NOTÍCIAS

5 de Abril de 2016 às 11:01

A- A A+

Satisfação com a vida é a menor em 17 anos, informa CNI

Os brasileiros nunca estiveram tão insatisfeitos. Em março, o índice de satisfação com a vida , que caiu 2,8% ante dezembro de 2015, atingiu 92,4 pontos, o menor patamar desde o início da série histórica, iniciada em março de 1999.

As informações são da pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta terça-feira (5). Na comparação com março de 2015, a queda no indicador foi de 2,4%.

O Índice de Medo do Desemprego teve alta de 4,1% em março ante dezembro de 2015 e registrou 106,5 pontos no mês passado. Esse foi o segundo maior indicador da série histórica, iniciada em 1999. Na comparação com março de 2015, o índice cresceu 7,8%.

Segundo a pesquisa, o medo do desemprego aumentou mais fortemente entre dezembro de 2014 e março de 2015. “Desde então, a continuidade do crescimento do índice indica que as expectativas dos brasileiros em relação ao mercado de trabalho continuam a se deteriorar”, destaca o documento da CNI.

A economista da CNI Maria Carolina Marques explica que o medo do desemprego afeta o índice de satisfação com a vida. “Além disso, outras questões que estão pesando na insatisfação dos brasileiros são as crises econômica e política, que geram um cenário de incertezas”, destaca. O levantamento foi feito com 2.002 pessoas em 142 municípios entre 17 e 20 de março.


ENTREVISTAS
- A Agência CNI de Notícias também conversou com algumas pessoas sobre o tema da pesquisa. Confira:

Sílvia Oliveira

Estou desempregada há quase um ano e, por isso, precisei mudar meus hábitos de consumo. Estava fazendo faculdade e tive de trancar porque não tenho como pagar. Tenho duas filhas e não posso mais dar as coisas que elas pedem. Hoje eu só compro o necessário no supermercado

Sílvia Oliveira Desempregada

Rodrigo Rodrigues

Me preocupo porque os preços aumentaram bastante. Sentei com minha esposa e combinamos de cortar alguns gastos como carnes e frutas, e até diminuir alimentos como arroz e feijão. Nosso limite seria R$400, mas estamos gastando mais de R$600 todos os meses. As coisas estão ficando cada vez mais caras e quem é pai de família sempre sente

Rodrigo Rodrigues Chefe de fila de restaurante

Maria Lúcia

A crise afeta quem está querendo trabalhar. Fiz vários cursos e, mesmo assim, não consigo emprego na área. Está muito difícil conseguir emprego, mesmo se a gente se profissionalizar. As empresas estão fechando as portas e prejudicando todo mundo

Maria Lúcia Desempregada

Leonardo Torres

Tenho medo de ficar desempregado e conheço pessoas que perderam o emprego nos últimos tempos.  A perspectiva não parece ser muito boa. Estou mudando meus hábitos de consumo, economizando, cortando gastos e reduzindo para ajustar no orçamento

Leonardo Torres Engenheiro agrônomo


SAIBA MAIS - Acesse a página do Índice do Medo do Desemprego e de satisfação com a vida para conhecer todos os detalhes.

Por Maria José Rodrigues
Colaborou: Gabriel Aragão
Vídeo: João Pimentel e José Paulo Lacerda
Fotos: José Paulo Lacerda
Da Agência CNI de Notícias

SISTEMA INDÚSTRIA NAS REDES SOCIAIS

CNI: SlideShare | YouTube | Flickr | Google Plus | Instagram | Facebook | Twitter | SoundCloud | LinkedIn
SESI: Facebook | YouTube | LinkedIn
SENAI: Facebook | Instagram | YouTube | Spotify | Twitter
IEL: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Snapchat | LinkedIn

Comentários