Brazil 4 Business

Pará

Localizado na região Norte do Brasil, em plena Amazônia, o Pará possui uma posição geográfica estratégica em razão de suas fronteiras com países mais acima na América do Sul e proximidade com os demais mercados do Caribe, dos Estados Unidos e da Europa.

O estado conta com uma população de aproximadamente 7,5 milhões de habitantes, mão de obra qualificada nos vários setores da economia, além de possuir universidades, centros e institutos de graduação e especialização nos diversos níveis de formação básica, fundamental, superior e profissional.

Formado por 144 municípios, o Pará traduz aquilo que de melhor expressa a diversidade amazônica com riquezas naturais renováveis, e um grande potencial energético/hídrico, além de uma capacidade de investir no desenvolvimento e verticalização industrial.

Belém, sua capital, oferece à população qualidade de vida comparável a outras cidades brasileiras e da América latina.

O Pará é o segundo maior estado brasileiro em extensão territorial, representa 14,6% do território brasileiro. Suas riquezas naturais e seu imenso potencial hídrico alavancam a economia local, contribuindo para o desenvolvimento brasileiro.

Pará em números:

  • Área: 1.247.954,666 Km². Sua extensão geográfica é maior que países como a Alemanha, Itália, Chile e África do Sul;
  • Com uma população de 7.581.051 (IBGE-2010), é o estado mais populoso da região Norte do Brasil, com uma forte corrente migratória, em função dos projetos e investimentos instalados e em instalação em seu território, porém com uma densidade demográfica de 6,08 hab./km² (IDESP-IBGE);
  • Expectativa de Vida: 72 anos.

     

Conforme publicado pelo Financial Times, o Pará é o quarto melhor estado brasileiro em oportunidades de investimentos e foi considerado o sexto melhor estado na América do Sul na categoria infraestrutura, no horizonte de 2014-2015.

O Produto Interno Bruto – PIB (PMC) do Pará, em 2010, foi de R$ 77.848 milhões, com previsão de que atinja R$129.882 milhões, em 2017. Dentre os estados da região amazônica, o Pará respondeu em 2010 com 38,63% do PIB regional e com 2% do PIB nacional. A estimativa entre 2013-2016 é de 5% de crescimento. Belém, capital do estado, é o município que concentra 1,3 milhões da população (18,4%), e responde por 23% do PIB estadual.

A Balança Comercial Paraense, em 2013, fechou em US$-FOB 14,7 bilhões, com o 2º melhor saldo dentre os estados brasileiros. Foi o 6º estado exportador contribuindo com um valor de US$-FOB 15,8 bilhões para o superávit brasileiro. Em relação a 2012, o crescimento do comércio exterior paraense foi de 9,78%.

Dados da FIEPA, indicam uma evolução significativa nos números dos investimentos até 2017. São R$ 130 milhões, com geração de mais de 160 mil empregos. As áreas com melhores performances de investimentos em reais, são:

  • Extração mineral = 53 bilhões / 40%l;
  • Energia = 30 bilhões / 23%;
  • Transformação mineral = 22 bilhões / 17%;
  • Infraestrutura = 22 bilhões / 17%
  • Agroindústria = 2 bilhões / 2%;
  • Outras indústrias = 1 bilhão / 1%

 

DESCUBRA O PARÁ

Para apoiar e dar suporte aos investidores estrangeiros, o Centro Internacional de Negócios (CIN) disponibiliza aos empresários informações, serviços de consultoria, organização de feiras, eventos e missões internacionais. O CIN-FIEPA faz parte de uma rede liderada pela Confederação da Indústria (CNI) e interligada com dezenas de instituições internacionais de promoção de negócios e investimentos.

Confira, no menu à esquerda, diversas vantagens de investir no Pará e entre em contato com a nossa equipe no estado.

