NOTÍCIAS

12 de Julho de 2017 às 18:33

A- A A+

Indústria apoia governo nas negociações com União Europeia, Efta e México

Diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Abijaodi participou de audiência pública da Câmara dos Deputados e explicou que acordos atuais do Brasil só cobrem 8% do comércio mundial. O percentual é muito baixo se comparado aos 85% alcançados pelo Chile, por exemplo

"Não podemos mais adiar a inserção internacional do Brasil" - Carlos Abijaodi

Carlos Abijaodi
A inserção internacional do Brasil não pode ser adiada, mesmo num cenário mundial de protecionismo. Esta é a avaliação do diretor de Desenvolvimento Industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Carlos Abijaodi. Ele participou de audiência pública para discutir Os novos arranjos comerciais firmados em âmbito global e a inserção do Brasil nesse contexto, na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira (12). 

“Os países que hoje são mais protecionistas já estiveram na nossa frente e negociaram todos os acordos que quiseram. Não podemos mais adiar a inserção internacional do Brasil e apoiamos integralmente o Itamaraty e o MDIC para que possam negociar da melhor forma possível acordos em benefício do setor produtivo e da sociedade brasileira”, afirmou Abijaodi.

Para o subsecretário-geral de Assuntos Econômicos e Financeiros do Itamaraty, embaixador Carlos Márcio Cozendey, as exportações e os investimentos brasileiros são bem distribuídas pelo mundo, por isso o governo tem buscado negociar em diversas frentes. "Nãoo existe um acordo com um mercado único que resolva o problema de acesso a mercado do Brasil”, disse.

No momento, o Brasil negocia com o México e participa das negociações, por meio do Mercosul, com União Europeia e Associação Europeia de Livre Comércio (Efta). “Devemos iniciar as conversar com o Canadá no segundo semestre e com o Japão e Coreia do Sul no próximo ano. Não será simples, será um desafio que vamos colocar para a indústria brasileira”, explicou o embaixador.

O diretor do Departamento de Negociações Internacionais (DEINT) do Ministério de Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Alexandre Lobo, reforçou a necessidade de o Brasil continuar buscando novos mercados e afirmou que o recente acordo entre União Europeia e Japão mostra que ainda há espaço para se buscar o livre comércio. Para ele, a proliferação de acordos entre outras economias mina, ainda mais, a competitividade do produto brasileiro no exterior.

O autor do requerimento para audiência pública, deputado Pedro Vilela (PSDB-AL), presidiu a reunião.

Por Adriana Nicacio
Foto: Miguel Ângelo
Da Agência CNI de Notícias

Leia mais

Brasil à frente do Mercosul deve manter prioridade ao comércio, diz CNI

Queda dos juros ajuda a conter aumento dos custos da indústria brasileira, diz CNI

Proposta aprovada pelo Congresso prestigia diálogo e contribuirá para harmonizar as relações do trabalho no Brasil, diz CNI

Impacto de sistema de crédito para saneamento básico será semelhante aos ganhos com arrecadação

SISTEMA INDÚSTRIA NAS REDES SOCIAIS

CNI: SlideShare | YouTube | Flickr | Google Plus | Instagram | Facebook | Twitter | SoundCloud | LinkedIn
SESI: Facebook | YouTube | LinkedIn
SENAI: Facebook | Instagram | YouTube | Spotify | Twitter
IEL: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Snapchat | LinkedIn

Comentários