

Incentivar as empresas de outros setores a utilizarem a tecnologia para substituir mão de obra demitida; incentivar os setores a pensar em inovação, por meio de parcerias com Sebrae, Sistema Fibra e universidades; mostrar para todos os setores como: construção civil, gráficos, metalurgia, movelaria, alimentação, vestuário, turismo, agronegócios, educação e outros a capacidade que a tecnologia tem para alavancar uma empresa.

 

O sindicato entendeu que havia necessidade de mostrar não somente para todos esses setores, mas, para Brasília – e principalmente para os governos federal e local –  a “importância da tecnologia para alavancar a economia da nossa cidade”.

Então, criou-se a Mostra de TecnologiaBrasília Mais TI”.

Sob o tema: importância da tecnologia para alavancar a economia da nossa cidade”.

 


Como fazer acontecer

Depois da ideia, o sindicato elaborou um projeto ousado, apresentando os objetivos específicos, a justificativa, o público-alvo, o público estimado, o cronograma, os orçamentos, a infraestrutura e a planta do evento. Levou o projeto à Assembleia Geral, que aprovou por unanimidade e elegeu uma comissão organizadora da Mostra de Tecnologia “Brasília Mais TI”.

 

Em seguida, reuniu todas as entidades para uma ação conjunta, que contou com a influência política do presidente da entidade.  

 

A presidente da Comissão da Mostra de Tecnologia e a superintendente do sindicato foram ao Rio de Janeiro conhecer melhor o evento RIOInfo. Um evento de TI que ocorre há 15 anos. Essa também foi uma ação de grande importância. De lá, a equipe trouxe experiência, ideias, alguns palestrantes (sem custo de horas trabalhadas) e temas de palestras que fizeram a diferença no Brasília Mais TI.

 

A partir de então, surgiram dois grandes desafios. Fechar uma programação atrativa, com custo baixo, conseguir o valor total orçado para o evento.

 

Estratégias foram montadas para busca de patrocínios, de permutas e de parcerias. A venda de estandes para médias e grandes empresas também era um desafio.

 

A credibilidade do sindicato, os objetivos, o formato do evento, os parceiros conquistados ao longo de muitos anos foram fatores importantes para bater a meta e fazer acontecer.

 

Para conseguir ter a participação de todos e tornar a Mostra de Tecnologia uma realidade, era necessário possibilitar que as startups e as micro e pequenas empresas pudessem participar sem custo. Que as médias empresas pudessem participar com baixo custo. E que os custos do evento pudessem ser pagos também com permutas, patrocínios e apoio de entidades e grandes empresas.

 

Para que os custos pudessem ser diminuídos, a organização decidiu que a mostra teria estandes de um só tamanho, 2mx2m. Os únicos estandes diferentes seriam aqueles vendidos às grandes empresas, que teriam o mesmo tamanho, porém com qualidade diferenciada de material, para atrair e motivar as grandes expositoras.  

 

Outro desafio que a organização teve durante toda a organização foi o de tornar o evento rentável, para o Sindicato continuar sendo uma entidade sustentável. O sindicato não dispõe de receitas próprias para realização de grandes eventos. As receitas provenientes de mensalidades (contribuição social), contribuição Confederativa Patronal e Contribuição Sindical, contemplam apenas as despesas do sindicato. Dessa forma, a organização teve que trabalhar na busca de fornecedores, com menor custo e melhor benefício. Com permutas, vendas de estandes e patrocínios.

Na oportunidade da realização do Brasília Mais TI, o sindicato também firmou permutas que possibilitou a execução de algumas ações que seriam impossíveis custear com a receitas normais da entidade. Essas ações foram consideradas como grandes conquistas para a entidade, como A Pesquisa de Cargos e Salários junto ao Mercado de Brasília. O estudo subsidia as empresas que precisaram reformular seus planos de cargos e salários, considerando a nova realidade em tempos de crise, inclusive na contratação de novos profissionais. A construção de uma nova identidade visual para o sindicato.  Após quase 20 anos, o sindicato continuava utilizando a mesma logomarca, então havia necessidade de modernizar. Outra grande conquista é a construção de um novo portal para o sindicato, que, para o setor de TI, precisa ser um site atraente, completo, com todas as informações.


Principais resultados

Além da receita que entrou no caixa do sindicato, no valor de R$ 18.663,00, tivemos receita com as permutas de prestação de serviços, no valor de R$ 27.000,00, totalizando resultado financeiro positivo para o Sinfor, no valor de R$ 45.663,63.

A realização do Brasília mais TI é considerada a mais importante ação do sindicato em prol do setor.

Financeiramente, o evento gerou uma receita complementar e possibilitou não somente a sobrevivência do sindicato, mas um recorde de superávit. Em 2016, fechamos o ano com alto déficit. Diante das contas no vermelho, foi sugerido que boas práticas sindicais fossem adotadas para a recuperação da economia da entidade.

Por outro lado, considera-se a Mostra de Tecnologia Brasília mais TI uma ação de forte visibilidade e interação entre as empresas e principalmente de forte repercussão institucional para a entidade.

Reunir todas as entidades de Tecnologia, em um momento de crise política e de dúvidas quanto à representatividade, criou um ambiente de parceria em prol do setor.

Registramos a inscrição de mais de 600 pessoas no evento. Logo na abertura, já se podia identificar a satisfação das empresas, ao encontrar potenciais clientes, a satisfação das autoridades em ver o setor reunido, a satisfação dos profissionais em ter a oportunidade de participar das palestras gratuitamente. A participação de todo esse público na audiência pública, onde todos tinham oportunidade de cobrar um posicionamento do governo local.

A mesa da audiência foi formada pelo governo, por reitores das principais universidades de Brasília, pelos presidentes de todas as entidades representantes dos empresários e das startups de Brasília.

Por outro lado, empresários de outros setores tiveram a oportunidade de conhecer soluções indispensáveis com custos negociáveis para suas empresas. A exposição foi rica e, como a maioria dos estandes não foi cobrado, todos os que quiseram e puderam tiveram a chance de expor seus produtos e serviços.

O fato de o evento ter sido realizado na Câmara Legislativa do DF possibilitou uma força maior e principalmente um grande holofote para o setor de TI e para nossas reivindicações. A Mostra de Tecnologia representa também o estímulo à inovação e abertura de novas oportunidades de negócios, de novos mercados para as empresas de TI. 

O Brasília Mais TI também abriu portas de novos filiados e possibilitou que novas empresas não filiadas tivessem acesso aos serviços do sindicato. Tivemos várias empresas que não eram associadas solicitando filiação para que pudessem ter a oportunidade de expor seus produtos e serviços em um estande.


Saiba mais

Se você tem interesse em obter mais informações sobre a boa prática, entre em contato com o sindicato ou com a FIBRA.

Sindicato das Indústrias da Informação do DF – Sinfor-DF/DF: sinfor@sinfor.org.br

FIBRA: assessoriasindical@sistemafibra.org.br