NOTÍCIAS

1 de Novembro de 2017 às 15:00

A- A A+

CNI lança estudo com análise de leis de acesso e repartição de benefícios de recursos genéticos da biodiversidade

Documento, realizado em parceria com a Natura Inovação e a GSS Sustentabilidade, traz orientações para empresas implementarem legislação brasileira

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) lançou nesta quarta-feira (1º), em São Paulo, um guia que traz o passo a passo para empresas implementarem a Lei 13.123/2015, que trata do acesso e repartição de benefícios pelo uso sustentável do patrimônio genético da biodiversidade. O estudo Acesso e repartição de benefícios no cenário mundial: a lei brasileira em comparação com as normas internacionais, realizado em parceria com a Natura Inovação e a GSS Sustentabilidade, detalha ainda os principais pontos de legislações internacionais de mais de cem países signatários do Protocolo de Nagóia. Essa convenção regulamenta o acesso e repartição de benefícios genéticos de plantas, animais e microorganismos.

De acordo com o gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CNI, Shelley Carneiro, o intuito da publicação é apoiar empresas na tomada de decisão de negócios baseados em análise do cenário internacional e de tendências sobre pesquisa e desenvolvimento com base em recursos genéticos da biodiversidade. “Conhecer a evolução das negociações sobre acesso e repartição de benefícios no âmbito do Protocolo de Nagóia ajudará usuários da biodiversidade a avaliar impactos da implementação do Protocolo de Nagóia e das leis dos diferentes países”, destaca.

Embora o Brasil não tenha ratificado o Protocolo de Nagóia, o país ratificou a Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) em 1994 e empresas brasileiras usam recursos genéticos de outros países e precisam se adequar a diferentes normas. Na CDB, está estabelecido o direito de os países explorarem recursos conforme estabelecido em políticas próprias e a responsabilidade de assegurar que atividades não causem danos ao meio ambiente.

No estudo, a CNI destaca que a Lei da Biodiversidade no Brasil simplificou o acesso e repartição de benefícios do uso de recursos genéticos, o que deve contribuir para o crescimento significativo desse mercado. A repartição de benefício é feita pelo fabricante de um produto acabado cujo componente do patrimônio genético ou do conhecimento tradicional associado deve ser dos principais elementos de agregação de valor.

Entre os avanços trazidos pela Lei da Biodiversidade no Brasil, estão:

SAIBA MAIS - Faça download do documento Acesso e repartição de benefícios no cenário mundial: a lei brasileira em comparação com as normas internacionais aqui no Portal da Indústria.

Por Maria José Rodrigues
Da Agência CNI de Notícias

Leia mais

Indústria brasileira perde espaço no mercado mundial, informa estudo da CNI

Pesquisa da CNI indica que fim do período de demissões na indústria está próximo

Lei do patrimônio genético traz regras claras para pesquisas e uso da biodiversidade, avalia CNI

Lei de acesso ao patrimônio genético incentivará pesquisas e inovações que usam recursos da biodiversidade

SISTEMA INDÚSTRIA NAS REDES SOCIAIS

CNI: SlideShare | YouTube | Flickr | Google Plus | Instagram | Facebook | Twitter | SoundCloud | LinkedIn
SESI: Facebook | YouTube | LinkedIn
SENAI: Facebook | Instagram | YouTube | Spotify | Twitter
IEL: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Snapchat | LinkedIn

Comentários