NOTÍCIAS

28 de Junho de 2017 às 10:15

A- A A+

Inovações disruptivas criam oportunidades de negócios para a indústria brasileira

Segundo especialistas, é preciso mobilizar empresários para atualizar a manufatura brasileira em relação à assimilação das tecnologias disruptivas, inovações interconectadas que transformam o mundo das empresas, a estrutura dos negócios e a vida das pessoas

selo inovacao 2017 As oportunidades de negócio que as inovações criam para a indústria, bem como os riscos de atraso na adoção dessas tecnologias foram temas centrais do debate Indústria do Futuro: riscos e oportunidades para o Brasil diante das inovações disruptivas, realizado nesta terça-feira (27), durante o 7º Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria”, em São Paulo.

Executivos, especialistas em tecnologia e acadêmicos discutiram a necessidade de atualização da manufatura brasileira em relação à assimilação das tecnologias disruptivas, inovações interconectadas que transformam o mundo das empresas, a estrutura dos negócios e a vida das pessoas. O objetivo foi chamar a atenção para a velocidade de incorporação da convergência tecnológica na indústria brasileira.

futuro-da-indústria-painel-760-280617.jpg
No debate, o professor da Unicamp Luciano Coutinho apresentou o Projeto Indústria 2027 – Riscos e Oportunidades para o Brasil diante das Inovações Disruptivas. Inédito no Brasil, o projeto é uma iniciativa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), com execução técnica da UFRJ e Unicamp.

Coutinho informou que as pesquisas e estudos do Projeto Indústria 2027 vão abranger oito grupos de inovações potencialmente disruptivas: internet das coisas, tecnologia de redes de comunicação; inteligência artificial, big data; produção inteligente e conectada; bioprocessos e biotecnologias avançadas; nanotecnologia; materiais avançados; e armazenamento de energia.

Entre as ações em curso, o professor da Unicamp citou a realização de uma pesquisa de campo entre as empresas industriais para se verificar o nível da adoção dessas tecnologias nas fábricas. Segundo ele, dados preliminares indicam que metade do setor industrial considera que a indústria precisa se modernizar. “Não podemos deixar de ter visão de futuro. Não falo em mudanças incrementais, mas em pequenos saltos (tecnológicos) e não fazê-los seria um risco de obsolescência.”

MÉDIAS E PEQUENAS EMPRESAS - Na visão do gerente-executivo de Inovação e Tecnologia do SENAI, Marcelo Prim, o desafio é sensibilizar as médias e pequenas indústrias para o potencial de negócios a serem gerados pelas inovações disruptivas. Ao ressaltar esse ponto, Prim lembrou que são os médios e pequenos negócios os maiores geradores de emprego. “Estamos falando da Indústria 4.0. Mas, ao mesmo tempo, estamos falamos de tecnologias baratas e acessíveis que podem fazer diferença no chão de fábrica dessas empresas.”

Em outra ponta, a da incorporação das inovações disruptivas, o diretor de TI da GE, David Burns, apontou os desafios para a manufatura de grande porte, expondo o trabalho da GE em se manter atualizada.

“Temos 125 anos e é difícil fazer as pessoas mudarem, mas é necessário fazer isso. Precisamos buscar mudanças”, disse. Ele informou que a GE tem estruturado as chamadas “fábricas brilhantes”, que incorporam as inovações, usam robôs e diminuem o capital trabalho.

COMPLICADO X COMPLEXO - No debate sobre a indústria do futuro, Thomas Canova, vice-presidente global de P&D da Rhodia Sovay, abordou a transição de um mundo complicado para um mundo complexo. Essa complexidade desponta e se desenvolve a partir da fusão entre as diferentes áreas do conhecimento como a Física, a Biologia e a Química.

A fusão dessas áreas abre novos e inimagináveis campos de desenvolvimento de produtos e serviços. O desafio para a indústria brasileira, analisou ele, é o de ver qual será a velocidade de incorporação dessas tecnologias e da convergência entre esses conhecimentos. “É preciso fazer essa transição e a questão é se faremos isso de maneira menos rápida que os outros".

Na intensa discussão sobre o futuro da indústria no Brasil, o chefe do escritório de desenvolvimento empresarial da Universidade do Estado do Arizona, Sethuraman “Panch” Panchanathan, chamou a atenção para o fator educação. Ele fez um alerta sobre a necessidade de que os estudantes sejam preparados para um mundo altamente tecnológico e que um dos caminhos para isso é a parceria entre o mundo acadêmico e o setor industrial.


CONGRESSO DE INOVAÇÃO - Acesse o site oficial para mais informações sobre o evento. Acompanhe a cobertura completa do Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria:


17/05/2017Futuro da indústria no mundo digital é o tema central do Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria

13/06/20177 razões para você não perder o 7º Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria

22/06/2017 ENTREVISTA: Inovação é uma das principais formas para tornar empresas mais competitivas, diz Ricardo Pelegrini

26/06/2017 Empresários, especialistas e autoridades debatem sobre os rumos da inovação na indústria no Brasil

26/06/2017 Projeto Indústria 2027 mostrará oportunidades e desafios para a indústria brasileira diante da nova revolução industrial

27/06/2017CNI e Sebrae anunciam empresas vencedoras do Prêmio Nacional de Inovação 2016/2017

27/06/2017ARTIGO: Um acerto com o futuro

27/06/20179 megatendências da inovação que vão transformar a indústria

27/06/2017 - Inovação é imperativo para o crescimento da indu´stria e do país, afirma CNI

27/06/2017 - Carros serão substituídos por veículos autônomos até 2025, diz Peter Diamandis

28/06/2017Inovações disruptivas criam oportunidades de negócios para a indústria brasileira

28/06/2017 - Manufatura avançada transforma indústria mundial

28/06/2017 - Startups revolucionam desenvolvimento da indústria brasileira

28/06/2017 - Conheça 22 cases que evidenciam o valor da inovação no país

29/06/2017 - 9 destaques do Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria

Da Agência CNI de Notícias

Leia mais

Indústria de cosméticos tem apoio dos Institutos SENAI de Inovação para ser mais competitiva

Brasil fica estagnado no Índice Global de Inovação

ENTREVISTA: Cortar investimentos em inovação é dar tiro no pé, diz professor da INSEAD

Mudanças no sistema de propriedade intelectual melhorarão ambiente de inovação, avalia CNI

SISTEMA INDÚSTRIA NAS REDES SOCIAIS

CNI: SlideShare | YouTube | Flickr | Google Plus | Instagram | Facebook | Twitter | SoundCloud | LinkedIn
SESI: Facebook | YouTube | LinkedIn
SENAI: Facebook | Instagram | YouTube | Spotify | Twitter | LinkedIn
IEL: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Snapchat | LinkedIn

Comentários