NOTÍCIAS

14 de Julho de 2017 às 14:19

A- A A+

ARTIGO: Aumento do uso de insumos importados na indústria não eleva competitividade do Brasil

Em artigo publicado na Revista Brasileira de Comércio Exterior, os economistas da CNI Renato da Fonseca e Samantha Cunha analisam a mudança de estratégia de integração mundial  da indústria brasileira 

A indústria brasileira mudou a estratégia de integração à economia mundial. Nos últimos 15 anos, o setor intensificou o uso de insumos importados e voltou a produção para o mercado interno, mostra o artigo escrito pelo gerente-executivo de Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Renato da Fonseca, e a economista da CNI Samantha Cunha.

Mas essa mudança, estimulada especialmente pela variação do câmbio, não contribuiu para o aumento da competitividade das empresas. As exportações de manufaturados diminuíram e a indústria brasileira perdeu espaço no mercado interno para os competidores estrangeiros, observam os economistas. 

O texto publicado nesta sexta-feira (14), na Revista Brasileira de Comércio Exterior, da Funcex, mostra que  entre 2003 e 2011,  o coeficiente que mede a participação dos insumos industriais importados na produção nacional saltou de 16,5% para pouco mais de 25%. Enquanto isso, o coeficiente de exportações caiu de 19,7% em 2005 para 12,1% em 2014. 

"O processo de apreciação da moeda doméstica apresenta-se como um fator significativo para a mudança da estrutura industrial", afirma o artigo. De um lado, o real valorizado estimulou a substituição de insumos nacionais por importados. De outro, prejudicou as exportações e estimulou as empresas a se concentrarem no mercado interno.   

A desvalorização do real diante do dólar verificada a partir de 2011 não reverteu a mudança estrutural da década anterior. A estimativa é que a participação dos insumos importados na produção industrial fique em 23% em 2016. E, mesmo com o crescimento das vendas externas, o coeficiente de exportações deve alcançar 16,3% em 2016.   

No artigo, Renato da Fonseca e Samantha Cunha destacam que a  perda de competitividade da indústria brasileira se deve  à valorização do real frente ao dólar antes de 2011 e aos problemas estruturais enfrentados pelas empresas, como as deficiências da infraestrutura, a elevada carga tributária, o excesso de burocracia e a legislação trabalhista anacrônica.  

Para os economistas da CNI, o aumento das exportações é  um dos  grandes desafios do país. "Para isso, o Brasil precisa melhorar sua infraestrutura e seu ambiente de negócios. É necessário reduzir o excesso de burocracia e as inseguranças jurídicas inerentes, sobretudo, às legislações trabalhista, tributária e de meio ambiente", destaca o artigo.

Renato da Fonseca é gerente-executivo de Pesquisa e Competitividade e Samantha Cunha é Especialista de Desenvolvimento Industrial, ambos da CNI.

O artigo foi publicado  na Revista Brasileira de Comércio Exterior nesta sexta-feira (14)

Leia mais

Queda dos juros ajuda a conter aumento dos custos da indústria brasileira, diz CNI

Gastos com Previdência e servidores reduzem recursos para investimentos, saúde e educação, alerta CNI

Economia brasileira dá sinais de recuperação, mas incertezas  políticas podem comprometer retomada, alerta CNI

Desempenho da indústria melhora em maio, mas resultado do ano ainda é negativo, informa CNI

SISTEMA INDÚSTRIA NAS REDES SOCIAIS

CNI: SlideShare | YouTube | Flickr | Google Plus | Instagram | Facebook | Twitter | SoundCloud | LinkedIn
SESI: Facebook | YouTube | LinkedIn
SENAI: Facebook | Instagram | YouTube | Spotify | Twitter
IEL: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Snapchat | LinkedIn

Comentários