 

pa-pq-investir.jpg__641x1048_q85_crop_subsampling-2_upscale.jpg

Segundo SEPOF/IBGE, o setor industrial paraense representa 35,88% de toda a economia estadual. É composto por quatro segmentos: a Indústria Mineral (extrativa e transformação); a Indústria da Construção Civil; a Indústria Florestal, e os Serviços Industriais de Utilidade Pública (Produção e Distribuição de Energia Elétrica, Água, Esgoto e Limpeza Urbana).

Em sua representatividade, a indústria paraense se concentra nos seguintes setores produtivos:

  • Extrativa (41,0%): minerais metálicos (40,1%), e não metálicos (0,9%)
  • Transformação (59%): alimentos e bebidas (9,8%), têxteis (0,4%), madeira (9,6%), papel e celulose (2,7%), produtos químicos (1,9%), minerais não metálicos (5,2%), metalurgia (24,7%), produtos de metal (0,9%), e outros (3,6%).


Para impulsionar a indústria paraense e brasileira, o Pará conta com as melhores condições geográfica para geração de energia. A grande bacia hidrográfica e os desníveis do relevo paraense promovem o estado na condição de maior gerador de energia hidrelétrica.

Portos e Aeroportos: com localização geográfica estratégica, o Pará torna-se a solução para o escoamento da produção brasileira, dada a sua proximidade com os principais portos da Europa, dos Estados Unidos (melhor transit time com o Port of Houston), e da Ásia a partir da ampliação do Canal do Panamá, em 2015.

  • Em direção a Rotterdam, via Oceano Atlântico, são 7.746 km percorridos em 12 dias, bastante inferior a Santos (10.043 km – 15 dias) e Paranaguá (10.281 km – 15 dias);
  • Em direção Xangai, via Canal do Panamá, são 19.546 km percorridos em 32 dias, percurso e tempo inferiores a Santos (24.068 km – 33 dias) e Paranaguá (24.075 km – 40 dias).
     

O Pará conta com uma infraestrutura aeroportuária de: um aeroporto internacional (Val de Cans); dezessete aeroportos regionais, sete aeroportos locais; seis aeroportos turísticos, e cinco complementares.
Energia hidrelétrica: Com uma capacidade instalada de 8.400 mw (6ªmaior potência instalada do Brasil), o Pará possui um potencial hidrelétrico estimado, até 2020, de 50 gigawatts (1/5 do potencial nacional). Este potencial está representado pelos projetos de Belo Monte (3ª maior hidroelétrica do mundo), Santa Isabel, Marabá e Tapajós, além da ampliação de Tucuruí. Somente com a energia produzida em Tucuruí é possível promover a implantação de aglomerados produtivos, como o complexo industrial, projetos agropecuários e agroindustriais.

Distritos Industriais
Como incentivo à instalação de novas plantas industriais, o Pará promove a descentralização industrial por meio da destinação de 33 milhões/m², criando um ambiente favorável para o desenvolvimento e ampliação da industrial sustentável. Os distritos industriais estão localizados nos municípios de: Ananindeua, Barcarena, Marabá, Santarém, e no distrito de Icoaraci

Mineração
Setor chave da economia estadual. Estima-se que a industrial mineral responda por mais de 20% do PIB estadual e que sua participação na geração de divisas equivale a aproximadamente 90% das exportações paraenses. O anuário mineral aponta que o setor responde por 143 mil postos de trabalho, entre empregos diretos e indiretos, além de prevê investimentos de US$ 40 bilhões em pesquisa e expansão de seus projetos.

