NOTÍCIAS

29 de Novembro de 2016 às 16:56

A- A A+

Indecisão do governo mantém frete marítimo 47,1% mais caro para o Chile

Bandeira Brasil e Chile A Confederação Nacional da Indústria (CNI) espera que a decisão unânime da Câmara de Comércio Exterior (Camex) em acabar com o acordo marítimo com o Chile se mantenha na reunião da Camex na terça-feira (13). Para o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, a denúncia do acordo é urgente e necessária para reduzir o preço do frete marítimo e permitir a competição na rota Brasil-Chile-Brasil.

O convênio marítimo bilateral é perverso para a competição, mantém apenas oito navios para atender 5 mil empresas e deu poder de monopólio para os transportadores no Brasil e no Chile.

Estudo inédito do Centro do Comércio Global e Investimento da Escola de Economia de São Paulo, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), mostra que o frete marítimo entre o Brasil e o Chile é, em média, 47,1% mais caro do que deveria por causa do acordo. Do Chile para o Brasil, a ausência do livre comércio criou um frete 37% maior.

No entanto, quando se olha setorialmente, o sobrepreço pago pela indústria extrativa que exporta para o Chile é de 51,4%, as manufaturas pagam 46,4% a mais, a agropecuária 45,1% e o agronegócio 41,5%. Atualmente, o Chile é o sétimo principal mercado para os produtos de alto valor agregado do Brasil.

AUMENTO DAS EXPORTAÇÕES – O estudo da FGV mostra que as exportações de manufaturas do Brasil para o Chile aumentariam 13,45% e o agronegócio subiriam 11,28%. Os principais benefícios para as exportações chilenas seriam na agropecuária, com incremento de 21,68% e na indústria extrativa, 19,4%.

A CNI avalia que o aumento da importação não é negativa, pois o Brasil importa insumos essenciais para a indústria, como o cobre. Com a abertura de mercado, os ganhos na corrente de comércio é de US$ 636 milhões.

“O estudo da FGV reforça a posição da CNI de que não existem razões que justifiquem, em pleno século 21, a manutenção de um acordo que cria uma reserva de mercado. No Brasil, são quase 5.000 empresas negativamente afetadas por esse instrumento ultrapassado. Sabemos que o objetivo do governo brasileiro é destravar a economia e impulsionar o comércio exterior. Mas, para isso, a CAMEX precisa confirmar sua decisão", diz o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

Reportagem atualizada em 07/12/2016 às 17h24. A reunião da Camex foi adiada para o dia 13 de dezembro.

Por Adriana Nicacio
Da Agência CNI de Notícias

Leia mais

Fim do acordo marítimo com Chile beneficia economia brasileira, diz CNI

SISTEMA INDÚSTRIA NAS REDES SOCIAIS

CNI: SlideShare | YouTube | Flickr | Google Plus | Instagram | Facebook | Twitter | SoundCloud | LinkedIn
SESI: Facebook | YouTube | LinkedIn
SENAI: Facebook | Instagram | YouTube | Spotify | Twitter
IEL: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Snapchat | LinkedIn

Comentários