NOTÍCIAS

7 de Novembro de 2017 às 17:14

A- A A+

Desenvolvimento do Brasil depende do fortalecimento da indústria

Participantes de seminário na Câmara dos Deputados concordam que o país precisa de uma agenda para recuperar o setor

 

“O Brasil precisa desenvolver novas políticas para o fortalecimento da indústria” - Flávio Castelo Branco, gerente-executivo de Política Econômica da CNI

Castelo Branco debate reindustrializacao 1140.jpg

 

A agenda do desenvolvimento da indústria e do Brasil deve incluir o aumento da produtividade e a remoção dos obstáculos que aumentam os custos da produção, como as deficiências na infraestrutura, a complexidade do sistema tributário, o excesso de burocracia e a instabilidade do ambiente macroeconômico. Essa é a conclusão dos participantes do seminário Desafios para a Reindustrialização Nacional, realizado pela Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (7), em Brasília.

“O Brasil precisa superar uma das piores crises da sua história e esse é o momento de discutirmos uma agenda para reverter o processo de desindustrialização do país”, afirmou o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), que preside a Comissão do Trabalho da Câmara.

Na avaliação do professor Gilberto Bercovici, da Universidade de São Paulo (USP), a saída para o Brasil retomar o crescimento econômico está no fortalecimento da indústria. “É a indústria que desenvolve produtos e inovações e facilita a mobilidade social”, disse ele.

Bercovici disse ainda que o fortalecimento da indústria brasileira depende, entre outras coisas, de políticas de juros e de concessão de crédito que incentivem o investimento das empresas. Também requer uma política energética coerente. Para Bercovici, o Brasil não se desenvolverá exportando apenas produtos primários. “A questão industrial é central para o país”, completou.

O gerente-executivo de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castelo Branco, lembrou que a indústria tem uma participação de 21,2% no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. É responsável por 22,2% do emprego formal, 22% da massa de salários e por 38,1% das exportações.

Mesmo assim, ressaltou Castelo Branco, a indústria brasileira é menos relevante para a economia do que a dos países asiáticos, a da Índia e até a da Argentina. “A indústria brasileira tem um tamanho menor do que deveria ter. É menor do que foi há duas décadas”, lembrou o economista. Segundo ele, a indústria brasileira vem perdendo espaço nas exportações e na produção mundial de manufaturados.

Castelo Branco explicou que a perda de importância da indústria na economia é uma característica de países desenvolvidos. “Quando a renda da população alcança níveis elevados, a tendência é que a indústria dê lugar aos serviços”, acrescentou. No entanto, no Brasil, a indústria vem perdendo espaço, mesmo sem ter registrado o aumento de renda da população. “O que ocorreu no Brasil foi uma desindustrialização precoce”, afirmou Castelo Branco. Isso, segundo ele, é resultado da perda de competitividade da indústria brasileira, provocada por baixa produtividade, custos elevados, infraestrutura deficiente, baixa qualificação da mão de obra, insegurança jurídica, sistema tributário caro e complexo, elevado custo do crédito e excesso de burocracia.

Castelo Branco destacou que o Brasil precisa desenvolver novas políticas para o fortalecimento da indústria. Essas políticas devem estar conectadas com a quarta revolução industrial, chamada indústria 4.0, buscar o aumento da competitividade e aproximar o país da economia internacional.

POLÍTICA INDUSTRIAL - Para o presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Luiz Augusto Ferreira, o desafio do país é agregar valor ao produto. Como exemplo ele citou o caso do café e das frutas, dois importantes produtos agrícolas da pauta de exportações brasileiras. Outros países compram esses produtos e revendem ao Brasil em forma de café em cápsulas e sucos processados pelo triplo do preço. "Precisamos aprender a transformar nossos produtos em valor", disse Ferreira.

O pesquisador Ronaldo Carmona, da USP, afirmou que a indústria de transformação dissemina os avanços tecnológicos por toda a economia. "A indústria é a mola-mestra do desenvolvimento", disse. No entanto, acrescentando ele, as políticas industriais foram ineficientes para estacar o processo de desindustrialização do país. Isso ocorreu principalmente porque as diversas políticas esbarraram com um ambiente macroeconômico adverso e em medidas resultantes do voluntarismo dos governantes. 

Segundo a professora Carmem Feijó, da Universidade Federal Fluminense (UFF), o fortalecimento da indústria requer muito mais que política industrial. "São necessárias políticas fiscal, monetária e macroeconômicas consistentes", destacou. O gerente-executivo de Política Industrial da CNI, João Emílio Gonçalves, acrescentou que o aumento da produtividade é indispensável para a recuperação da indústria brasileira. 

Ele acredita que a revolução da Indústria 4.0 abre uma série de oportunidades para a indústria brasileira e trará ganhos de produtividade para o setor. As vantagens da Indústria 4.0, disse Gonçalves, é o aumento da qualidade, a redução do tempo de desenvolvimento de produtos, a flexibilidade de produção e a eficiência no uso dos recursos.

Também participaram do seminário Carlos Alexandre da Costa, diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Marina Mattar, coordenadora da Comissão de Relações Governamentais da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), José Álvaro Cardoso, economista do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos.  

Da Agência CNI de Notícias
Por Verene Wolke

Leia mais

CNI lança estudo com análise de leis de acesso e repartição de benefícios de recursos genéticos da biodiversidade

Etanol é alternativa mais sustentável para eficiência energética, diz presidente da CNI

Indústria brasileira perde espaço no mercado mundial, informa estudo da CNI

Pesquisa da CNI indica que fim do período de demissões na indústria está próximo

SISTEMA INDÚSTRIA NAS REDES SOCIAIS

CNI: SlideShare | YouTube | Flickr | Google Plus | Instagram | Facebook | Twitter | SoundCloud | LinkedIn
SESI: Facebook | YouTube | LinkedIn
SENAI: Facebook | Instagram | YouTube | Spotify | Twitter
IEL: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Snapchat | LinkedIn

Comentários