  • Maior produtor de bauxita do Brasil;
  • Maior produtor de manganês do Brasil;
  • Maior produtor nacional de caulim;
  • Maior produtor nacional de cobre;
  • Segunda maior reserva de níquel do Brasil
  • Segundo maior produtor de ferro do Brasil



Agronegócios
O Pará possui atuação destacada na oferta de produtos de origem vegetal. A produção dessas cadeias produtivas se destaca, como:

  • Maior produtor de açaí orgânico;
  • Maior produtor nacional de óleo de palma/ dendê;
  • Segundo maior produtor nacional de cacau com 26% da produção nacional;
  • Responsável por 74% da produção de pimenta do reino;
  • Responsável por 18% da produção de mandioca;
  • Quinto maior rebanho de bovino do Brasil, sendo o maior exportador de boi, 19 milhões de cabeças;
  • Maior rebanho bubalino do país;
  • Quarto maior produtor de carne


O Pará é o maior produtor nacional de dendê com 90% da produção, um plantation de 141 mil hectares e previsão de ampliação para 300 mil/há, em 2104. Isso possibilita a produção de óleo de palma em 160 mil ton./ano.  


Madeireiro
O setor madeireiro compreende um dos principais setores da economia paraense. Em 2010, segundo o IMAZON, no estado do Pará, existiam:

  • 33 pólos madeireiros
  • 1.592 empresas
  • 11.150.000 m³ de toras consumidas/ano
  • 1.113,60 milhão de US$ de renda bruta
  • 183.741 mil empregos diretos + indiretos
  • 543.442 milhões de US$-FOB exportados (2004)



Pesca
O estado do Pará possui 562 km de costa oceânica e 98.292 km² de aguas interiores que são responsáveis pela produção de mais 152 mil toneladas de pescado, elevando a categoria de segundo maior produtor brasileiro.  


Fruticultura
É um dos principais setores da indústria paraense com enormes possibilidades de criação de arranjos produtivos. Na região amazônica, em particular no Pará, concentra-se uma diversidade de mais de 100 espécies florestais com aproveitamento de seus frutos pela indústria. A produção nas agroindústrias concentra-se em: sucos, bebidas, doces, geleias e sorvetes.

  • Primeiro no ranking nacional de produção de Açaí – 706.488 tons.
  • Maior produtor nacional de Cupuaçu, com 41.142 tons.
  • Segundo maior produto brasileiro de Abacaxi – 248.772 mil/frutos.
  • Segundo maior produtor nacional de Cacau – 52.376 tons.
  • Quarto maior produtor brasileiro de Coco – 230.873 mil/frutos.
  • Sexto maior produtor brasileiro de Banana – 539.979 cachos.

O estado do Pará incentiva e beneficia seus investidores de diversas formas, dentre elas, investindo em infraestrutura, em qualificação da mão de obra, em centros de tecnologia e inovação, concedendo incentivos fiscais, com o intuito de tornar a região mais atrativa para os investidores. Conta com linhas de financiamento personalizadas para os diversos tipos de investimentos. Dentre os principais incentivos, destacam-se:

  • Redução ou isenção do ISS
  • Redução ou isenção do IPTU
  • Doação ou preço subsidiado para aquisição de área para implantação de novos negócios
  • Crédito presumido de até 95% sobre o ICMS gerado operacional da empresa, sobre operações interestaduais, com produtos fabricados no Pará
  • Redução da base de cálculo de até 95% do ICMS gerado na atividade operacional da empresa, nas operações internas com produtos fabricados no Pará
  • Isenção ou diferimento do ICMS nas operações de aquisição de máquinas e equipamentos para o ativo imobilizado;
  • Prazo de fruição de até 15 anos


Bancos com linhas de financiamento atrativas

  • BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social
  • Banco da Amazônia
  • Banco do Brasil
  • Caixa Econômica Federal
  • Banco do Estado do Pará


Outros incentivos

  • ZPE – Zona de Processamento de Exportações
  • Distritos Industriais


O Centro Internacional de Negócios da Federação das Indústrias do Estado do Pará – CIN/FIEPA, está preparado para auxiliar potenciais investidores no processo de apoio a obtenção de informações quanto a incentivos e benefícios diversos que o estado do Pará oferece, por meio da articulação com os diversos agentes envolvidos.

Guia Básico/ Português: Guia-Basico-do-Para.pdf

Guia Básico / Inglês :  basic-guide-to-the-state-of-para.html

1. Estudo Setorial 

2. Ficha de Dados/ Data Sheet