NOTÍCIAS

4 de Outubro de 2017 às 11:00

A- A A+

Custos industriais crescem 0,8% no segundo trimestre

Estudo mostra que o indicador teve leve alta em relação ao primeiro trimestre do ano devido ao aumento no custo tributário. Queda nos juros ajudou a conter o crescimento do indicador

gráfico-indicador-de-custos-industriais-041017.jpg
O Indicador de Custos Industriais apresentou crescimento de 0,8% no segundo trimestre em comparação ao primeiro trimestre deste ano, informa estudo divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta quarta-feira (4). O indicador de custos industriais é formado por custos tributários, com capital de giro e com a produção. De abril a junho, o índice de custo tributário subiu 3,5% na comparação com o primeiro trimestre de 2017. No mesmo período, o custo do capital de giro caiu 7,5%.

O acompanhamento do indicador de custos industriais permite que as empresas comparem seus custos com a média nacional e façam ajustes nas contas, seja por meio do controle de despesas ou pela negociação com os fornecedores. O indicador antecipa também variações nos preços dos produtos industrializados. Aumentos ou quedas bruscas nos custos podem indicar a alta ou a redução dos preços para o consumidor no curto prazo. 

No cenário do segundo trimestre foram identificados dois fatores importantes. Associada à alta nos custos industriais, a indústria brasileira registrou retração de 0,8% nos preços dos seus produtos, o que indica uma redução na margem de lucro pelas empresas industriais no trimestre. 

Apesar disso, o preço dos bens manufaturados importados, em reais, subiu 4,4% e, com isso, os produtos brasileiros ganharam competitividade no mercado doméstico. No mercado externo, o aumento de 0,8% dos custos industriais brasileiro ficou abaixo do aumento de 3,0% dos preços dos produtos manufaturados nos Estados Unidos, em reais, indicando ganho de competitividade dos produtos industriais brasileiros também no mercado externo.

CUSTOS INDUSTRIAIS – O custo com capital de giro acumula queda de 19,5% em relação ao segundo trimestre de 2016, o que indica que as sucessivas reduções na taxa básica de juros pelo Banco Central têm sido repassadas às empresas. Com isso, há redução no custo com capital de giro, contribuindo para conter os custos industriais totais.

No segundo trimestre, o crescimento de 5,8% no custo com bens intermediários importados foi totalmente compensado pela queda de 0,9% no custo com intermediários domésticos. Este ajuste manteve inalterado o indicador de custo total com bens intermediários.

O custo com pessoal, por sua vez, cresceu 2,4% na mesma base de comparação, mas seu efeito foi parcialmente compensado pela queda de 1,1% do custo com energia. Por isso, o custo de produção cresceu 0,5% no segundo trimestre de 2017.

LUCRO E COMPETITIVIDADE – Apesar da redução no trimestre, a indústria ainda apresenta aumento na margem de lucro em relação ao segundo trimestre de 2016. Nessa base de comparação, o aumento do custo industrial foi de 0,9% e, do preço dos manufaturados, de 1,2%.

SAIBA MAIS - Acesse a página do Indicador de Custos Industriais para conhecer todos os detalhes do levantamento.

Por Adriana Nicacio
Da Agência CNI de Notícias

Leia mais

Recuperação da indústria segue com oscilações

Confiança do consumidor continua volátil e recua em setembro, informa CNI

Curso técnico aumenta renda do trabalhador em 18%, em média

Maioria dos brasileiros avalia SENAI e SESI como ótimos ou bons

SISTEMA INDÚSTRIA NAS REDES SOCIAIS

CNI: SlideShare | YouTube | Flickr | Google Plus | Instagram | Facebook | Twitter | SoundCloud | LinkedIn
SESI: Facebook | YouTube | LinkedIn
SENAI: Facebook | Instagram | YouTube | Spotify | Twitter
IEL: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Snapchat | LinkedIn

Comentários