Boa Prática

11/7/2018

Início > É CONVERSANDO QUE A GENTE SE ENTENDE

É CONVERSANDO QUE A GENTE SE ENTENDE

Sindicato: Sind. das Ind. da Alimentação do Estado de Goiás (SIAEG)

Presidente do sindicato: Sandro Antônio Scodro Mabel

Mandato: 1/2017 a 12/2020

Federação: FIEG

Início de execução da prática: 1/2015

Raio-X da prática

Definir um espaço onde as industrias possam expor seu problema, confiando que todos que estão participando tem o mesmo objetivo, sem juízo de valores, críticas ou concorrência é a principal característica dessa boa pratica. Dessa forma, é possível encontrar soluções robustas que amparem os participantes na tomada decisão.


Como surgiu a ideia

Após nos depararmos com alguns problemas que eram comuns às industrias da base, surgiu a ideia de convida-los para discutir cada situação a fim de propor soluções que fossem de consenso. Com isso surgiram os Grupos de Trabalho-GT, Pessoas, Qualidade e Atomatados. Cada um com foco e participantes diferentes dentro da própria empresa. O primeiro, Pessoas, iniciou impulsionado pela necessidade do sindicato debater qual o conteúdo deveria constar nas convenções coletivas, considerando que ao todo eram 09(nove) CCTs assinadas durante o ano e cada uma com suas clausulas, bem diferentes umas das outras.Participam do grupo os representantes de RH das empresas e Advogados do quadro jurídico do sindicato, da Federação e das Indústrias. O GT Qualidade, representado em sua maioria pelos responsáveis por qualidade na indústria, trata de temas relacionados a certificações e surgiu com a finalidade de apoiar as empresas a melhorarem seus processos internos, esclarecer dúvidas sobre o tema e principalmente sobre as legislações e Normas técnicas. Fazem parte do grupo as empresas e representantes da Vigilância Sanitária do Estado de Goiás-SUVISA e do Município de Goiânia e um representante do Comitê de Qualidade-CB da ISO. O Gt Atomados, formado pelos responsáveis técnicos da industrias de atomatados, iniciou motivado pela demanda das próprias empresas que se encontravam, naquele momento, reféns de uma legislação que define a quantidade de fragmentos de pelos de roedores que podem ser encontrados em cada 100gr do molho e ainda o considera risco a saúde. Isso faz com que os produtos encontrados no mercado, em desacordo com a legislação, sejam recolhidos-Recall e essa penalidade deve ser divulgada na mídia de grande alcance. Hoje esse GT já extrapolou as fronteiras do estado de Goiás pois algumas industrias de São Paulo também participam conosco, além da EMBRAPA Hortaliças localizada em Brasília, Universidade Federal de Goiás-UFG, Federação da Agricultura do Estado de Goiás-FAEG e ABIA- Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação.


Como fazer acontecer

Identificando temas que gerem interesse da indústria e que objetivem propor soluções. Demonstrando que podemos juntos encontrar caminhos mais consistentes para o desenvolvimento de todos. O "pulo do gato" nesse projeto foi identificar os parceiros ideias. Por exemplo, a vigilância sanitária, Universidade, Advogados trabalhistas reconhecidamente competentes. Para implantação foi necessário inicialmente mobilizar o setor para participação e cumprir com o cronograma estabelecido. Importante manter sempre ativo o grupo, estabelecendo compromissos para todos os participantes e cobrar o cumprimento das tarefas e apresentar os resultados. Cada GT tem um grupo de whatsapp para facilitar a comunicação. Para essa metodologia não há custos envolvidos além do tempo e dedicação dos participantes.


Principais resultados

O principal resultado alcançado em todos os grupos foi o reconhecimento da liderança e comprometimento do sindicato com o segmento da alimentação. No GT Pessoas conseguimos evoluir as discussões a ponto de praticamente padronizarmos as convenções coletivas além de adaptarmos as clausulas a a nova legislação de modo a dar mais segurança para as industrias nas relações trabalhistas. No GT qualidade, houve alguns cursos e treinamentos identificados como necessidade para as industrias como o de rotulagem geral e nutricional, alergênicos e ISO 22000. Quanto ao GT Atomatados estamos elaborando um projeto de pesquisa com a UFG com três pilares, Boas Praticas de Fabricação para o molho de tomate, Boas Praticas Agrícolas para a cultura do tomate e avaliação de risco para o fragmento de pelo de roedor.


Saiba mais

Se você tem interesse em obter mais informações sobre a boa prática, entre em contato com o sindicato ou com a FIEG.

Sind. das Ind. da Alimentação do Estado de Goiás (SIAEG)/GO: siaeg@siaeg.com.br

FIEG: daniellams.sesi@sistemafieg.org.br