NOTÍCIAS

10 de Agosto de 2017 às 17:53

A- A A+

Brasil e Irã negociam acordos para atingir meta de US$ 5 bilhões no comércio bilateral

Governos dos dois países apresentam alternativas para a falta de financiamento privado às exportações. Bancos brasileiros têm receio de manter relacionamento com os iranianos e sofrer punições por sanções dos Estados Unidos

rodrigo azeredo embaixador brasil ira 1140 100814.jpg
O Irã é um país estratégico por sua posição na Ásia Central. No Oriente Médio possui um mercado consumidor de 80 milhões de pessoas e sua economia está em crescimento. No ano passado, após a suspensão das sanções americanas, seu PIB cresceu 13% e esse potencial não passou despercebido pelo Brasil. Levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra oportunidades em pelo menos 203 produtos de dez setores brasileiros. A dificuldade é como financiar as exportações, já que os bancos brasileiros não mantêm relacionamento financeiro com o Irã, por receio de sofrer punições dos Estados Unidos.  

Em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e apoio do Banco Central do Brasil e do Ministério das Relações Exteriores, nessa última quarta-feira (9) a CNI organizou o Seminário Relações Econômicas Brasil – Irã. O evento contou com a participação do presidente do Banco Central do Irã, Hossein Yaghoobi, e do embaixador do Irã no Brasil Seyed Ali Saghaeyan, além de autoridades e empresários brasileiros.

O embaixador do Brasil no Irã, Rodrigo Azeredo, explicou que o novo desafio é convencer os bancos brasileiros de que eles não estão sujeitos a punições, caso negociem com o Irã. No curto prazo, Azeredo lembrou que os bancos iranianos possuem uma grande rede de acordos de correspondentes bancários com instituições na Europa e na Ásia, que podem ser usados pelas instituições brasileiras.

Além disso, o Banco Central do Brasil e do Irã começaram a estudar a possibilidade de utilizar o sistema de pagamento em moedas locais, entre os bancos centrais. “É claro que esse sistema de pagamento em moedas locais ajuda, facilita, mas nunca substituirá as relações bancárias que são sempre importantes”, disse Azeredo. Existe ainda a possibilidade de se abrir uma linha de financiamento de longo prazo com o BNDES, que seria um arranjo financeiro entre os governos com as garantias negociadas, para projetos estruturantes.



CRESCIMENTO DO COMÉRCIO – “A reabertura do Irã para o mundo nos dá a possibilidade de caminhar para um patamar novo de comércio bilateral. Hoje em dia, o nosso comércio está na casa de US$ 2,3 bilhões. Mas ainda há muito a fazer, principalmente se temos presente a ambiciosa marca de US$ 5 bilhões que estabelecemos para o comércio bilateral”, explicou o subsecretário-geral de Cooperação Internacional, Promoção Comercial e Temas Culturais do Itamaraty, embaixador Santiago Mourão.

Segundo ele, para avançar no comércio bilateral o governo brasileiro e o governo iraniano estão empenhados em encontrar as alternativas e os caminhos para normalizar o relacionamento financeiro entre os dois países. “É preciso que o setor privado, que é quem opera em última instância, esteja do nosso lado. E também se envolva na montagem de arquitetura que permita esse fluxo”, ressaltou. 

O presidente do Banco Central do Irã, Hossein Yaghoobi, afirmou que as sanções foram muito pesadas para o país. No entanto, eles têm trabalhado para fortalecer os instrumentos do sistema financeiro, o que tem sido reconhecido por outros BRICS, como China e Rússia. Neste momento, o Irã está voltado para uma estratégia de ampliação das relações comerciais e acredita que o Brasil pode ser sua ponte na América Latina.

“O comércio nunca para. Se não tiver o canal bancário, o pagamento vai passar por meios não confiáveis. É sobre isso que estamos falando: os bens do Brasil estão entrando no Irã com risco”, afirmou Yaghoobi.

OPORTUNIDADES – Para o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Abijaodi, existem oportunidades de comércio, investimentos, integração e de cooperação não exploradas em diversas áreas como energia, indústria de defesa, setor automotivo, químico, transporte e siderurgia, com altas tarifas. “Neste momento, defendemos que o Mercosul negocie um acordo comercial com o Irã”, afirmou Abijaodi. Já o especialista em Negociações Internacionais da CNI, Fabrízio Panzini, lembrou que "o Brasil enfrenta tarifas que variam entre e 4% a 40% e o acordo comercial é o principal caminho para reduzir esse custo".

Entre outras oportunidades, o coordenador de Inteligência e Comércio da APEX-Brasil, Igor Celeste, afirmou que na próxima década o Irã deve renovar sua frota de aviões, com 400 a 500 novas aeronaves. "Além disso, há oportunidades no setor de beleza. Os iranianos aceitam bem produtos estrangeiros nesta área, e franquias. A Yogoberry, por exemplo, já está no mercado iraniano", acrescentou.



Por Adriana Nicacio
Vídeo e foto: José Paulo Lacerta
Da Agência CNI de Notícias

 

Leia mais

Destravar comércio exterior contribuirá para retomada do crescimento, diz CNI

Faturamento de quase metade das indústrias é insuficiente para pagar dívidas, diz estudo da CNI

Confira as mais lidas da Agência CNI de Notícias entre 7 e 13 de agosto

Avançam acordos do Brasil com México e Argentina

SISTEMA INDÚSTRIA NAS REDES SOCIAIS

CNI: SlideShare | YouTube | Flickr | Google Plus | Instagram | Facebook | Twitter | SoundCloud | LinkedIn
SESI: Facebook | YouTube | LinkedIn
SENAI: Facebook | Instagram | YouTube | Spotify | Twitter
IEL: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Snapchat | LinkedIn

Comentários